oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2019 ( 6 )

2018 ( 30 )

2017 ( 17 )

2016 ( 21 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 10705 matches for " Lopes Darci Clementino "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /10705
Display every page Item
Desempenho, características de carca?a e composi??o óssea de suínos alimentados com diferentes níveis de ractopamina e fitase
Corassa, Anderson;Lopes, Darci Clementino;Teixeira, Alexandre de Oliveira;
Revista Brasileira de Zootecnia , 2010, DOI: 10.1590/S1516-35982010000800016
Abstract: the experiment was carried out aiming at evaluate the effect of using ractopamine and phytase in diets for swines at the end of the finishing period on performance, carcass characteristics and mineral composition on the third metacarpus bone. it was used 240 barrows with initial weight 100.7 ± 3.9 kg in a random block design, in a 2 × 3 factorial arrangement, with two levels of ractopamine (5 ppm and 10 ppm) and three levels of phytase (0, 500, and 750 ftu) totalizing six diets evaluated in five replications of eight animals per experimental unit. the experiment was conducted for three weeks and, at the end, the animals were slaughtered for carcass evaluation. there was no interaction among the levels of ractopamine and phytase for any of the variables. body weight, ration daily intake, farm to slaughter shrink, percentage of fat-free lean and contents of ash, phosphorus and fluoride in the bone were not influenced by the diets. the level 10 ppm ractopamine promoted the best results of weight gain, feed conversion, hot carcass weight, total fat-free lean, payment index, and content of calcium in the bone. the evaluated levels of phytase did not influence neither the performance nor the characteristics of the carcass, except the yield, which was higher for the animals fed 500 ftu diet than those that did not receive phytase. diets 10 ppm ractopamine provided better performance and carcass characteristics than 5-ppm diets. replacement of inorganic source by phytase (500 or 750 ftu) in the diet does not affect performance, characteristics of carcass neither mineral composition in the bone of swines fed diets with ractopamine.
Ractopamina e fitase em dietas para suínos na fase de termina??o
Corassa, Anderson;Lopes, Darci Clementino;Teixeira, Alexandre de Oliveira;
Revista Brasileira de Zootecnia , 2009, DOI: 10.1590/S1516-35982009001100015
Abstract: the objective of this study was to evaluate the effects of ractopamine and enzyme phytase on the performance and carcass characteristics of finishing pigs. three hundred and fifty-four commercial type barrows were used from a single source with 94.1 ± 5.7 kg initial body weight in a randomized complete block design, with six treatments and five replications with 11 or 12 animals per experimental unit evaluated. the following feeds were: control diet based on tables of nutritional requirements; (a) diet control with nutritional adjustment for ractopamine; (fit) diet a with phytase; (rac) diet a with ractopamine; (rac+fit) diet a with ractopamine and phytase; and (rac+fite) diet a with ractopamine and phytase with part of the demands for calcium and available phosphorus met by the enzyme. the experiment lasted 21 days and at the end the animals were slaughtered for carcass evaluation. the results were compared by orthogonal contrasts. feed intake was not influenced by the diets. the diet with adjusted protein and amino acid levels and without ractopamine did not improve performance compared with the control diet. there was effect of ractopamine on daily gain and feed conversion at the end of the 21-day period, and also on the pre-slaughter weight, hot carcass weight, carcass dressing, total fat-free lean and payment index. phytase inclusion in diets containing ractopamin for calcium and phosphorus available levels above the finishing pigs′ requirements did not effect the weight gain, feed conversion and carcass traits. ractopamine improved performance and carcass traits. the use of phytase in diets containing ractopamine in partial substitution of inorganic mineral sources made possibly to maintain performance and carcass traits.
