oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

216 ( 1 )

2019 ( 7 )

2018 ( 147 )

2017 ( 187 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 47357 matches for " Promo o da leitura "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /47357
Display every page Item
School library and the mediation of reading Biblioteca escolar e a media o da leitura
Luciano Ferreira Gomes,Sueli Bortolin
Semina : Ciências Sociais e Humanas , 2011, DOI: 10.5433/1679-0383.2011v32n2p143-156
Abstract: Presents results of a survey on particular esolas located in the urban perimeter of the city of Londrina, librarian's activities to promote the reading of literature. Grant search in library science and education in mediation, thematic reading at school, mediation, mediators in the formation of the little reader, school library and reading promotion activity. Used as data collection instrument two forms, with them it was possible to detect the activities conducted in these schools, the first being the time of the tale, the second loan of books and the third is "reading incentive". Concludes that the tale has been shown to be effective in bringing children with the book; the second is a compulsory work in the library, therefore, should be carried out continuously and the third is essential in all genres of the library. O texto apresenta resultados de uma pesquisa realizada nas esolas particulares localizadas no perímetro urbano da cidade de Londrina, a respeito das atividades dos bibliotecários no sentido de promov er a leitura da literatura. Buscam-se subsídios nas áreas de Biblioteconomia e Educa o, nas temáticas leitura, media o da leitura na escola, media o da literatura, mediadores na forma o do pequeno leitor, a biblioteca escolar e atividade de promo o à leitura. S o utilizados como instrumento de coleta de dados dois formulários, com eles foi possível detectar as atividades mais realizadas nessas escolas, sendo a primeira a hora do conto, a segunda o empréstimo de livros e a terceira é “incentivo à leitura”. Conclui-se que a hora do conto tem se mostrado eficaz na aproxima o das crian as com o livro; a segunda é um trabalho obrigatória na rotina da biblioteca, portanto, deve ser realizada diuturnamente e a terceira, é imprescindível em todos os gêneros de biblioteca.
LEITURA: ACEP ES, SENTIDOS E VALOR
Luiz Percival Leme Britto
Nuances : Estudos sobre Educa??o , 2012,
Abstract: Neste ensaio, trato de verificar as acep es correntes do termo leitura, identificando suas especificidades e particularidades, de modo a poder estabelecer um referencial político-pedagógico para o ensino e a promo o da leitura. Sustento, com base na análise desenvolvida, que, n o obstante o uso polissêmico de leitura autorizar express es tais como leitura do mundo, leitura de imagem, leitura da situa o, entre outras, há evidente especificidade quando se fala de leitura do texto e que tal distin o é particularmente importante para a a o educativa. Finalmente, apresento algumas considera es sobre o sentido da promo o da leitura – tomada como valor humanizador –, destacando o papel formativo e ético que lhe é implícito.
Práticas de cuidado e produ o de saúde: formas de governamentalidade e alteridade
Bernardes, Anita Guazzelli,Quinhones, Dionatans Godoy
Psico , 2009,
Abstract: Este texto apresenta como objetivo articular produ o de saúde, cultura e alteridade como um recurso para colocar em análise as práticas de cuidado com a saúde. A condi o de possibilidade desse reflex o reside na compreens o do humano como um artefato histórico e cultural, forjado em práticas de significa o, de liberdade e de governo. Parte-se de um conjunto de a es cotidianas para a compreens o do humano, neste caso, as formas de cuidado em saúde produzidas pela reforma sanitária. O campo reflexivo que permite esta análise constitui-se pelas idéias de Foucault, Deleuze, Levinas e Derrida, principalmente. As ferramentas teóricas que esses autores oferecem permitem considerar a produ o de saúde como potênciade vida a partir da alteridade, ou seja, ela se constitui como práticas de liberdade dentre as formas de governamentalidade na saúde.
