oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2013 ( 7 )

2012 ( 12 )

2011 ( 12 )

2010 ( 5 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 139 matches for " armazenamento "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /139
Display every page Item
EFEITO DO TIPO DE EMBALAGEM SOBRE A QUALIDADE DAS SEMENTES DE CAPIM COLONI O (Panicum maximum Jacq) ARMAZENADAS SOB DIFERENTES CONDI ES DE AMBIENTE COLONI O GRASS (Panicum maximum JACQ) SEED PRESERVATION IN MOISTURE AND PACKAGE EFFECT
José Garcia,Sílvio Moure Cícero
Pesquisa Agropecuária Tropical , 2007, DOI: 10.5216/pat.v26i2.2941
Abstract: O presente trabalho foi conduzido no Laboratório de Análise de Sementes do Departamento de Agricultura da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de S o Paulo, com o objetivo de determinar qual, dentre os materiais testados para a confec o de embalagens para sementes, contribui mais eficazmente para a conserva o de sementes de capim-coloni o. As sementes oriundas de dois lotes com umidades de 9,7 e 12%, respectivamente, foram acondicionadas nas embalagens confeccionadas com os seguintes materiais: tecido de algod o, papel kraft multifoliado (4 folhas) e polietileno (lamina de 0,35 mm de espessura). As embalagens plásticas foram seladas a quente. As embalagens, com 1,5 kg de sementes, foram mantidas, por um ano, sob três condi es distintas: a) galp o de alvenaria (sem controle de temperatura e umidade do ar); b) camara seca (temperatura de 25°C e umidade relativa de 45%); c) camara fria (temperatura de 10°C e umidade relativa de 90%). Foram avaliados o grau de umidade das sementes, germina o, primeira contagem de germina o, emergência, envelhecimento acelerado e condutividade elétrica. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com 4 repeti es. A análise estatística dos dados permitiu concluir: a) em ambiente n o controlado, as embalagens que mantiveram as sementes com melhor qualidade foram aquelas feitas com papel kraft multifoliado; b) quando armazenadas em camara seca, as sementes apresentaram melhor qualidade quando mantidas nas embalagens de papel e nas de algod o; c) em camara fria, as embalagens que melhor conservaram as sementes foram as de polietileno. PALAVRAS-CHAVE: Armazenamento; coloni o; semente. This research was conducted at Laboratório de Análise de Sementes of Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, University of S o Paulo, for the purpose of determining which of the several materials used to seed packaging contributed most efficiently to the preservation of coloni o pasture grass seed. Seeds of two lots, with 9.7% e 12% of moisture, were stored in packages made of the following materials: cotton sacks, layered kraft paper (four layers), and polyethylene (bags 0.35 mm thick). The plastic bags were hot sealed. These packages, each with 1.5 kg of seeds, were stored for one year under three conditions: warehouse (without temperature and moisture control); city chamber (temperature of 25°C and moisture of 45%) and cold chamber (temperature of 10°C and moisture of 90%). Seed characteristics were tested: moisture level, seed germination, first counting, emergence, accelerated a
CARACTERIZA O DO ODOR DA ANCHOITA (ENGRAULIS ANCHOITA) ARMAZENADA EM GELO E GUA DO MAR
LIZIANE GARCIA-TORCHELSEN,ROSA DE OLIVEIRA TREPTOW,BARBARA DANIELE PORCIUNCULA,MARIA ISABEL QUEIROZ
Alimentos e Nutri??o , 2009,
Abstract: A anchoita (Engraulis anchoita) foi capturada em cruzeiros realizados pelo Navio Oceanogr co Atl ¢ntico Sul da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), pr 3ximo a divisa Brasil-Uruguai. Ap 3s a captura, a mat ria-prima foi armazenada a bordo, em recipientes t rmicos que continham a mesma propor § £o de pescado e de uma mistura de gelo e gua do mar (raz £o 1:1). O objetivo do trabalho foi caracterizar o odor da anchoita e avaliar suas altera § μes quando a esp cie armazenada nas mesmas condi § μes de bordo. Foi utilizada uma equipe de 7 julgadores selecionados e treinados. Durante o levantamento da terminologia, 54 termos foram descritos e agrupados por similaridade. Ap 3s a de ni § £o da terminologia, a mat ria-prima foi armazenada por 9 dias nas mesmas condi § μes de bordo e monitorada quanto ao atributo odor. Diariamente foi solicitado aos julgadores que descrevessem o odor percebido e avaliassem a sua intensidade em uma escala n £o estruturada de 9 cm. Os dados avaliados pela an lise de Clusters de nem o frescor da anchoita pelos grupos de odor a maresia, grama e pescado assado, caracterizando-se a perda de frescor pela presen §a de odor a cido, penetrante e pungente. Para as condi § μes experimentais pode-se indicar como limite de aceitabilidade o 7 ° dia.