Redu o da proteína bruta da ra o para suínos machos castrados dos 15 aos 30 kg mantidos em termoneutralidade
Ferreira Rony Antonio,Oliveira Rita Flávia Miranda de,Donzele Juarez Lopes,Lopes Darci Clementino
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: Um experimento foi conduzido para avaliar a influência da redu o da proteína bruta (PB) e suplementa o de aminoácidos sintéticos sobre o desempenho de suínos machos castrados mantidos em ambiente termoneutro (22masculineC). Foram utilizados 60 leit es mesti os (Landrace x Large White) com peso médio inicial de 15,0 kg e idade média de 53,1 dias, em delineamento inteiramente ao acaso, com cinco tratamentos (18, 17, 16, 15 e 14% PB), seis repeti es e dois animais por unidade experimental. As ra es experimentais foram fornecidas à vontade até o final do experimento, quando os animais atingiram o peso médio de 30,2 kg. A temperatura média no interior da sala foi mantida em 22masculineC, com umidade relativa de 82,3%. O índice de Temperatura de Globo e Umidade calculado no período foi de 69,6. N o se observou efeito da redu o do nível de proteína bruta da ra o sobre as variáveis de desempenho (consumo de ra o, ganho de peso e convers o alimentar). As taxas de deposi o de proteína e gordura também n o foram influenciadas pela redu o da PB na ra o. Os tratamentos influenciaram os pesos absoluto e relativo do est mago e o peso absoluto do intestino, sendo os maiores valores observados em animais que receberam a ra o com maior nível de proteína bruta. Concluiu-se que o nível de PB da ra o pode ser reduzido de 18 para 14%, sem prejudicar o desempenho de suínos machos dos 15 aos 30 kg mantidos em ambiente termoneutro, desde que devidamente suplementadas com aminoácidos essenciais limitantes.
Efeito de dietas simples e complexas sobre a morfo-fisiologia gastrintestinal de leit es até 35 dias de idade
Teixeira Alexandre de Oliveira,Lopes Darci Clementino,Ferreira Aloízio Soares,Donzele Juarez Lopes
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: Um experimento foi realizado com o objetivo de verificar o efeito de dietas simples e complexas sobre a morfo-fisiologia gastrintestinal de leit es, nas fases de maternidade (7 aos 21 dias) e pós-desmame (21 aos 35 dias de idade). Utilizaram-se 96 leit es mesti os (machos e fêmeas), distribuídos em delineamento de blocos casualizados, com quatro tratamentos, seis repeti es e quatro leit es por unidade experimental. As dietas usadas foram: duas simples - uma com 16 e a outra 19% de proteína (PB) - e duas complexas - uma à base de milho, farinha de peixe, leite em pó e glúten de milho, sem o uso de farelo de soja (CSFS), e a outra à base de milho, farinha de peixe, leite em pó, farelo de soja e sem glúten de milho (CCFS), ambas com 19% de PB. Os leit es foram abatidos aos 14, 21, 28 e 35 dias de idade. Houve redu o dos pesos absoluto e relativo do fígado e do peso relativo do pancreas, com a utiliza o da dieta CSFS. O pH da ingesta estomacal e da digesta intestinal n o foi influenciado pelo tipo de dieta. Os animais que consumiram a dieta simples com 16% de PB e complexa CSFS obtiveram maior profundidade de cripta (PC) aos 21 e 35 dias de idade, respectivamente, n o tendo efeito sobre a altura das vilosidades (AV) e rela o vilosidade:cripta (RVC). A PC aumentou linearmente, enquanto a AV e RVC diminuíram quadraticamente até 27 e 30 dias de idade, respectivamente. As dietas simples ou complexa, em raz o da qualidade e quantidade dos ingredientes, afetaram a profundidade das criptas do intestino delgado e o peso dos órg os auxiliares da digest o, mas n o influenciaram o pH do conteúdo estomacal e intestinal de leit es desmamados aos 21 dias de idade.
Níveis de proteína bruta para leitoas dos 30 aos 60 kg mantidas em ambiente de alta temperatura (31oC)
Orlando Uislei Antonio Dias,Oliveira Rita Flávia Miranda de,Donzele Juarez Lopes,Lopes Darci Clementino
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: O experimento foi conduzido para avaliar níveis de proteína bruta (PB) para leitoas em crescimento, mantidas em ambiente de alta temperatura. A temperatura interna da sala foi mantida em 30,7 ± 0,61°C; a umidade relativa, em 66,4 ± 7,7%; e o índice de temperatura de globo e umidade (ITGU) foi calculado em 81,1 ± 1,36. Foram utilizadas 40 leitoas mesti as, com peso inicial médio de 29,7 ± 1,60 kg, em delineamento de blocos ao acaso com cinco tratamentos (16, 17, 18, 19 e 20% de PB), quatro repeti es e dois animais por unidade experimental. As ra es experimentais isoenergéticas (3400 kcal de ED/kg de ra o) foram formuladas para satisfazer as exigências dos animais, exceto em PB. Ra o e água foram fornecidas à vontade até o final do experimento, quando os animais atingiram peso médio de 60,0 ± 1,93 kg. Os tratamentos n o influenciaram o ganho de peso. Entretanto, a convers o alimentar melhorou de forma quadrática até o nível de 18,26%. Os consumos diários de proteína e lisina aumentaram linearmente em raz o do nível de PB da ra o, porém n o se observou efeito dos tratamentos sobre os consumos de ra o e de energia digestível diários. A taxa de deposi o diária de gordura (TDG) na carca a variou de forma quadrática, reduzindo até o nível de 19,48% de PB, enquanto a de proteína (TDP) aumentou de forma linear. Apesar dos efeitos quadrático e linear dos tratamentos sobre a TDG e a TDP, respectivamente, o modelo "Linear Response Plateau" (LRP) foi o que melhor se ajustou aos dados, estimando-se em 18,38 e 18,12% os níveis de PB, a partir dos quais a TDG e a TDP permaneceram em um plat . Leitoas em crescimento, mantidas em ambiente de alta temperatura, exigem 18,26% de PB na ra o para melhor desempenho e composi o de carca a.
