oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2014 ( 3 )

2013 ( 10 )

2012 ( 18 )

2011 ( 24 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 351 matches for " Cleide; "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /351
Display every page Item
Pyrearinus termitilluminans, sp.n., with description of the immature stages (Coleoptera, Elateridae, Pyrophorini)
Costa, Cleide;
Revista Brasileira de Zoologia , 1982, DOI: 10.1590/S0101-81751982000100003
Abstract: pyrearinus termitilluminans, sp.n., type-locality: brazil, goiás, parque nacional das emas, is described based on larvae, pupa and adults collected from nests of cornitermes sp.
Avalia o do impacto humano da urbaniza o em sistemas hidro-geomorfológicos. Desenvolvimento e aplica o de metodologia na grande S o Paulo
Cleide Rodrigues
Revista do Departamento de Geografia , 2010, DOI: 10.7154/rdg.v0i20.10
Abstract: Estudos voltados a sistemas hidro-geomorfológicos como o de bacias hidrográficas urbanas com diferentes graus e padr es de interven o antrópica, vem sendo realizados para a Grande S o Paulo de forma a aplicar procedimentos metodológicos propostos em RODRIGUES (1990, 1997, 1999, 2004 e 2005). Partindo-se de princípios selecionados de amplas revis es teórico-metodológicas nas áreas de Geografia Física e Geomorfologia, esses estudos vêm demonstrando a aplicabilidade da antropogeomorfologia e da cartografia geomorfológica retrospectiva para identifica o e aplica o de indicadores e parametros de avalia o dos efeitos das interven es antrópicas nesses sistemas. Também têm evidenciado a necessidade de se considerar, simultaneamente, dois tipos de abordagem: as abordagens históricas em Geomorfologia integradas a parametros quantitativos, esses dependentes de séries históricas de dados padronizáveis e, por vezes, obtidos apenas em pesquisas arquivísticas. Prop e-se um quadro de indicadores potenciais para as referidas avalia es, em que se articulam esses indicadores a sistemas hidro-geomorfológicos afetados e à natureza da mudan a, demonstrando-se correla es relevantes. A aplica o dessa metodologia e dos indicadores por ela identificados têm evidenciado que ao longo do último século, a interven o antrópica acumulada em sistemas hidro-geomorfológicos da Regi o Metropolitana de S o Paulo vem gerando eventos cuja magnitude e frequência apresentam valores semelhantes às de eventos naturais an malos ou extremos. Por outro lado, a abordagem também tem permitido relacionar as interven es e seus efeitos a importantes atores sociais no processo histórico de produ o do espa o urbano, colaborando com gest o pública territorial e ambiental.
Morfologia original e morfologia antropogênica na defini o de unidades espaciais de planejamento urbano: exemplo na metrópole paulista
Cleide Rodrigues
Revista do Departamento de Geografia , 2005, DOI: 10.7154/rdg.v0i17.38
Abstract: Esse estudo representa parte do desenvolvimento e aplica o da metodologia para a abordagem do meio físico antrópico proposta por RODRIGUES (1990, 1997, 1999 e 2003). Nessa abordagem, coloca-se, entre outras necessidades, a do reconhecimento de sistemas geomorfológicos em seus diversos estágios de interven o antrópica, tal como os estágios de pré-perturba o, de perturba o ativa e de pós-perturba o. Inclui-se também a perspectiva analítica na qual as interven es humanas para a constru o e manuten o desses ambientes s o avaliadas enquanto a es geomorfológicas, portanto, passíveis de serem estudadas como interven es em formas, materiais e processos. Nessa pesquisa, em particular, demonstra-se como formas originais semelhantes de alguns setores da metrópole paulista podem ser progressivamente derivadas em diversas formas antropogênicas. Parte-se do reconhecimento cartográfico das unidades morfológicas originais para posteriormente considerar a seqüência de interven es antrópicas nas formas e na distribui o de materiais superficiais. Isso foi desenvolvido em testes para dois principais e complementares recortes escalares. Um deles foi realizado para a escala metropolitana, em 1:250000 para um período aproximado de cem anos e, o outro, para a escala de bacias hidrográficas de segunda e terceira ordens, predominantemente nas escalas 1:25000 e 1:10000 e períodos de trinta anos. Procura-se demonstrar como é possível identificar unidades espaciais semelhantes em suas combina es de morfologia original e antropogênica e como os processos atuais s o dependentes do histórico da produ o dessa nova morfologia urbana. Com isso, prop e-se a identifica o dessas unidades para compor diversos instrumentos de planejamento urbano.
