oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2013 ( 62 )

2012 ( 164 )

2011 ( 143 )

2010 ( 132 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 1209 matches for " Psicologia organizacional "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /1209
Display every page Item
A cultura organizacional: o impacto visível de uma dimens o invisível
Santos, Joana Vieira,Gon?alves, Gabriela
Psico , 2010,
Abstract: No quotidiano, muitas vezes sem que se apercebam, os sujeitos s o influenciados pelas características culturais do meio em que vivem. A cultura é considerada toda a totalidade dos padr es de comportamento socialmente transmitidos, artes, cren as e muitos outros processos considerados a express o de um determinado período, classe, comunidade ou popula o (Choudhry, Fang e Mohamed, 2007). Ao nível organizacional encontramos um conjunto de valores, normas e padr es de comportamento que influenciam os diversos membros. Este leque de valores varia consoante a organiza o, correspondendo à Cultura Organizacional. O presente artigo teórico constitui uma singela análise em torno da temática, com vista a despertar reflex o e, eventualmente, futuros estudos.
Cultura organizacional e satisfa o profissional: estudo desenvolvido num hospital privado
Santos, Joana Vieira,Sustelo, Margarida
Psico , 2009,
Abstract: No presente estudo, procurou-se destacar a influência da cultura e do clima organizacionais sobre a satisfa o no trabalho dos colaboradores. Esta tem bastante relevancia para o desempenho organizacional, visto ter repercuss es na realiza o pessoal dos activos humanos e na produtividade da empresa. O estudo foi realizado com 100 activos humanos de um Hospital Privado. Os dados foram recolhidos através de um instrumento constituído por duas escalas: o questionário FOCUS (First Organizational Culture Unified Search) (Neves, 2000) e a Escala de Satisfa o Profissional descrita por Lima, Vala e Monteiro (1994). Foram também registadas variáveis demográficas e profissionais categorizadoras dos inquiridos. Os resultados sugerem que a cultura da organiza o estudada é percepcionada sobretudo como uma cultura de regras. Encontrou-se uma associa o sistemática e positiva entre a intensidade das percep es das diferentes orienta es da cultura e as várias vertentes da satisfa o analisadas. Na verdade, a percep o da cultura organizacional explica perto de 32% da variabilidade da satisfa o geral, significativamente mais que o contributo trazido pelas variáveis socioprofissionais (18%) e pelas variáveis de caracteriza o sociodemográfica dos inquiridos (2%). De um modo geral, estes resultados demonstraram a existência de influência do tipo de cultura organizacional sobre a satisfa o no trabalho.
A "Dinamica de Grupos" de Bion e as Organiza es de Trabalho
Sampaio Jáder dos Reis
Psicologia USP , 2002,
Abstract: W. Bion foi um psiquiatra e psicanalista inglês que desenvolveu pesquisas sobre a forma o e fen menos de grupo, entre outros assuntos. Iniciou seus trabalhos no exército inglês e deu prosseguimento aos mesmoa em grupos do Instituto Tavistock, constituídos de pessoas com forma es diversas. Muitos dos conceitos desenvolvidos em sua pesquisa se tornaram relevantes para a compreens o de grupos de trabalho e dos fen menos emocionais subjacentes a eles, influenciando gera es futuras de pesquisadores em diferentes áreas do conhecimento, como já havia sido mostrado por Maria Tereza Leme Fleury e pesquisadores associados. Este ensaio faz uma reflex o crítica das contribui es de Bion e uma avalia o do impacto do seu trabalho sobre alguns autores da Psicologia do Trabalho, Sociotécnica e Administra o.
