oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2013 ( 2 )

2012 ( 2 )

2011 ( 9 )

2010 ( 11 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 190 matches for " digestibilidade "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /190
Display every page Item
RUMINAL DEGRADATION OF THE DRY MATTER, PROTEIN AND THE AMINOACIDS OF THE CORN AND CORN GLUTENS MEAL DEGRADA O RUMINAL DA MATéRIA SECA, DA PROTEíNA E DOS AMINOáCIDOS DO MILHO E DE GERMENS DE MILHO
Reginaldo Nassar Ferreira,Jane Maria Bertocco Ezequiel,Beneval Rosa,Sérgio do Nascimento Kronka
Ciência Animal Brasileira , 2007,
Abstract: The present work was carried out at the Faculty of Agriculture and Animal Science, UNESP-Jaboticabal. Three Holstein x Zebu bovines fistulated on rumen, abomasum and intestine using a fixed cannula type T were used. Four types of feed: corn (M), 1% EE corn gluten meal (G1), 7% EE corn gluten meal and 10% EE corn gluten meal (G10) were tested. All feed were also extruded: CornEx, G1Ex, G7Ex and G10EX. Ruminal incubation was done using the nylon bags technique, and degradability of dry matter, crude protein and disponibilization of amino acids were analyzed. Basic diet was composed of corn gluten meal, soybean meal and hay at roughage (70): concentrate (30) ratio. Ruminal degrading of dry matter feed M, G1, G7 and G10 presented the following values: 37.5%, 56.7%, 56.8% and 55.1% respectively. Extruded feed: 52.3%, 68.9%; 69.0% and 61.6% for Mex, G1Ex, G7Ex and G10Ex. The corn was significantly inferior to others and extruded feed increased ruminal degradedly for all feed. The degradability of crude protein was 27.0%, 60.9%, 56.8% and 35.1% for M, G1, G7 and G10; 50.8, 52.2, 66.4 and 59.6 for MEx; G1Ex; G7Ex and G10Ex, respectively. Statistically the G1 feed was equal to M and both were inferior to G7 and G10. The extrusion process did not increase the degradability of crude protein of G1. The lysine presented high ruminal degradability for tested feed, showing values above 99%. The metionin presented values of degradability inferior for M (37.4%) related to G1 (57.1%). The treonine did not present differences between feed and extrusion. It can be concluded that the processing of corn to obtain by-products can increase the ruminal degradability of dry matter, protein and metionine, but depending on intensity of processing, the degradability of crude protein may not be altered when compared to corn. The extrusion increased the ruminal degradability of dry matter of corn and by-products. KEY-WORDS: Amino acids, degradability, extrusion, ruminants. O trabalho foi desenvolvido na Faculdade de Ciên-cias Agrárias e Veterinárias da UNESP de Jaboticabal. Utilizaram-se três bovinos holandês x zebu, fistulados no rúmen, no abomaso e no intestino delgado com canu-la fixa tipo T. Testaram-se quatro alimentos: milho (M); gérmen de milho com 1% de EE (G1), gérmen de milho com 7% de EE (G7) e gérmen de milho com 10 % de EE (G10). Os mesmos alimentos foram também extrusados: MEx; G1Ex; G7Ex e G10Ex. Procedeu-se à incuba o ruminal, usando-se a técnica de sacos de náilon, à degra-dabilidade da MS e da PB e à disponibiliza o de AA. A dieta básica foi composta de gérm
DIGESTIBILIDADE IN VITRO E IN VIVO DE PROTEíNAS DE ALIMENTOS: ESTUDO COMPARATIVO
C. V. PIRES,M. G. A. OLIVEIRA,J. C. ROSA,G. A. D. R. CRUZ
Alimentos e Nutri??o , 2008,
Abstract: O presente trabalho teve como objetivos determinar a digestibilidade in vivo, ajustar equa es para a determina o da digestibilidade in vitro por meio de diferentes métodos e verificar qual método desenvolvido para a digestibilidade in vitro apresenta maior correla o com a digestibilidade in vivo. Foram utilizadas as seguintes fontes de proteína: carne de r sem osso, carne de r com osso, carne de r mecanicamente separada (CMS), carne bovina, ovo em pó, caseína, trigo, milho, soja convencional, soja isenta de inibidor de tripsina Kunitz e de lipoxigenases (soja KTI-LOX-), proteína texturizada de soja (PTS) e feij o. Para o cálculo da digestibilidade in vitro foram utilizados os valores de pH obtidos em 10 min (método 1) e 20 min (Método 2) após a adi o da solu o de enzimas e o do pH estático (método 3), o qual mede o volume de NaOH adicionado, necessário para manter em 8,0 o valor de pH da solu o de proteínas após a adi o da solu o enzimática. No método da queda de pH, as melhores equa es foram obtidas com os valores de pH obtidos após 10 min da solu o de enzimas. Dessas equa es, as que tiveram maiores valores de R2 foram confeccionadas sem a presen a de caseína. No método do pH estático as equa es que permitiram melhor correla o entre volumes de NaOH com digestibilidade foram aquelas nas quais se usavam todas as fontes de proteína e aquela em que n o estava presente a caseína. O uso de técnicas in vitro para a determina o da digestibilidade protéica traz uma série de benefícios, pois requer menos tempo, é mais barato e requisita de menos m o-de-obra e espa o físico.