Níveis de lisina em ra o de lacta o para fêmeas suínas primíparas
Cota Tereza da Silveira,Donzele Juarez Lopes,Oliveira Rita Flávia Miranda de,Lopes Darci Clementino
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract:
Níveis de Treonina em Ra es para Leitoas com Alto Potencial Genético para Deposi o de Carne Magra dos 30 aos 60 kg
Rodrigues Nair Elizabeth Barreto,Donzele Juarez Lopes,Oliveira Rita Flávia Miranda de,Lopes Darci Clementino
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: Este experimento foi conduzido para avaliar níveis de treonina total em ra es para leitoas dos 30 aos 60 kg. Quarenta fêmeas, com peso inicial médio de 29,2 ± 1,4 kg, foram utilizadas em delineamento experimental em blocos casualizados, com cinco tratamentos (0,60; 0,65; 0,70; 0,75; e 0,80% de treonina total), quatro repeti es e dois animais por unidade experimental. A ra o basal com 18% de proteína bruta e 0,928% de lisina total, atendeu as exigências das leitoas, de acordo com o NRC (1988), exceto de treonina. A ra o basal foi suplementada com L-treonina, resultando em ra es experimentais que proporcionaram rela es treonina digestível:lisina digestível calculadas de 62, 68, 74, 80 e 86%, respectivamente. Ao final do experimento, quando os animais atingiram peso médio de 59,98 ± 2,9 kg, foram coletadas amostras de sangue, para análise de uréia no soro sangüíneo, e um animal por unidade experimental foi abatido para avaliar a taxa de deposi o de proteína na carca a. Observou-se efeito dos níveis de treonina sobre o ganho de peso dos animais, que aumentou de forma linear. O consumo de ra o aumentou quadraticamente até o nível de 0,66% de treonina da ra o. Os tratamentos influenciaram a convers o alimentar (CA), que reduziu até o nível de 0,70%. A rela o estimada da treonina digestível:lisina digestível verdadeira, no nível que proporcionou os melhores resultados de convers o alimentar, correspondeu a 75%. N o foi observado efeito dos tratamentos sobre o teor de uréia no soro sangüíneo. Os níveis de treonina também influenciaram a taxa de deposi o de proteína na carca a, que aumentou de forma quadrática até o nível de 0,70%. Concluiu-se que leitoas com alto potencial genético dos 30 aos 60 kg exigem 0,70% de treonina total, correspondente a 0,62% de treonina digestível, e a uma rela o estimada treonina digestível:lisina digestível verdadeira de 75%.
Desempenho e características de carca a de coelhos alimentados com ra es contendo diferentes níveis de amido e fontes de fibra
Arruda Alex Martins Varela de,Lopes Darci Clementino,Ferreira Walter Motta,Rostagno Horacio Santiago
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: O objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho e as características quantitativas e qualitativas da carca a de coelhos em crescimento alimentados com ra es contendo diferentes níveis de amido (22 e 32% em média) mediante a inclus o de milho gr o e diferentes fontes de fibra (feno de alfafa ou casca de soja), em esquema fatorial 2x2. As ra es experimentais foram peletizadas e fornecidas à vontade durante um período de 40 dias, para 40 coelhos desmamados aos 35 dias, alojados individualmente e seguindo delineamento inteiramente casualizado. N o foram observados efeitos significativos para a intera o entre fonte de fibra e nível de amido sobre os parametros avaliados neste estudo. O consumo de alimento foi maior para as ra es contendo feno de alfafa (91,27 g/d), mas ganho de peso e convers o alimentar n o diferiram estatisticamente entre os tratamentos (média geral de 30,18 g/d e 2,94). O rendimento, teor de proteína, a eficiência protéica e energética de carca a foram melhores com as ra es contendo maiores níveis de amido (50,20; 62,36; 56,38; e 30,04%, respectivamente), mas n o diferiram estatisticamente para as fontes de fibra. Assim, ra es contendo maiores níveis de amido ou contendo casca de soja propiciaram melhores índices de convers o alimentar e melhores características de carca a, possivelmente, reflexo de melhor eficiência de utiliza o dos nutrientes.
