oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2020 ( 9 )

2019 ( 30 )

2018 ( 76 )

2017 ( 68 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 7453 matches for " Gülen "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /7453
Display every page Item
NEOLIBERALISM, TECHNOCRACY AND NATIONAL ISLAMISM: THE GüLEN MOVEMENT
Francisco Veiga
Revista CIDOB d'Afers Internacionals , 2011,
Abstract: What has become known as the Gülen movement has grown considerably over the past 20 years. Defined as a transnational movement to help civil society, it is based on the ideas of the Muslim theologist Fethullah Gülen, who is of Turkish nationality. His work in the community (which has its nucleus in Turkey) has spread as far as Central Asia, the Far East, North and South America, the Balkans and even to some countries in Africa. On one hand, it forms part of the phenomenon of the neo-brotherhoods inspired by Sufism, but on the other, because of the nationalist and neoliberal ideology it champions, it is linked with the main tendencies of “national Islam” that opposes radical “internationalist Islamism”.
As Abelhas Como Agentes Polinizadores (The Bees Agents Pollinizer’s)
Souza, Darklê Luiza,Evangelista-Rodrigues, Adriana,Pinto, Maria do Socorro de Caldas
REDVET , 2007,
Abstract: As abelhas s o os principais agentes polinizadores dos vegetais em troca os vegetais produzem substancias adocicadas que atraem as abelhas, as quais carregam em seus pêlos o pólen dessa planta florífera. O pólen é importante para o desenvolvimento da colméia, pois é a fonte principal de proteína das abelhas, logo ao garantir o desenvolvimento da família à abelha também perpetuam a espécievegetal. A intera o entre as abelhas e plantas garantiu aos vegetais o sucesso na poliniza o cruzada, que constitui numa importante adapta o evolutiva das plantas, aumentando o vigor das espécies,possibilitando novas combina es de fatores hereditários e aumentando a produ o de frutos e sementes. Assim como as abelhasnativas, as abelhas naturalizadas também dependem da vegeta o nativa ou introduzida para garantir a sobrevivência de suas famílias garantindo reserva de mel e pólen. Estudos realizados por diversospesquisadores evidenciam a importancia da preserva o das condi es ambientais e da utiliza o desses insetos como polinizadores,potencializando a qualidade e quantidade econ mica de diversas culturas. Para assegurar servi os sustentados de polinizadores associados com ecossistemas agrícolas, é preciso muito maisentendimento dos múltiplos benefícios e servi os fornecidos pela diversidade de polinizadores e os fatores que influenciamseu declínio e atividade. é necessário promover a conserva o e a diversidade de polinizadores nativos e naturalizados, alémde conservar e restaurar as áreas naturais necessárias para otimizar os servi os dos polinizadores em ecossistemas agrícolas e em outros ecossistemas terrestres. The bees are the principal agents pollinizer’s of the vegetables in change the vegetables they produce sweetened substances that they attract the bees, which carry in your hair the pollen of that plant. The pollen is important for development of the beehive, because it is the main source of protein of the bees, soon when guaranteeing thedevelopment of the family the bee they also perpetuate the vegetable species. Interaction between the bees and plants guaranteed to the vegetables the success in crossed pollination, that it constitutes in an important evolutionary adaptation of the plants, increasing the vigor of the species, making possible new combinations of hereditary factors and increasing the production of fruits and seeds. As well asnative bees, the bees naturalized they also depend on the native vegetation or introduced to guarantee the survival of your families guaranteeing honey reservation and pollen. Studies accomplished by several researc
COLETOR DE PóLEN PARA FLOR DE TOMATEIRO (Lycopersicon esculentum) TOMATO FLOWER (Lycopersicon esculentum) POLLEN COLLECTOR
Reinaldo Soares de Paula,Rogério de Araújo Almeida
Pesquisa Agropecuária Tropical , 2007, DOI: 10.5216/pat.v29i2.2871
Abstract: Partindo de um barbeador elétrico, um coletor de pólen foi desenvolvido no Laboratório de Mecaniza o da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás, a fim de extrair o pólen da flor do tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.), de maneira fácil e dinamica. O coletor de pólen mostrou-se prático e eficiente. PALAVRAS-CHAVE: Coletor; extra o; pólen; tomate. Starting from an electric shaver, a pollen collector was developed at the Mecanization Laboratory of the Agronomy School of the Federal University of Goiás, in order to make the extraction of the tomato (Lycopersicon esculentum Mill.) flower pollen easy and dynamic The pollen collector proved to be practical and efficient. KEY-WORDS: Collector; extraction; pollen; tomato.