Germina o de sementes de porta-enxertos de citros após o armazenamento em ambiente refrigerado
SIQUEIRA DALMO LOPES DE,VASCONCELLOS JAYME FRANCISCO FERRARI DE,DIAS DENISE CUNHA FERNANDES SANTOS,PEREIRA WALTER ESFRAIM
Revista Brasileira de Fruticultura , 2002,
Abstract: Este trabalho teve como objetivo avaliar o período de viabilidade das sementes dos porta-enxertos limoeiros-'Cravo' e 'Volkameriano', tangerineira-'Cleópatra' e citrumeleiro-'Swingle' armazenadas em embalagem permeável sob temperatura controlada de 5-7oC por 150 dias. A cada 30 dias, foram avaliadas a germina o em laboratório e a emergência das plantulas em casa de vegeta o. Determinou-se o grau de umidade das sementes em cada época de testes. O armazenamento nas condi es citadas induziu menor velocidade de germina o nas sementes de 'Cravo' e 'Volkameriano', as quais n o tiveram a germina o prejudicada quando apresentavam umidade próxima a 5%. Houve correla o altamente significativa entre teor de água e germina o nas sementes de 'Cleópatra' e 'Swingle'. Para a manuten o da viabilidade das sementes destes porta-enxertos, deve-se procurar manter o seu grau de umidade em torno de 20%. As sementes dos limoeiros-'Cravo' e 'Volkameriano' apresentaram maior velocidade de germina o e emergência que os demais porta-enxertos, enquanto as da tangerineira-'Cleópatra' apresentaram menor velocidade de emergência. Sementes de citrumeleiro- 'Swingle' e tangerineira-'Cleópatra' n o germinaram após armazenamento por 60 e 90 dias, respectivamente.
Influência do tratamento pós-colheita com cálcio na conserva o de jabuticabas
MOTA WAGNER FERREIRA DA,SALOM?O LUIZ CARLOS CHAMHUM,PEREIRA MARLON CRISTIAN TOLEDO,CECON PAULO ROBERTO
Revista Brasileira de Fruticultura , 2002,
Abstract: A jabuticaba tem grande aceita o para consumo "in natura". Entretanto, é altamente perecível, com pequena conserva o pós-colheita. Acredita-se que o cálcio seja capaz de retardar a senescência e manter a firmeza dos frutos. O objetivo do presente trabalho foi de ampliar o período de conserva o pós-colheita de jabuticabas, por meio de sua imers o em solu o de CaCl2. Os frutos foram colhidos completamente maduros em pomar da UFV, imersos em solu o de CaCl2 40 g.L-1 por 0; 5; 10; 20; 40 e 60 minutos e mantidos à temperatura e umidade relativa ambientes por seis dias. Maiores tempos de imers o resultaram em maior reten o de firmeza dos frutos, embora sem afetar a perda de matéria fresca dos mesmos. Houve, em todos os tempos de imers o usados, redu o da firmeza e aumento da perda de matéria fresca dos frutos com o aumento do período de armazenagem. A taxa respiratória reduziu-se com o aumento do tempo de imers o. A taxa respiratória também foi decrescente, em todos os tempos de imers o, de 0 a 4 dias após a colheita, aumentando desse dia em diante. A acidez da polpa aumentou durante o armazenamento. Esta reduziu-se suavemente quando os tempos de imers o em CaCl2 variaram de 0 a 20 min e aumentou nos frutos imersos por 40 e 60 min. Apesar dos efeitos significativos obtidos, n o houve grande contribui o do cálcio na amplia o do período de comercializa o de jabuticabas.