Reestrutura o produtiva e saúde do trabalhador: um estudo de caso
Monteiro Maria Silvia,Gomes Jorge da Rocha
Cadernos de Saúde Pública , 1998,
Abstract: Foi realizado um estudo de caso em uma empresa tendo como objetos da pesquisa a forma de administra o praticada e os trabalhadores da área de produ o, e como objetivo identificar os possíveis efeitos das estratégias participativas no trabalho sobre a saúde dos trabalhadores. Analisaram-se dados relativos à empresa: histórico, características da administra o praticada, organiza o da produ o e do processo de trabalho; e também dados relacionados aos trabalhadores da área de produ o: idade, grau de escolaridade, percep o sobre o trabalho, vida familiar, vida social, lazer e morbidade referida. Concluiu-se que as características da administra o praticada tiveram origem nas idéias vindas do Jap o, incluindo a flexibiliza o da produ o, a terceiriza o, a polivalência e a participa o no trabalho. Para os trabalhadores, a participa o no trabalho foi sempre referida de forma ambígua, alguns relatando efeitos positivos, como maior liberdade e respeito, com boas repercuss es na vida dentro e fora do trabalho. Para uma parte da popula o estudada, as características da organiza o do trabalho praticada na empresa têm efeitos deletérios sobre sua saúde, gerando queixas de dificuldade para dormir, nervosismo, sonhos com o trabalho, dores de cabe a etc.
O incumprimento do contrato psicológico: contributo para a adapta o de escalas de viola o e ruptura
Santos, Joana Vieira,Gon?alves, Gabriela
Psico , 2010,
Abstract: O presente estudo constitui um contributo para a adapta o de escalas relativas ao incumprimento do contrato psicológico, através da escala de viola o do contrato psicológico de Robinson e Morrinson (2000) e a escala de ruptura do contrato psicológico de Rousseau (2000). A escala de viola o do contrato psicológico é constituída por cinco itens, numa escala tipo Likert de 5 pontos, desde o discordo totalmente até ao concordo totalmente, havendo dois dos itens que est o invertidos. A ruptura do contrato psicológico (Rousseau, 2000) a escala é constituída por quatro itens, distribuídos também numa escala de cinco pontos. A amostra final é constituída por 635 activos humanos de universidades públicas portuguesas. Na solu o factorial confirmatória da escala de ruptura do contrato psicológico, os dados apontam para um melhor ajustamento numa estrutura de dois factores. Na escala de viola o do contrato factorial a melhor solu o encontrada também aponta para dois factores.
O desenvolvimento do contrato psicológico orientado para desempenhos de elevado rendimento
Correia, Rui,Mainardes, Emerson Wagner
Psico , 2010,
Abstract: O objectivo deste artigo consiste em demonstrar, conceptualmente, a relevancia do contrato psicológico para a performance dos indivíduos nas organiza es. O contrato de trabalho pode ser percepcionado de duas formas: o contrato formal, explicitado sob a forma de um contrato de trabalho escrito, e outra, informal e implícita, o contrato psicológico. Ambos envolvem direitos, obriga es e expectativas por parte do indivíduo e da organiza o. A literatura acentua a relevancia do contrato psicológico transaccional, em detrimento de um contrato psicológico mais relacional, apesar dos contratos psicológicos assumidos pelos indivíduos se situarem, na realidade, num contínuo entre estes dois tipos de contratos. Neste estudo é apresentado um modelo conceptual explicativo do desenvolvimento dinamico do contrato psicológico, orientado para performances de elevado rendimento. S o analisados os contributos do contrato psicológico para o aprofundar de rela es de compromisso, através de um maior envolvimento dos indivíduos no processo de defini o de objectivos, e consequentes impactos ao nível da performance. O modelo prop e o estabelecimento de uma rela o positiva e significante entre: confian a (cumprimento do acordo e justi a percebida), compromisso (objectivos) e performance (elevado rendimento).