Stimulated Optical Luminescence Applied to Dating Coastal Sediments in Northeastern Brazil [A Utiliza o do Método de Luminescência Opticamente Estimulada para a Data o de Sedimentos de Dunas Costeiras do Nordeste Setentrional do Brasil]
Luis P. Maia,Francisco Gleidson da C. Gast?o,S?nia H. Tatumi,Luiz D. Lacerda
Revista Virtual de Química , 2011,
Abstract: Stimulated optical luminescence (SOL) was applied in dating coastal sediments in northeastern Brasil and revealed that the evolution of aeolic deposits in the region can be divided in 4 stages related to climate changes occurred during the quaternary leading to sea level changes, which modeled the coastline since the end of the Higher Pleistocene to present. The first stage dated back from 108,000 ± 11,000 years to 103,000 ± 9.000 anos B.P. (Before Present), but related mas que está relacionado ao máximo da Penúltima Transgress o, que aconteceu no Pleistoceno Médio, por volta de 123.000 anos, evento marcado por eros o dos depósitos mais antigos. O segundo estágio revelado pelas idades de 25.000 a 18.100 anos A.P, está relacionado à forma o do vasto campo de dunas, que alcan aram cerca de 160 km da linha de costa e que fixaram no terceiro estágio (14.000 a 12.000 anos A.P). O quarto estágio é representado pelas dunas móveis dos Len óis Maranhenses, que podem ter se formado há pelo menos 3.000 anos A.P.
Tipos polínicos coletados por Nannotrigona testaceicornis e Tetragonisca angustula (Hymenoptera, Apidae, Meliponinae)
Carvalho Carlos Alfredo Lopes de,Marchini Luis Carlos
Scientia Agricola , 1999,
Abstract: Os tipos polínicos coletados no mesmo pasto apícola por Nannotrigona testaceicornis e Tetragonisca angustula (Hymenoptera, Apidae, Meliponinae) foram estudados e comparados durante dois meses em Piracicaba-SP, (22o43'S; 47o25'W; altitude: 580m). As massas de pólen foram obtidas através da captura de operárias que retornavam à col nia das 5:00 às 19:00 horas nos meses de outubro e novembro de 1996. Trinta e um tipos polínicos pertencentes a 22 famílias foram identificados, dos quais 22,58% foram coletados exclusivamente por N. testaceicornis, 35,48% por T. angustula e 41,94%, por ambas as espécies. As famílias Fabaceae, Liliaceae, Mimosaceae e Myrtaceae e as espécies Bulbine frutescens, Eucalyptus spp., Leucaena leucocephala e Tipuana tipu foram as mais freqüentes e constantes durante os trabalhos. O índice de similaridade entre as fontes de pólen explorada pelas abelhas foi igual a 0,78.
Visitantes florais de plantas invasoras de áreas com fruteiras irrigadas
Kiill Lúcia Helena Piedade,Haji Francisca Nemaura Pedrosa,Lima Paulo César Fernandes
Scientia Agricola , 2000,
Abstract: As plantas invasoras afetam a produtividade das fruteiras irrigadas, sendo necessários estudos sobre sua ecologia, principalmente formas de reprodu o e associa o com insetos. O presente trabalho foi desenvolvido em Petrolina-PE, objetivando classificar os visitantes florais de plantas invasoras em polinizadores e pilhadores, de acordo com o comportamento apresentado. As observa es foram feitas de maio a outubro de 1998, em 26 dias n o consecutivos, no intervalo das 7h00 às 16h00. As invasoras foram classificadas em nectaríferas e poliníferas, quando visitadas para retirada exclusiva de néctar ou de pólen; e em mistas, quando visitadas para retirada dos dois recursos. Para a análise de freqüência foi adotado um sistema de notas: a- número de visitas >30, b- entre 10 e 30 e c- <10 visitas. Das 24 invasoras observadas, 14 foram consideradas nectaríferas, seis poliníferas e quatro mistas. Entre os visitantes florais foram registradas abelhas (Xylocopa grisescens, X. frontalis, Centris aff. perforator, Ptilotrix aff. plumata, Diadasina riparia, Apis mellifera, Trigona spinipes, Eulaema nigrita), borboletas (Ascia monuste, Papilio thoas brasiliensis, Agraulis vanillae) e beija-flores (Phaethornis sp., Chlorostilbon aureoventris). As abelhas apresentaram maior número de espécies (61,5%) e de visitas, além de agirem como polinizadores em 83% das invasoras visitadas. As borboletas foram consideradas pilhadores de néctar, participando como polinizadores de Emilia spp. e os beija-flores, considerados polinizadores das invasoras visitadas.