Influência do estresse alimentar na digestibilidade em c es
Ferreira C.F.,Palhares M.S.,Assis A.B.,Chamone T.L.
Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia , 2003,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do estresse alimentar sobre a digestibilidade aparente de uma dieta comercial em c es. Foram utilizados 12 animais, sem ra a definida, divididos em dois grupos de seis, submetidos a: tratamento 1 (T1) - caracterizado por indu o do estresse alimentar pela irregularidade do horário de alimenta o e provoca o por estímulos visuais, olfatórios e auditivos, e tratamento 2 (T2) - caracterizado por regularidade do horário de alimenta o e ausência de provoca o (grupo-controle). As fezes para o ensaio de digestibilidade foram colhidas na primeira e na quarta semana após o início dos estímulos. N o foram encontradas diferen as entre tratamentos (grupos) e entre períodos quanto aos coeficientes de digestibilidade aparente da matéria seca, proteína bruta, extrato etéreo, extrato n o nitrogenado, fibra detergente neutra e energia bruta.
Consumo e digestibilidades aparentes totais e parciais de ra es contendo diferentes níveis de concentrado, em novilhos F1 Limousin x Nelore
Cardoso Rodrigo Carvalho,Valadares Filho Sebasti?o de Campos,Silva José Fernando Coelho da,Paulino Mário Fonseca
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de cinco níveis de concentrados (25,0; 37,5; 50,0; 62,5; e 75,0%) sobre os consumos e as digestibilidades aparentes totais e parciais da matéria seca (MS), matéria organica (MO), proteína bruta (PB), do extrato etéreo (EE), dos carboidratos totais (CHO) e da fibra em detergente neutro (FDN). Cinco novilhos F1 Limousin x Nelore, n o-castrados, com peso médio inicial de 279 kg, fistulados no rúmen, abomaso e íleo, foram usados em um delineamento quadrado latino 5 x 5, com cinco tratamentos, cinco períodos experimentais e cinco animais. Cada período teve dura o de 14 dias - 10 dias para adapta o dos animais à ra o e quatro dias para coleta de fezes e de digestas de abomaso e íleo. Utilizou-se o óxido cr mico em duas doses de 10 g/dia, como indicador, para medir os fluxos de nutrientes no trato digestivo. Os consumos de EE e NDT aumentaram e o de FDN diminuiu linearmente com o incremento dos níveis de concentrados das ra es. O aumento de níveis de concentrado na MS da ra o resultou em acréscimos lineares nas digestilidades totais de MS, MO, PB, EE e CHO. A digestibilidade aparente total de FDN e as digest es aparentes ruminais de MS, MO, PB, CHO e FDN n o foram influenciadas pelos níveis de concentrado nas ra es, observando-se médias de 45,91; 54,45; 64,67; -9,92; 79,29; e 95,90%, respectivamente. Conclui-se que o aumento dos níveis de concentrado nas ra es n o alterou os locais de digest o dos nutrientes.
Valor nutritivo de silagens de sorgo
Souza Viviane Glaucia de,Pereira Odilon Gomes,Moraes Salete Alves de,Garcia Rasmo
Revista Brasileira de Zootecnia , 2003,
Abstract: Foram avaliados os consumos e as digestibilidades aparentes dos nutrientes de silagens de sorgo dos híbridos AG2006, AGX215, AGX213, AGX202 e AG2002. Utilizaram-se 20 carneiros adultos, sem ra a definida, castrados, com peso médio de 50,7 kg, distribuídos EM um delineamento em blocos casualizados, com quatro animais por tratamento. N o houve diferen a significativa entre as silagens para o consumo dos diversos nutrientes. Os consumos de matéria seca e nutrientes digestíveis totais expressos em g/dia revelaram valores variando de 936,2 (AGX202) a 1156,4 (AG2006) e de 460,9 (AGX215) a 613,4 (AGX213), respectivamente. Os coeficientes de digestibilidade diferiram entre as silagens, registrando-se maiores coeficientes de digestibilidade aparente da matéria seca e da matéria organica para a silagem do híbrido AGX213, em rela o às silagens dos híbridos AGX215, AG2006 e AG2002. Com base nos consumos e digestibilidades dos nutrientes, excetuando proteína bruta, os híbridos AGX 213e AGX202 mostraram-se promissores para a produ o de silagem.