Cultura organizacional, satisfa o profissional e atmosfera de grupo =Organizational culture, job satisfaction and group atmosphere
Santos, Joana Vieira,Gon?alves, Gabriela
Psico , 2011,
Abstract: No presente estudo, transversal, procurou-se destacar a influência da cultura organizacional sobre a satisfa o no trabalho dos colaboradores e sobre a atmosfera de grupo. Estas variáveis têm repercuss es na realiza o pessoal dos colaboradores e na produtividade da empresa. Foi nosso objectivo, analisar a influência da percep o da cultura organizacional na satisfa o profissional e na atmosfera de grupo numa amostra, de conveniência, de 210 participantes (enfermeiros; professores). Os dados, de natureza quantitativa, foram recolhidos através dum instrumento constituído por três escalas: FOCUS (First Organizational Culture Unified Search) (Neves, 2000); Satisfa o Profissional (Lima, Vala e Monteiro, 1994) e a Escala de Atmosfera de Grupo (Jesuíno, 1987). Foram também registadas variáveis demográficas dos inquiridos. Os resultados sugerem que a cultura é percepcionada como uma cultura de regras. A cultura organizacional apresenta um elevado valor preditivo da satisfa o profissional e da atmosfera de grupo. Estas duas últimas variáveis se correlacionam significativamente. In the present study, we analyze the influence of organizational culture on job satisfaction of employees and the group atmosphere. These variables have an impact on the personal development of employees and productivity. Our aim was to analyze the influence of perception of organizational culture on job satisfaction and group atmosphere in a convenience sample of 210 participants (nurses, teachers). The data, quantitative, were collected through an instrument consisting of three scales: FOCUS (First Organizational Culture Unified Search) (Neves, 2000), Job Satisfaction (Lima, Vala and Miller, 1994) and Group Atmosphere (Jesuino, 1987). We also recorded demographic variables of respondents. The results suggest that culture is perceived as a culture of rules. Organizational culture has a strong predictor of job satisfaction and group atmosphere. These two variables significantly correlated.
Prazer e sofrimento de psicólogos no trabalho em empresas privadas Pleasure and suffering of psychologists who work in private companies
Patrícia Costa da Silva,álvaro Roberto Crespo Merlo
Psicologia: Ciência e Profiss?o , 2007, DOI: 10.1590/s1414-98932007000100011
Abstract: Este artigo visa a problematizar as vivências de psicólogos que trabalham em empresas privadas. Discutem-se suas práticas profissionais, experiências associadas ao prazer e ao sofrimento em seu cotidiano e concep es teóricas que embasam seu trabalho. Trata-se de um estudo qualitativo, no qual se utilizou, como procedimento, a realiza o de entrevistas semi-estruturadas com dez psicólogos assalariados de empresas privadas de Porto Alegre e Grande Porto Alegre. Teve-se, como referenciais teóricos principais, a psicodinamica do trabalho, a abordagem da subjetividade e trabalho e, para a análise das entrevistas, foi utilizada a análise de conteúdo. Os resultados indicam que os profissionais têm como atividades prioritárias as ligadas à Psicologia organizacional. N o foram encontrados casos em que eles interviessem na vis o institucional ou tivessem a es ligadas à saúde mental de trabalhadores. Suas falas sugerem serem psicólogos com estilo dinamico de trabalho, revelam certo "apaixonamento" pelo mesmo, acreditam na sua atua o e apreciam suas atividades ligadas ao desenvolvimento de pessoas na organiza o. Sentem-se satisfeitos com o reconhecimento das pessoas e por ter espa o para atuar conforme acreditam. Suas fontes de sofrimento s o a carga excessiva de trabalho, os possíveis conflitos entre os valores da empresa e os pessoais, os cerceamentos da organiza o, a falta de reconhecimento e sua percep o de que pertencem a uma categoria profissional desprovida de for a. This study aims at illustrating the experience of psychologists who work in private companies. We discuss their professional practices, experiences associated to pleasure and suffering in their daily routine as well as theoretical concepts that are basis for their work. It is a qualitative study, in which semi-structured interviews and field notes with 10 wage-earning psychologists of private companies of Porto Alegre and Grande Porto Alegre was used as procedure. The main theories used for reference were the labor psychodynamics, the boarding of the subjectivity and labor and for the analysis of the interviews the analysis of content was used. The results show that the professionals give priority to the activities linked to Organizational Psychology, that is, recruitment, selection, follow up and training. We have not found out cases in which they intervene in the institutional view or have actions towards the mental health of the employees. Their speeches suggest they have a dynamic work style and they refer to a certain "passion" for what they do. They believe in their actions and appre
