All Title Author
Keywords Abstract


Motiva o na aprendizagem organizacional: construindo as categorias afetiva, cognitiva e social.

Keywords: Motiva o , Aprendizagem , Afeto , Cogni o , Categorias.

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

O estudo dos processos complexos de aprendizagem encontra no fen meno motivacional um elemento fundamental. O que se busca neste ensaio é compreens o do entrela amento dos aspectos afetivos, cognitivos e sociais da motiva o no interior do processo de aprendizagem organizacional. A delimita o do objeto – motiva o na aprendizagem organizacional – emerge, inicialmente, da constru o de cada categoria: a) categoria afetiva, originária da confluência entre a teoria psicanalítica freudiana e abordagem psicodinamica da aprendizagem; b) categoria cognitiva, procedente do pensamento piagetiano; e c) categoria social, sob a influência das teorias da aprendizagem social e sociocognitiva. Em virtude de as teorias referenciais terem sido desenvolvidas historicamente sob paradigmas distintos, elabora-se uma aproxima o entre o paradigma criticalista, que transpassa a abordagem psicanalítica, e o construcionismo social, que sustenta as abordagens da psicologia utilizadas. A análise conjunta das três categorias e de seus fatores envolve dois momentos: a análise dos fatores da motiva o na aprendizagem, descritos por autores que atuam no campo do indivíduo, observando aqueles que podem ser adaptados para o campo organizacional, e inseridos nas categorias desenvolvidas; e proposi o de um quadro-síntese de categorias e fatores que possa ser utilizado em estudos subsequentes sobre o tema. Este artigo pretende contribuir para um novo olhar sobre as teorias da motiva o e da aprendizagem nas organiza es, uma vez que a sua rela o constitui um objeto de estudo que n o pode ser reduzido a um tipo motivacional, tampouco a um tipo de cenário de engajamentos, semelhante à motiva o no trabalho, mas consiste em um conceito inerente aos processos do aprender organizacional. Atribui-se a relevancia do estudo à abertura de uma perspectiva multiparadigmática de compreens o do fen meno.

Full-Text

comments powered by Disqus