Influência da adi o de pectina e farelo de soja sobre a digestibilidade aparente de nutrientes, em eqüinos
Oliveira Gabriel Jorge Carneiro de,Lima José Augusto de Freitas,Araújo Kleber Vilela,Fialho Elias Tadeu
Revista Brasileira de Zootecnia , 2002,
Abstract: O trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar a influência da adi o de pectina e farelo de soja sobre a digestibilidade aparente de nutrientes, em eqüinos. Foi utilizado um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 4x2, sendo qautro níveis de pectina (0, 1, 2 e 3% da MS do feno de coastcross consumido) e a adi o ou n o de farelo de soja, totalizando oito tratamentos, com quatro repeti es. As variáveis estudadas foram os coeficientes de digestibilidade aparente da matéria seca (CDAMS), proteína bruta (CDAPB), fibra em detergente neutro (CDAFDN), fibra em detergente ácido (CDAFDA), hemicelulose (CDAHEM), energia bruta (CDAEB) e a energia digestível (ED). A adi o de pectina n o afetou o CDAMS, CDAFDN, CDAFDA, CDAEB e nem a ED; porém melhorou o CDAPB, no nível de 1,25%, e o CDAHEM, em todos os níveis utilizados. Concluiu-se que a adi o de 1,25% de pectina à dieta melhorou a digestibilidade aparente da PB e a adi o de 3% de pectina proporcionou a melhor digestibilidade aparente da hemicelulose. A adi o de farelo de soja à dieta, com o intuito de aumentar o aproveitamento da fibra bruta dos alimentos como fonte de energia, n o é aconselhavel, uma vez que n o houve melhora da digestibilidade aparente da FDN e da FDA.
Compara o entre os indicadores internos e o método de coleta total na determina o da digestibilidade dos nutrientes de alimentos volumosos, em eqüinos
Araújo Kleber Villela,Lima José Augusto de Freitas,Fialho Elias Tadeu,Miyagi Eliana Sayuri
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: Foram realizados dois ensaios com o objetivo de avaliar a precis o dos indicadores internos em rela o ao método de coleta total de fezes, para estimar a digestibilidade aparente dos nutrientes em dietas, em eqüinos. Foram utilizados seis cavalos adultos sem ra a definida e com idade média de sete anos. No primeiro ensaio, foram comparados os valores de digestibilidade dos nutrientes do feno de capim coast-cross, utilizando-se cinza insolúvel em HCl (CIA), cinza insolúvel em detergente ácido (CIDA) e lignina, por intermédio do método de coleta total de fezes. No segundo ensaio, foi comparada, pelos dois métodos, a digestibilidade dos nutrientes da dieta composta de capim-elefante e feno de capim coast-cross. Utilizou-se um delineamento em blocos casualizados, no qual cada cavalo constituiu o bloco, e os métodos de determina o da digestibilidade, os tratamentos. Em ambos os ensaios, os resultados demonstraram que a CIA e CIDA foram eficientes como indicadores internos para estimar a digestibilidade aparente dos nutrientes do feno de capim coast-cross e da dieta composta de feno de capim coast-cross e capim-elefante. Nos cavalos alimentados com feno de capim coast-cross, a recupera o média de CIA e CIDA nas fezes foi de 100,12 e 99,66%, respectivamente. Nos cavalos alimentados com feno de capim coast-cross e capim-elefante, a recupera o foi de 101,32 e 96,33%, respectivamente. A lignina mostrou-se inadequada para estimar a digestibilidade aparente dos nutrientes das dietas testadas.
Consumo e digest es totais e parciais em novilhos F1 Limousin x Nelore alimentados com dietas contendo cinco níveis de concentrado
Dias Helder Luis Chaves,Valadares Filho Sebasti?o de Campos,Coelho da Silva José Fernando,Paulino Mário Fonseca
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: RESUMO - Um ensaio foi realizado com o objetivo de avaliar os efeitos de cinco níveis de concentrado nas ra es sobre o consumo e as digestibilidades aparentes totais e parciais de matéria seca (MS), matéria organica (MO), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), carboidratos totais (CHO), fibra em detergente neutro (FDN) e carboidratos n o-estruturais (CNE). Cinco novilhos F1 Limousin x Nelore fistulados no rúmen, abomaso e íleo foram alimentados à vontade com dietas que continham 25,0; 37,5; 50,0; 62,5; e 75,0% de concentrado e distribuídos em delineamento quadrado latino 5 x 5. O óxido cr mico foi usado como indicador externo, para as determina es das digestibilidades aparentes totais e parciais. A adi o de quantidades crescentes de concentrado à dieta produziu aumentos lineares nos consumos de MS, MO, CNE, PB, EE e NDT e redu o no consumo de FDN. As digestibilidades aparentes totais de MS, MO, PB, EE, CHO e CNE elevaram-se linearmente com o aumento dos níveis de concentrado da dieta. A digestibilidade aparente da PB no intestino delgado aumentou linearmente com a adi o de concentrados nas ra es. As digestibilidades aparentes da FDN no rúmen e pós-rúmen n o foram influenciadas pelos níveis de concentrado. Redu o nos níveis de FDN das ra es resultou em aumentos lineares do NDT e da digestibilidade aparente total da MS.