Incidência de microorganismos em sementes de café robusta durante o armazenamento
BRACCINI ALESSANDRO DE LUCCA E,SCAPIM CARLOS ALBERTO,BRACCINI MARIA DO CARMO LANA,ANDRADE CARLOS ALBERTO DE BASTOS
Bragantia , 1999,
Abstract: Foi realizado um trabalho com o objetivo de isolar e identificar os microrganismos presentes em sementes de café robusta (Coffea canephora Pierre ex Froehner) no decorrer do armazenamento. Para tanto, sementes de café do cultivar Conillon, acondicionadas em diferentes embalagens (saco de polietileno transparente, saco de papel kraft e saco de algod o) e com graus de umidade iniciais distintos (25 e 35%) foram submetidas a cinco períodos de armazenamento (0, 3, 6, 9 e 12 meses), em condi es controladas. Após cada um desses períodos, as sementes foram avaliadas, em laboratório, quanto à sanidade (método do papel-filtro), germina o e grau de umidade. Foram isolados e identificados cinco gêneros dife-rentes de fungos infestando as sementes de café robusta, a saber: Fusarium semitectum, Colletotrichum spp., Alternaria spp., Aspergillus spp. e Penicillium spp. Observou-se predominancia de Fusarium semitectum e de Alternaria spp., no início do armazenamento das sementes, com incidência variando de 63-73% e 7-11% respectivamente. No decorrer do armazenamento, houve grande eleva o na incidência dos fungos de armazenamento dos gêneros Aspergillus spp. e Penicillium spp. nas sementes acondicionadas em diferentes embalagens. A incidência dos microrganismos mostrou grande varia o, em fun o do tipo de embalagem utilizado durante o armazenamento. O aumento na incidência dos microrganismos esteve associado com a redu o na germina o das sementes de café. O fungo Fusarium semitectum manteve-se em níveis elevados até por 12 meses nas sementes acondicionadas em embalagens de papel kraft e algod o. A embalagem de polietileno, associada ao grau de umidade inicial mais elevado, foi mais favorável na conserva o das sementes de café robusta.
AVALIA O DE CULTIVARES DE MILHO PARA O PROCESSAMENTO DE PAMONHA BEHAVIOR OF MAIZE CULTIVARS IN THE INDUSTRIAL PRODUCTION OF "PAMONHA"
Sueli Martins de Freitas Alves,álvaro Eleutério da Silva,José Carlos Seraphin,Rosangela Vera
Pesquisa Agropecuária Tropical , 2007, DOI: 10.5216/pat.v34i1.2340
Abstract: Com o objetivo de avaliar o potencial de vinte genótipos de milho, quanto ao processamento de pamonha, procedeu-se à análise das características: peso de espigas com palha, peso de espigas sem palha, peso de massa, peso de quirela, peso de palha e profundidade de gr o sob três condi es (processado no dia da colheita ou após sete dias de armazenamento, com e sem refrigera o). Os resultados possibilitaram recomendar o híbrido AG 1051, como capaz de atender às exigências do agricultor e do mercado consumidor (pamonharias). Esse híbrido apresentou características desejáveis como produtividade (maior peso de espigas com palha e sem palha), alta capacidade de produ o de massa e baixa produ o de quirela. PALAVRAS-CHAVE: Milho verde; armazenamento; genótipos. The objective of this study was to evaluate the potential of twenty maize cultivars in the industrial processing of grated corn for pamonha. Data were obtained for ear weight with husks, ear weight with no husks, grated maize weight, grated maize residue weight, husk weight, and kernel depth under three storage conditions (processed on the day of harvest or after seven days of storage, with and without refrigeration). The results showed that the AG 1051 hybrid can be recommended for the industrial production of pamonha. This hybrid showed high yield and ear weight, with and without husks, the greatest grated corn production and reduced grated corn residue weight. KEY-WORDS: Zea mays; immature corn; green corn; corn storage.
Conserva o pós-colheita de frutos de amoreira-preta
Antunes Luís Eduardo Corrêa,Duarte Filho Jaime,Souza Clovis Maurilio de
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2003,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento de frutos de amoreira-preta (Rubus spp.) conservados em diferentes ambientes e períodos de armazenamento. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados com três repeti es e 18 frutos por parcela, em esquema fatorial 2x2x5 (cultivares: Brazos e Comanche; ambientes: 2oC e 20±2oC; períodos de armazenamento: 0, 3, 6, 9 e 12 dias). As características avaliadas foram perda de massa, vitamina C total, sólidos solúveis totais, pH e acidez titulável total (porcentagem de ácido cítrico). Com o aumento do período de armazenamento houve perdas significativas de massa, principalmente nos frutos que permaneceram a 20oC. Houve aumento do pH e redu o do porcentual de acidez total titulável e sólidos solúveis totais. A cultivar Comanche apresentou maiores teores de vitamina C e sólidos solúveis totais em rela o à 'Brazos'. Ambas cultivares conservam-se melhor a 2oC, podendo ser armazenadas até nove dias depois de colhidas, quando se inicia o processo de deteriora o.