Uso de ratos de laboratório para determinar o valor nutritivo do milho em diversos níveis de carunchamento
Braga Luís Gustavo Tavares,Lopes Darci Clementino,Costa Neuza Maria Brunoro da,Pereira Jamilton Santos
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: Com o objetivo de avaliar os efeitos do milho carunchado e a qualidade de sua proteína para ratos em crescimento foi conduzido um experimento no biotério do Departamento de Nutri o/UFV. Trinta ratos (fêmeas) recém-desmamados, da linhagem Wistar, com 22 dias de idade e peso médio de 53,9 ± 3,2 g foram distribuídos em delineamento inteiramente casualizado para cinco tratamentos e seis repeti es com um animal por unidade experimental. Os tratamentos consistiram de uma dieta basal (controle positivo), como um padr o de caseína, quatro dietas com milho que continha 2%; 10%; 17% e 38% de carunchamento e uma dieta isenta de proteína. O ensaio teve dura o de 14 dias. Foram observados maior ganho de peso médio diário (GPMD), maior consumo de ra o médio diário (CRMD), melhor convers o alimentar (CA) e maior raz o protéica líquida (NPR) nos ratos que receberam a dieta padr o de caseína do que nas dietas que continham o milho carunchado, mas n o foi observado diferen a entre as dietas que continham diferentes níveis de carunchamento. Por outro lado, foi observado maiores coeficientes de digestibilidade de MS, PB e EDque na dieta padr o de caseína do que nas dietas contendo milho carunchado, embora maiores coeficientes tenham sido observados com 17% e que os valores semelhantes entre 2 e 38% provavelmente estejam relacionados ao processo de carunchamento. Com base nos dados do experimento, pode-se concluir que o aumento do nível de carunchamento do milho n o afetou o desempenho dos animais e que a raz o protéica líquida (NPR) do milho foi, em média, 57,8% do valor da dieta padr o de caseína. As varia es observadas nos coeficientes de digestibilidade do milho podem ser atribuídos ao processo de carunchamento.
Atividade microbiana cecal e contribui o nutricional da cecotrofia em coelhos alimentados com ra es contendo diferentes fontes de fibra e níveis de amido
Arruda Alex Martins Varela de,Lopes Darci Clementino,Ferreira Walter Motta,Rostagno Horacio Santiago
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: Objetivou-se neste estudo a avalia o da atividade microbiana cecal e a contribui o nutricional da cecotrofia em coelhos alimentados com ra es contendo diferentes níveis de amido (22 a 32% em média) mediante a inclus o de milho gr o e diferentes fontes de fibra (feno de alfafa ou casca de soja), em esquema fatorial 2x2. No primeiro experimento, 40 coelhos alojados em gaiolas de engorda individuais, em delineamento inteiramente casualizado e alimentados à vontade dos 45 aos 85 dias de idade, foram abatidos para coleta dos conteúdos ileais e cecais. A concentra o de ácidos graxos voláteis foi influenciada pela intera o entre tratamentos, sendo 93,82 mmol/l para ra o de maior nível de amido com casca de soja e 80,03 mmol/l para ra o de menor nível de amido com feno de alfafa. No segundo experimento, 40 coelhos aos 65 dias de idade, alojados em gaiolas de engorda individuais, em delineamento inteiramente casualizado, foram alimentados à vontade por 10 dias, e receberam colares de madeira para permitir a coleta total de cecotrofos. Houve influência da intera o entre tratamentos sobre os teores de proteína e energia dos cecotrofos, sendo de 29,66% e 4204,87 kcal/kg para ra o contendo maiores níveis de amido e casca de soja e de 27,98% e 4080,46 kcal/kg para ra o contendo menores níveis de amido e feno de alfafa. As ra es de alto amido ou com casca de soja propiciaram maior enriquecimento do conteúdo cecal e melhor aporte nutricional para os coelhos.
Page 1 /10705
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.