Espectro polínico de amostras de mel de Apis mellifera L., coletadas na Bahia
MORETI AUGUSTA CAROLINA DE CAMARGO CARMELLO,CARVALHO CARLOS ALFREDO LOPES DE,MARCHINI LUíS CARLOS,OLIVEIRA PATRíCIA CANTALINO FERNANDES DE
Bragantia , 2000,
Abstract: O espectro polínico encontrado em amostras de mel provenientes de seis municípios do Estado da Bahia foi analisado com o objetivo de contribuir para o conhecimento da flora visitada por Apis mellifera L. 1758 (Hymenoptera: Apidae)A identifica o dos tipos polínicos foi feita por meio de literatura especializada e de informa es de campo. Foram encontrados 43 tipos de pólen, sendo consideradas como dominantes as espécies Eucalyptus sp. (Myrtaceae), Mimosa verrucosa Benth. (Mimosaceae), M. scabrella Benth. (Mimosaceae) e Bauhinia sp. (Caesalpiniaceae). Os tipos acessórios foram Alternanthera ficoidea R.Br. (Amaranthaceae), tipo Compositae (Asteraceae) e Cecropia sp. (Moraceae). Destacou-se a participa o de Mimosa sp. (Mimosaceae) e de outras espécies silvestres na composi o dos méis nos municípios considerados, registrando-se ainda a espécie Eucalyptus sp. (Myrtaceae) como uma das principais fontes de alimento das abelhas dessa regi o.
Fontes de pólen utilizadas por Apis mellifera L. e algumas espécies de Trigonini (apidae) em Piracicaba (SP)
CARVALHO CARLOS ALFREDO LOPES DE,MARCHINI LUíS CARLOS,ROS PATRíCIA BENITES
Bragantia , 1999,
Abstract: As fontes de pólen utilizadas por uma col nia de Apis mellifera e quatro col nias de algumas espécies de Trigonini foram comparadas durante outubro e novembro de 1996, no Campus da ESALQ-USP, Piracicaba (SP) (22o43'S; 47o25'W; altitude: 580 m). A identifica o das espécies vegetais visitadas pelas abelhas foi realizada mediante o pólen encontrado nas massas localizadas nas corbículas das operárias das espécies estudadas. Identificaram-se 53 tipos polínicos, sendo a maior porcentagem de similaridade na utiliza o das fontes de pólen entre Nannotrigona testaceicornis e Tetragonisca angustula e, a menor, entre Apis mellifera e T. angustula. A seqüência das espécies com maior largura do nicho trófico foi A. mellifera seguida de Plebeia droryana, Partamona helleri, T. angustula e N. testaceicornis, enquanto, para a uniformidade de utiliza o das fontes de pólen, foi P. helleri, P. droryana, A. mellifera, N. testaceicornis e T. angustula.
Viabilidade de pólen in vivo e in vitro em genótipos de a aizeiro
Oliveira Maria do Socorro Padilha de,Maués Márcia Motta,Kalume Maura Anjos de Andrade
Acta Botanica Brasilica , 2001,
Abstract: Determinou-se a viabilidade de pólen in vivo e in vitro em 20 genótipos de a aizeiro, da cole o de germoplasma da Embrapa Amaz nia Oriental. Os gr os de pólen in vivo foram retirados de bot o floral (BF) e de flor recém-aberta (FA) e os in vitro de ampolas armazenadas em freezer (-10oC), com período de armazenamento (PA) de um (PA1), três (PA3), seis (PA6) e doze (PA12) meses. Utilizou-se a solu o de Baker, sendo foi retirada uma amostra para cada estádio. Calculou-se a taxa de viabilidade pela contagem de, aproximadamente, 500 gr os de pólen. Pólen in vivo, na maioria dos genótipos exibiram alta viabilidade com médias de 84,8% para bot es e 93,2% para flores recém-abertas, sendo as melhores taxas registradas nos genótipos 3 e 19. Para pólen in vitro, os genótipos apresentaram redu o na viabilidade com o aumento do período de armazenamento (PA1: 79,6%, PA3: 77,4%, PA6: 74,1% e PA12: 61,3%) mas o armazenamento n o foi prejudicial, pois grande parte dos genótipos alcan aram valores acima de 50%, destacando-se os genótipos 3 e 9 com as maiores percentagens. Portanto, pode-se considerar que, nos genótipos testados, pólen in vivo têm alta viabilidade e os in vitro devem ser usados em poliniza es controladas sem prejuízos na fecunda o, em até doze meses de conserva o.
ANDROGêNESE: UMA ROTA ALTERNATIVA NO DESENVOLVIMENTO DO PóLEN
Santos Eliane Kaltchuk,Zanettini Maria Helena Bodanese
Ciência Rural , 2002,
Abstract: A androgênese é o fênomeno no qual um gr o de pólen é capaz de alterar sua rota de desenvolvimento e originar um esporófito haplóide. Este processo ontogenético alternativo ainda é pouco conhecido, apesar de sua potencialidade tanto para estudos básicos como àqueles aplicados para melhoramento de plantas. O presente artigo tem como propósito revisar os fatores envolvidos no desvio da via gametofítica normal e os mecanismos fundamentais na indu o da embriogênese do pólen.
Page 1 /7453
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.