oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

4 ( 1 )

2019 ( 15 )

2018 ( 39 )

2017 ( 40 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 73652 matches for " atos de fala "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /73652
Display every page Item
O delírio à luz da teoria dos atos de fala
Martins Francisco,Costa Arilson Corrêa da,P?rto Karime da Fonseca
Psicologia: Reflex?o e Crítica , 2000,
Abstract: Este trabalho apresenta uma possível solu o para problemas suscitados pelo entendimento do fen meno delirante segundo o modelo de uma teoria restrita da referência absoluta, na qual as palavras e, consequentemente, os juízos, corresponderiam às coisas como um alfabeto lógico. Na concep o pragmática aqui adotada, a linguagem é tomada por um jogo regido por regras em que é mais importante a eficácia da coopera o discursiva que o significado ideal das express es. A teoria dos atos de fala se mostra a mais bem acabada solu o da pragmática filosófica nesse sentido e é usada como princípio metodológico na análise dos excertos de fala de pacientes delirantes que constituem os corpus discursivos. O delírio termina por se mostrar como uma solu o inédita para quest es cruciais da história do indivíduo psicótico.
Promessa e terapia
Francisco Moacir de Melo Catunda Martins
Psicologia em Revista , 2003,
Abstract: O objeto do presente trabalho é analisar as rela es entre o ato de prometere o campo clínico, por meio de observa es acerca de algumas estrutura esclínicas. é, inicialmente, mostrado que a promessa pertence ao universomais global do humano. A seguir, é acentuado que o prometer encontra-sepresente de forma implícita ou explícita na atividade clínica diária, por meiodo contrato terapêutico. As posi es acerca do ato de prometer s o apontadase analisadas sucintamente, em correla o com a clínica psicopatológica.
UMA BREVE REFLEX O ACERCA DOS ATOS DE FALA: AUSTIN & SEARLE
Fabiana Claudia Viana Costa
Nucleus , 2005,
Abstract: This work will present one brief reflection concerning the teory of the Acts of Speaks, presentedand argued for Austin and Searle, from the exemples of performativos grfts is some letters of brazilian popularmusics. Despite the theory of the Acts of it speaks to be argued in the diverse theoretical fieds of the Linguistics andof other sciences, in this work, we considered a quarrel for the way of the pragmatic studies.Esse trabalho apresentará uma breve reflex o sobre a teoria dos Atos de Fala, apresentada e discutidapor Austin e Searle, a partir de exemplos de performativos presentes em algumas letras de músicas popularesbrasileiras. Apesar de a teoria dos Atos de Fala ser discutida nos diversos campos teóricos da Lingüística e de outrasciências, neste trabalho, propusermos uma discuss o pela via dos estudos pragamáticos.
Tradi o narrativa e a a o cotidiana na explicita o de atos de fala em narrativas de escolares
Louren?o Chacon Jurado Filho
Alfa : Revista de Linguística , 2001,
Abstract: Discutem-se condi es nas quais se dá a explicita o de atos de fala em narrativas produzidas por alunos de 5a série do 1B grau. Além disso, apresentam-se sugest es para o trabalho com atos de fala em narrativas.
A quest o da identidade em perspectiva pragmática
Daniel do Nascimento e Silva
Revista Brasileira de Linguística Aplicada , 2008,
Abstract: Este trabalho apresenta uma reflex o sobre a quest o da identidade a partir de uma perspectiva da pragmática lingüística. Apresentar uma perspectiva pragmática é, de partida, uma empreitada interdisciplinar, uma vez que este é um campo híbrido que surge na filosofia e, por assim dizer, dissemina-se na lingüística e na seara maior dos estudos da linguagem. Trata-se, ent o, de delinear uma vis o performativa da identidade, esse construto teórico que tem ocupado um lugar central na agenda das ciências humanas e da vida social contemporanea. The present paper aims at discussing the question of identity from a pragmatic perspective. Needless to say, adopting a "pragmatic perspective" entails adopting an interdisciplinary approach, once pragmatics is a hybrid field, first appearing within Philosophy, then disseminating into Linguistics and into the major realm of language studies. The paper deals, therefore, with a certain delineation of a performative view of identity, such theoretical construct that occupies a central place within the agenda of both human sciences and the contemporary social life.
The pragmatic infrastructure of translation
Eliza Kitis
Tradu??o & Comunica??o : Revista Brasileira de Tradutores , 2009,
Abstract: Neste trabalho considero os diversos níveis de análise de linguagem a partir de uma perspectiva pragmática, e mostro como esses níveis contribuem de formas distintas, que devem ser levadas em conta no trabalho de tradu o para outro idioma. Tais níveis pragmáticos s o vistos como constituintes da infraestrutura do processo de tradu o, e, postula-se, uma consciência acentuada de sua multifuncionalidade nesse processo deve ser ser visível no produto tradutório. Dirigiremos nosso foco para o nível lexical, o nível frasal e, ent o, o do enunciado, mas, principalmente, teremos de dar especial aten o ao nível de performatividade, uma vez que falantes e escritores agem na linguagem e n o apenas falam, escrevem/narram ou traduzem. No entanto, a preocupa o última será a equivalência desejada, n o como tem sido vista na maioria dos casos, no nível lingüístico, mas no nível da cogni o. Em outras palavras, a nossa preocupa o será com a equivalência desejada entre o mundo cognitivo que é construído pelo texto-mundo na LA (Língua Alvo) e o que é construído no texto da LF (Língua Fonte). Essa perspectiva tem em conta que os mundos-textos criados por todas as características lingüísticas nos contextos específicos de sua produ o e de consumo também constroem mundo cognitivos específicos, e a equivalência deveria ser operativa nesse nível metalingüístico. De fato, aten o particular deve ser dada ao nível sub-textual, na medida em que constituintes inarticulados e outros conceitos n o codificados mas inten-cionados ‘penetram’ e d o forma às percep es e interpreta es de textos. Essas infiltra es ‘inarticuladas’ precisam ser ‘transferidas’ ao texto na LA.