A Teoria Geossistêmica e sua contribui o aos estudos geográficos e ambientais
Cleide Rodrigues
Revista do Departamento de Geografia , 2001, DOI: 10.7154/rdg.v0i14.70
Abstract: O estudo prop e a retomada de discuss es a respeito da pertinência e aplicabilidade de antigas referências teóricas e metodológicas no ambito da Geografia Física e da própria Geografia. Recupera parte da filogenia da teoria geossistêmica com o objetivo de articulá-la a outras referências igualmente importantes nessa área do conhecimento. Demonstra como as tentativas de síntese, objetivos dos mais perseguidos na Ciência Geográfica, constituem passos fundamentais para aplica o desse conhecimento, seja no ensino, nas práticas de planejamento territorial e ambiental ou para fundamentar reflex es de natureza teórica. S o identificados alguns caminhos que fizeram que parte desse legado tenha sido equivocadamente perdido nos estudos que se defrontam com sínteses e interdisciplinareidade, principalmente no Brasil. Identifica também a natureza das atuais dificuldades para contribuir de forma efetiva para o desenvolvimento dessa teoria e de referências assemelhadas igualmente relevantes para a constru o do conhecimento geográfico do território brasileiro.
QUALIDADE AMBIENTAL URBANA: COMO AVALIAR?
Cleide Rodrigues
Revista do Departamento de Geografia , 1997, DOI: 10.7154/rdg.v0i11.181
Abstract: O trabalho realiza uma reflex o que explora e prop es três perspectivas básicas de valoriza o e qualifica o ambientais aplicáveis aos estudos que tratam da temática “qualidade ambiental”, especialmente aqueles referentes ao meio urbano. A reflex o fundamenta-se em análise de trabalhos realizados no meio científico acadêmico e no meio técnico governamental. Do primeiro considera-se minimamente recentes discuss es e proposi es teórico-metodológicas da geografia bem como a incorpora o neste quadro da(s) quest o( es) ambiental(is). Do segundo, utiliza-se de experiências de planejamento ambiental e territorial preferencialmente relacionados a processos de avalia o ambiental do meio urbano de S o Paulo realizados no ambito dos órg os de controle ambiental e de seus parceiros privados. Sem realizar revis es completas a respeito de referências teórico-metodológicas e de objeto utilizados e estudados em geografia, o trabalho prop e alguns elementos com sentido de supera o da decantada dicotomia “geografia física x geografia humana”, visto que trata de “elemento aglutinador” de ambas, “o meio ambiente” (HART, 1992). Identificando processo de valoriza o de recentes estudos ambientais urbanos em S o Paulo, localiza certas necessidades metodológicas específicas da geografia física e estabelece algumas formas de incorporar ou respeitar essas necessidades próprias mesmo ao incluírem-se aquelas advindas de uma vis o geográfica superior ou mais completa, na qual se imp em com supremacia, as op es por conteúdos e categorias analíticas próprias das ciências sociais em seu sentido mais amplo. Permite com isso, fornecer referencias para identifica es e localiza es menos imprecisas de juízo de valores e de conteúdos político-ideológicos sempre presentes nos estudos e avalia es ambientais em geral e particularmente no meio ambiente.
Racionalidade de Urbano Industrial: A única Possível?