A imagem da psicologia organizacional e do trabalho entre estudantes de psicologia: o impacto de uma experiência acadêmica The image of work and organizational Psychology among Psychology students: the impact of a teaching experience
Antonio Virgílio Bittencourt Bastos,José Henrique Miranda de Morais,Mariana Viana Santos,Ivan Faria
Psicologia: Ciência e Profiss?o , 2005, DOI: 10.1590/s1414-98932005000300003
Abstract: Embora a Psicologia organizacional e do trabalho seja a segunda área de escolha de exercício profissional, os cursos de Psicologia, na sua maioria, ainda n o a contemplam em toda a sua complexidade e dinamica de transforma o. Com isso, fortalecem-se esquemas cognitivos que representam esse campo de atua o profissional de forma limitada. O objetivo deste estudo foi o de caracterizar a imagem da Psicologia organizacional entre os estudantes de Psicologia e avaliar o impacto de uma experiência acadêmica sobre a mesma. A amostra consistiu de 150 alunos da única disciplina obrigatória do currículo relacionada à área, que responderam a um questionário aberto na primeira e na última semana do curso, no qual se pedia que escrevessem, espontaneamente, os conceitos e idéias que a área lhes evocava. Os resultados revelam altera es significativas na imagem, no início e no final do curso. Além de uma vis o ampliada, os conteúdos evocados se tornaram mais positivos ao final do curso. Esses resultados apontam mudan as nos esquemas cognitivos dos estudantes, congruentes com as características e a filosofia que estruturavam a disciplina. Despite of the fact that organizational Psychology is the second area chosen by Psychology students to work professionally, most of the Psychology courses aren't aware of its complexity and its transformation. Consequently, cognitive schemes that represent this professional field in a limited way grow stronger. This study intended to characterize the image of organizational Psychology among students of the UFBA and evaluate the impact of teaching experience on this image. The sample was formed by 150 students of the only compulsory discipline at the time related to the organizational field. Questionnaires were used at the first and the last week of the term, in which the students were asked to write spontaneously about the concepts and ideas evocated by this field. The results show important transformations of the students′ image as evocations became more positive at the end of the course. These results point out changes at the students′ cognitive schemes, congruent with the lines of direction that structured the subject.
O sofrimento e seus destinos na gest o do trabalho
Brant Luiz Carlos,Gomez Carlos Minayo
Ciência & Saúde Coletiva , 2005,
Abstract: No presente estudo, buscamos definir o sofrimento a partir da perspectiva freudiana e circunscrever os seus destinos, quando manifestado no trabalho. Foram realizadas entrevistas abertas com trabalhadores, gestores e profissionais da saúde de uma empresa pública de grande porte, do setor de servi os, em processo de reestrutura o, na Regi o Metropolitana de Belo Horizonte, bem como com familiares dos trabalhadores. Para a análise dos relatos, recorremos ao método hermenêutico-dialético. Constatamos a existência, na gest o do trabalho, de um processo de transforma o do sofrimento em adoecimento. A somatiza o, psiquiatriza o, medicaliza o, licen a médica, interna o hospitalar e a aposentadoria por invalidez figuraram como alguns dos destinos do sofrimento nesse processo. Partindo do pressuposto de que o sofrimento é uma rea o do sujeito diante da diversidade da vida, transformá-lo em adoecimento parece constituir, portanto, uma estratégia de quebra da resistência na gest o do trabalho.
Page 1 /1209
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.