Promover a vida: uma modalidade da Fisioterapia no cuidado à saúde de idosos na família e na comunidade
Leila Graziele Dias de Almeida,Icácia de Oliveira Le?o,Jamine Barros Oliveira,Maria Marta Oliveira Santos
Revista Saúde.Com , 2006,
Abstract: Em virtude do processo de envelhecimento populacional, ou seja, da mudan a na estrutura etária da popula o no Brasil, têm ocorrido muitas altera es na maneira de abordar o cuidado à saúde das pessoas na velhice. Atualmente a comunidade científica tem come ado a aceitar a importancia do contexto familiar como “locus” primordial para o cuidado a idosos doentes e/ou fragilizados e a relevancia de uma abordagem multiprofissional junto a essas famílias. Observar-se, portanto, a necessidade da afirma o da atua o fisioterapêutica em ambiente domiciliar, na garantia do envelhecimento saudável, buscando somar estratégias para efetividade na abordagem terapêutica. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo, de natureza qualitativa, que teve por objetivo caracterizar o cuidado domiciliar oferecido às famílias do projeto de extens o “Fisioterapia em Aten o à Saúde do Idoso na Família e Comunidade”. Para tanto, foram feitas visitas domiciliares à doze famílias de idosos no Bairro Inocoop, em Jequié-BA, por quatro meses consecutivos, duas vezes por semana e foram analisados os prontuários construídos a partir das visitas domiciliares realizadas. Assim, p de-se caracterizar a atua o fisioterapêutica no ambiente domiciliar como direcionada a três esferas: educa o familiar (promo o, preven o e minimiza o de agravos à saúde), assistência e reabilita o. A Fisioterapia Coletiva vem, com isso, buscar promover a aten o para o idoso e seus familiares, contribuindo para o processo de desenvolvimento humano individual e coletivo.
Participa o na perspectiva de m es de crian as desnutridas
Machado Maria de Fátima Antero Sousa,Vieira Neiva Francenely Cunha
Revista Latino-Americana de Enfermagem , 2004,
Abstract: Este estudo teve como objetivo apresentar concep es e percep es de participa o de m es e profissionais em Programas de Desnutri o Infantil. Examinamos em particular a participa o materna, por entender ser essencial ao processo de conscientiza o de realidade individual e social que viabilize decis es. Este estudo analisa o processo de participa o materna através da abordagem conceitual de Imogene King. O local da coleta de dados ocorreu na cidade do Crato, Ceará - Brasil. Os sujeitos foram as m es e profissionais. Os procedimentos adotados foram entrevistas semi-estruturadas, e para organiza o e análise dos dados utilizamos a Análise de Conteúdo de Bardin. N o encontramos evidências que indique a presen a de estratégias de mobiliza o para participa o consciente entre os atores sociais do Programa de Desnutri o Infantil.
Active methodologies and the nurturing of students’ autonomy As metodologias ativas e a promo o da autonomia de estudantes
Neusi Aparecida Navas Berbel
Semina : Ciências Sociais e Humanas , 2011,
Abstract: In this article, a literature-based reflection is registered, taking studies aimed at the nurturing of students’ autonomy and the potential of the pedagogic area with active methodologies as interface to achieve results in the same direction. The main objective of the text is to identify converging points between these two study areas and share them with educators and their professors, inciting critical thinking and possible experiments in order to increase the amount of data as well as discussions about the quality of teaching. Methodological alternatives are exemplified in their essential characteristics, emphasizing the problematization methodology within Maguerez′s Arch to guide students to autonomy learning as well as the studies that have been used. Com este artigo, registra-se uma reflex o respaldada na literatura, tomando como interface estudos voltados para a promo o da autonomia de alunos e o potencial da área pedagógica, com o uso de metodologias ativas, para a obten o de resultados na mesma dire o. O objetivo maior da elabora o do texto é o de, ao identificar pontos de convergência entre essas duas linhas de estudos, compartilhá-los com educadores e seus formadores, provocando uma reflex o crítica e possíveis experimentos, no sentido de ampliar registros e discuss es com vistas à qualidade do ensino. S o exemplificadas alternativas metodológicas com suas características essenciais, com ênfase na metodologia da problematiza o com o arco de Maguerez, pelo potencial de levar alunos a aprendizagens para a autonomia, assim como estudos que a utilizaram.