A tomada de consciência e a prática de ensino: uma quest o para a psicologia escolar
Fávero Maria Helena,Machado Concei??o de Maria Couto
Psicologia: Reflex?o e Crítica , 2003,
Abstract: Neste trabalho descrevemos as fases de um procedimento de interven o com professores de inglês de adultos, 2 homens e 2 mulheres, com média de 27 anos de idade. Identificamos as concep es dos sujeitos sobre o adulto e o processo de aquisi o de uma língua estrangeira, sobre desenvolvimento e conhecimento, por meio de sess es de intera o, com os objetivos de viabilizar as trocas verbais sobre o Desenvolvimento Psicológico Adulto, analisar os atos da fala e identificar e discutir as concep es e teorias que fundamentam o discurso dos sujeitos. Observamos as aulas e discutimos a prática de um dos sujeitos. Os resultados indicam a tomada de consciência sobre as implica es do Desenvolvimento Psicológico Adulto e a implica o para a prática de ensino; mudan a na concep o sobre o desenvolvimento adulto; a identifica o de um método de análise de interven es feitas pelo psicólogo escolar e a identifica o e a caracteriza o do papel deste profissional.
Avalia o do processamento auditivo de indivíduos idosos com e sem presbiacusia por meio do teste de reconhecimento de dissílabos em tarefa dicótica - ssw
Quintero Sandra Murad,Marotta Rosely M. B.,Marone Sílvio A. M.
Revista Brasileira de Otorrinolaringologia , 2002,
Abstract: Introdu o: A comunica o é para o ser humano um ato fundamental na vida, sendo primordial a preserva o auditiva. Com a expectativa de vida aumentando, surge a necessidade de compreendermos melhor os idosos e sua queixa constante de n o compreens o da fala em ambiente ruidoso ou com reverbera o. Muitos autores relacionam essa dificuldade à perda auditiva neurossensorial (PANS) freqüentemente encontrada nesta popula o, porém, em muitos casos essa dificuldade parece maior que a esperada dada à quantidade de perda. Este fato nem sempre é detectado por meio dos testes convencionais de audiometria tonal e vocal, que nos fornece dados quanto à perda auditiva do indivíduo sem descrever como esta perda influencia sua vida, sua comunica o do dia-a-dia. Objetivo: Avaliar e comparar o desempenho auditivo de indivíduos idosos com audi o normal e com PANS característica de presbiacusia, por meio do Teste de Reconhecimento de Dissílabos em Tarefa Dicótica - SSW. Forma de estudo: clínico prospectivo randomizado. Casuística e Método: Foram avaliados 100 indivíduos idosos com idade entre 60 a 79anos, sendo que 50 idosos apresentavam PANS característica de presbiacusia (grupo estudo) e 50 idosos com audi o tonal dentro dos padr es da normalidade (grupo controle). Anteriormente à aplica o do Teste SSW, foi realizada anamnese, avalia o audiológica e otorrinolaringológica. Conclus o: N o houve diferen a estatisticamente significante entre os grupos porém houve uma tendência de pior desempenho nas condi es estudadas para o grupo estudo. Constatamos desta forma, que a PANS n o pode ser considerada como fator determinante mas sim como um agravante na dificuldade de inteligibilidade de fala do indivíduo idoso.
Bancos de Fala para o Português Brasileiro
Vanessa Marquiafavel Serrani,Luis Felipe Uebel
Linguamática , 2011,
Abstract: Reconhecimento e síntese de fala demandam grandes quantidades de dados para aplica es comerciais. Em inglês americano, existem grandes quantidades de bancos de fala para a produ o de modelos acústicos. Isto n o é realidade para muitas línguas, incluindo o Português Brasileiro. Este trabalho apresenta o desenvolvimento de dois bancos de fala para reconhecimento com 248 locutores (224 senten as) e outro com 1.226 locutores (550 já gravados e 665 senten as), e um banco para síntese com 1.220 senten as. Também é mostrado um sistema para selecionar as senten as gravadas, dicionário fonético para suportar esta sele o, e modos de gravar e validar um grande banco de fala.
A RELEITURA DE FERDINAND DE SAUSSURE E A CONSTITUI O DO OBJETO DA LINGUíSTICA
M?nica Nóbrega
DLCV : Língua, Linguística & Literatura , 2004,
Abstract: A publica o de manuscritos de Ferdinand de Saussure e de alunos seus dos cursos de Linguística Geral, iniciada por Robert Godel em 1954, permitiu, entre outras coisas, à linguística, a rediscuss o de temas antes considerados ultrapassados, completamente fora de foco de interesse dessa ciência. Entre estes temas, parece-nos fundamental pensar a constitui o do objeto da linguística, através da discuss o da escolha de Saussure pela língua e da consequente exclus o da fala. Tal leitura excludente será questionada neste artigo, com base em estudos feitos por dois dos maiores estudiosos de Saussure: Robert Godel e Simon Bouquet.
Page 1 /73652
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.