O USO DE CLORETO DE CáLCIO E DA CAL PARA O TRATAMENTO PóS-COLHEITA DE PODRID ES EM MA S
BRACKMANN AURI,CERETTA MARCELO,VIZZOTTO MáRCIA
Revista Brasileira de Fruticultura , 2001,
Abstract: Foi desenvolvido um experimento para avaliar a influência da contamina o da água e a eficiência de produtos químicos na lavagem de ma s cvs. Gala e Fuji sobre a ocorrência de podrid o em frutos com ferimentos. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repeti es por cultivar e unidade experimental composta por 25 frutos. Os tratamentos foram: a) Testemunha (seca); b) Testemunha em água; c) Inocula o com água com esporos; d) Inocula o em água com esporos + 30 horas em temperatura ambiente; e) 30 horas em temperatura ambiente + inocula o em água com esporos; f) Cal Ca(OH)2 (1,5%); g) CaCl2 (1,5%). Inicialmente, todos os frutos sofreram quatro les es de 0,2cm de diametro por 0,5cm de profundidade na regi o equatorial. Os frutos foram inoculados com uma solu o de esporos de Penicillium sp. Após aplica o dos respectivos tratamentos, os frutos foram armazenados sob refrigera o a 0oC para a 'Gala' e -0,5oC para a 'Fuji'. As avalia es de incidência de podrid o foram realizadas na abertura das camaras (60 dias) e após 7 e 14 dias de exposi o a 20oC. N o houve ocorrência de podrid o aos 60 dias para os frutos tratados com cal, n o diferindo estatisticamente dos tratados com CaCl2. Aos sete e 14 dias, a cal mostrou-se mais eficiente que o CaCl2 na cv. Gala. Os frutos que ficaram 30 horas em temperatura ambiente antes de serem inoculados com uma solu o de esporos, apresentaram menor incidência de podrid o que os inoculados antes da exposi o por 30 horas à temperatura ambiente, indicando que, após a inocula o, o fungo necessita de temperatura adequada para causar podrid o.
Utiliza o de embalagem de polietileno na conserva o de caquis 'giombo' durante o armazenamento refrigerado
Antoniolli Lucimara Rogéria,Castro Paulo Roberto de Camargo e,Kluge Ricardo Alfredo,Scarpare Filho Jo?o Alexio
Revista Brasileira de Fruticultura , 2003,
Abstract: Procurou-se estudar o efeito da utiliza o de embalagem de polietileno durante o armazenamento refrigerado de frutos de caquizeiro (Diospyros kaki L.), cultivar Giombo. Os frutos foram acondicionados em sacos de PEBD (0,06mm) e mantidos a 1 ± 0,5oC e 95-98% UR durante 30; 60 ou 90 dias. As características químicas e físicas dos frutos foram avaliadas ao final de cada período de armazenamento. As variáveis analisadas foram teor de taninos solúveis, firmeza da polpa, perda de matéria fresca, sólidos solúveis totais, acidez total titulável e teor de ácido ascórbico. Os frutos mantiveram elevada qualidade durante os primeiros 30 dias de armazenamento, independentemente do uso da embalagem. Constatou-se, aos 60 dias, redu o na qualidade comercial decorrente da baixa firmeza de polpa. A utiliza o de embalagem de polietileno n o apresentou eficiência na remo o total da adstringência dos frutos.
Conserva o de goiabas tratadas com emuls es de cera de carnaúba
Jacomino Angelo Pedro,Martínez Ojeda Ramón,Kluge Ricardo Alfredo,Scarpare Filho Jo?o Alexio
Revista Brasileira de Fruticultura , 2003,
Abstract: A goiaba é um fruto muito perecível. Assim, objetivou-se avaliar os efeitos de ceras à base de carnaúba na conserva o pós-colheita de goiabas Pedro Sato sob condi o ambiente. Utilizaram-se cinco ceras comerciais: Citrosol AK (18%), Citrosol M (10%), Fruit wax (18 a 21%), Meghwax ECF-100 (30%) e Cleantex wax (18,5 a 20,5%), as quais foram aplicadas manualmente, na propor o de 0,15 a 0,20mL por fruta. Frutas sem aplica o de cera foram utilizadas como controle. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com 6 tratamentos, 4 repeti es e 5 frutas por parcela. As goiabas foram caracterizadas imediatamente após a colheita e avaliadas aos 2, 4 e 6 dias após a aplica o dos tratamentos. As ceras exerceram pouca influência nos teores de sólidos solúveis totais, acidez total titulável e ácido ascórbico, porém, foram eficientes em retardar o amadurecimento, reduzir a perda de massa e a incidência de podrid es. A cera Meghwax ECF-100 apresenta potencial para utiliza o em goiabas, porém há necessidade de ser avaliada em maior dilui o, para evitar altera es indesejáveis.
Page 1 /139
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.