Informa o para promo o da cidadania: Projeto Rondon
Deise Parula Munhoz,Clériston Ribeiro Ramos,Andreia Parula Munhoz
BIBLOS : Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informa??o , 2010,
Abstract: Iniciado em 1966 e extinto em 1989, o Projeto Rondon foi reativado somente em 2003, subsidiado pelo governo federal. Desde sua concep o, o projeto visa a promover, entre outras coisas, a integra o social. Este texto diz respeito à participa o vivenciada na “Opera o Rio Grande do Sul 2008” e “Opera o Xingu 2008”. Foram realizadas oficinas de incentivo à leitura para professores da rede municipal nas duas regi es. Foi possível observar a rea o direta do acesso à informa o e à cidadania, em que o primeiro conceito serve como promo o do segundo. Entre os resultados, podemos destacar a receptividade das comunidades, e a experiência de vida para o participante do Projeto Rondon por meio da integra o das pessoas envolvidas no projeto.
Programas de comercializa o de alimentos: uma análise das modalidades de interven o em interface com a cidadania
Uchimura Kátia Yumi,Bosi Maria Lúcia Magalh?es
Revista de Nutri??o , 2003,
Abstract: Este artigo trata da análise de dois programas sociais, circunscritos à esfera municipal, voltados à facilita o do acesso da popula o de baixa renda aos alimentos, através da comercializa o de produtos a pre os mais baixos em compara o àqueles praticados no mercado convencional de alimentos. Para tanto, s o apresentados, em um primeiro momento, os principais programas de alimenta o e nutri o já implementados em ambito federal, conferindo destaque às principais modalidades de interven o já utilizadas pelo Estado no sentido de implantar, operacionalizar e legitimar suas propostas no campo da alimenta o e nutri o. Na seqüência, s o abordados o histórico e as configura es dos programas Mercad o Popular e Armazém da Família desenvolvidos no município de Curitiba, Estado do Paraná, na tentativa de explicitar os elementos que lhes conferem singularidade. Por último, é empreendida a análise desses programas à luz do seu modelo de interven o em interface com a cidadania, colocando em relevo a necessidade de se considerar a subjetividade.
O planejamento e a programa o local em saúde como garantia do diagnóstico real das necessidades de saúde da comunidade
Christiane da Silva Brito,Vanda Palmarella Rodrigues,Lívia dos Santos Mendes
Revista Saúde.Com , 2005,
Abstract: O propósito deste estudo foi o de analisar o Planejamento e a Programa o Local em Saúde (PPLS) PPLS e a sua aplicabilidade na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família do município de Jequié, BA. Participaram como sujeitos do processo os usuários da unidade e profissionais da equipe. Os resultados nos permitiram o reconhecimento da falta de sensibiliza o de alguns sujeitos do processo acerca do potencial de constru o e valida o do Sistema único de Saúde (SUS), e a compreens o da viabilidade do PPLS para prática do profissional na transforma o do perfil da saúde
A anticoncep o como instrumento do planejamento familiar e da saúde
Poli, Marcelino Espírito Hofmeister
Scientia Medica , 2006,
Abstract: Objetivos: Discorrer sobre alguns aspectos da anticoncep o e apresentá-la como instrumento de promo o da saúde. Fonte de dados: Revis o da literatura e da lei brasileira que regula o assunto. Síntese dos dados: A anticoncep o é o meio pelo qual se dissociam reprodu o e sexo e faz parte das a es de Planejamento Familiar definidas na Lei Federal 9263. Depende de tomada de decis o em que concorrem cultura, educa o e condi o econ mica. Conclus es: O uso correto de métodos contraceptivos recomenda acompanhamento médico e representa uma forma de atrair as pessoas, especialmente aquelas com menos recursos, aos postos de atendimento médico e, por isso, constitui instrumento adequado e competente de promo o de saúde.
Page 1 /47357
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.