Compara o da técnica do saco de náilon móvel com o método de coleta total para determinar a digestibilidade dos nutrientes de alimentos volumosos em eqüinos
Araújo Kleber Villela,Lima José Augusto de Freitas,Fialho Elias Tadeu,Teixeira Júlio César
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: Foram realizados dois ensaios com o objetivo de avaliar a precis o da técnica do saco de náilon móvel em rela o ao método de coleta total de fezes, para estimar a digestibilidade aparente dos nutrientes de alimentos volumosos em eqüinos. Foram utilizados seis cavalos adultos sem ra a definida, com idade média de sete anos. No primeiro ensaio, foram avaliados os valores de digestibilidade do nutrientes do feno de capim coast-cross, por intermédio da técnica do saco de náilon móvel, com amostra moída em três diferentes granulometrias por meio do método de coleta total de fezes. No segundo ensaio, foram comparados os dois métodos para estimar a digestibilidade, utilizando como alimento teste o capim-elefante. Foi avaliado em laboratório o desaparecimento dos nutrientes das amostras de feno de capim coast-cross e capim-elefante moídas em três diferentes granulometrias, após a lavagem dos sacos em água. Foi usado um delineamento em blocos casualizados, no qual cada cavalo constituiu o bloco, e os métodos de determina o da digestibilidade, os tratamentos. Os resultados mostraram que a técnica do saco de náilon móvel com amostra moída a 1 mm é bom método de estimativa de digestibilidade aparente de MS, EB e hemicelulose, para o feno de capim coast-cross, enquanto para o capim-elefante, a amostra moída a 5 mm é precisa para estimar a digestibilidade aparente da MS, EB e FDN. A moagem das amostras de feno de capim coast-cross e capim-elefante a 1 mm proporcionou a maior perda de partículas dos sacos de náilon, após lavagem em água.
Níveis de concentrado em dietas de novilhos mesti os F1 Simental x Nelore: 1. Consumo e digestibilidades
Tibo Gilson Camargo,Valadares Filho Sebasti?o de Campos,Valadares Rilene Ferreira Diniz,Silva José Fernando Coelho da
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: Realizou-se um experimento com o objetivo de avaliar os efeitos de níveis de concentrado nas ra es sobre o consumo e as digestibilidades aparentes totais e parciais de matéria seca (MS), matéria organica (MO), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), carboidratos totais (CHO), fibra em detergente neutro (FDN) e carboidratos n o-estruturais (CNE). Foram estudados os efeitos das coletas de amostras, realizadas durante o dia e a noite, sobre as digestibilidades aparentes totais e parciais da MS e MO. Utilizaram-se cinco novilhos F1 Simental x Nelore, n o-castrados, fistulados no rúmen, abomaso e íleo, alimentados à vontade com dietas que continham 25,0; 37,5; 50,0; 62,5; e 75,0% de concentrado e distribuídos em delineamento quadrado latino 5 x 5. Foram utilizados os fenos dos capins braquiária (Brachiaria decumbens, Stapf) e coast-cross (Cynodon dactylon), em propor es iguais. O óxido cr mico foi usado como indicador para a determina o dos fluxos de digestas e excre o fecal. A adi o de quantidades crescentes de concentrado à dieta produziu aumentos lineares nos consumos de MS, MO, PB, EE, CHO, CNE e NDT e redu o no consumo de FDN. As digestibilidades aparentes totais de MS, MO, PB, EE, CHO e CNE cresceram linearmente com o aumento dos níveis de concentrado da dieta. As digestibilidades aparentes da FDN no rúmen e pós-rúmen n o foram influenciadas pelos níveis de concentrado. A redu o nos níveis de FDN das ra es resultou em aumentos lineares do NDT e da digestibilidade aparente total da MS. Amostras representativas de fezes e digestas de abomaso e íleo podem ser obtidas utilizando-se somente coletas durante o dia.
Page 1 /190
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.