Cleide Lavoratti
Revista Emancipa??o , 2002,
Abstract: A agricultura familiar, no Brasil, é um setor que, desde a coloniza o do território, época em que priorizou-se a grande propriedade e a monocultura de exporta o, vem enfrentando dificuldades, construídas historicamente, quanto à sua reprodu o. As políticas de créditos, incentivos e moderniza o da agricultura brasileira, também excluíram esse segmento dos “avan os tecnológicos” que possibilitariam o seu desenvolvimento. Consequentemente, em muitas regi es, a agricultura familiar restringiu-se à produ ode subsistência. Frente a esse contexto de exclus o, acirrado pelo processo de moderniza o agrícola, a partir da década de 70, no Brasil, ocorre uma redu o significativa de pequenos estabelecimentos agrícolas, que n o conseguiam concorrer com a produ o mecanizada e especializada das grandes propriedades modernizadas; como tambémda popula o ocupada no meio rural, visto a libera o da m o-de-obra trazida pela mecaniza o agrícola no campo. As análises sobre a pequena produ o no país (e n o só nele), a partir das transforma es capitalistas no campo e, referendadas em categorias de análises dentro de uma racionalidade urbana-industrial, postulavam odesaparecimento desse segmento de agricultores no Brasil. No entanto, mesmo com os bloqueios que, historicamente, dificultaram a reprodu o de pequenos agricultores familiares no Brasil, estes, continuam se reproduzindo e enfrentando os obstáculos através de estratégias que, mesmo em um contexto já determinado em certos aspectos, permitem a reprodu o familiar e a reprodu o da unidade produtiva. O presentetrabalho, buscará apontar portanto, algumas discuss es que giram em torno da temática “racionalidade”, para que, através delas possamos realizar uma primeira aproxima o com uma das categorias essenciais que ajudar o na compreens o do objeto de estudo que refere-se à racionalidade específica do agricultor familiar do distrito ruralde Itaicoca - Município de Ponta Grossa (PR), de suas estratégias de reprodu o de um modo de vida peculiar, em um contexto em que vários fatores (ambientais, sócio-econ micos, políticos e sociais) aparecem como bloqueios a esta reprodu o.
Importancia dos minerais na alimenta??o do pré-termo extremo
Trindade, Cleide E. P.;
Jornal de Pediatria , 2005, DOI: 10.1590/S0021-75572005000200006
Abstract: objective: to review the literature on the role of calcium, phosphorus and trace elements in the nutrition of extremely low birth weight infants, considering their importance for metabolism, bone mineralization and as dietary components. sources of data: medline, the cochrane database of systematic reviews and books on nutrition were searched between 1994 and 2004. original research studies and reviews were selected. summary of the findings: extremely preterm infants are frequently growth-restricted at hospital discharge as a consequence of difficulties in the provision of adequate nutrition. the long-term effects of this growth restriction need to be determined. there is a paucity of studies about the role of minerals, especially micronutrients, in the nutrition of extremely preterm infants. the principal focus of this review was on calcium and phosphorus metabolism, bone mineralization and parenteral and enteral supplementation. a critical evaluation of post-discharge nutrition and its influence upon growth and bone mineralization was presented. selenium and zinc requirements and the role of selenium as an antioxidant with possible effects on free radical diseases of the preterm infant were discussed. extremely preterm infants have low mineral reserves and, as a consequence, may have deficiencies in the postnatal period if they do not receive parenteral or enteral supplementation. more studies are needed to elucidate the actual requirements and the appropriate supplementation of micronutrients. there are controversies about the outcome and the influence of post-discharge nutrition on bone disease of prematurity.
Modelos mentais e metáforas na resolu??o de problemas matemáticos verbais
Medeiros, Cleide Farias de;
Ciência & Educa??o (Bauru) , 2001, DOI: 10.1590/S1516-73132001000200006
Abstract: in this paper a brief survey is initially undertaken about the usual focuses of studies in the field of mathematical problem solving. it is claimed that more has to be considered in this task. by conceiving that human being produces 'models' or 'metaphors' in the resolution of mathematical verbal problems imbedded in real contexts, it is, firstly, pointed out the need for understanding the meaning of 'mental model' as a cognitive structure where meanings related to the 'parts' of a 'whole' are structurally interconnected and, secondly, the cognitive complexity involved in the resolution of a problematic situation which can be idealised within a combinatorial 'mental model' or combinatorial 'metaphor', is explored. some ways of solutions are exhibited showing the problem 'pitfalls' as well as some aspects of the problem solver's culture and subjectivity as three elements which seem to interfere in the production of a successful 'mental model'. suggestions for other studies are presented.
Buscando caminhos nos processos de forma??o/autoforma??o
Leit?o, Cleide Figueiredo;
Revista Brasileira de Educa??o , 2004, DOI: 10.1590/S1413-24782004000300003
Abstract: the objective of this article is to reflect upon questions related to the formation of teachers for adult and youth education based on the experience of the collectives of self-formation organised by the service of support for research in education (sape), taking into consideration expressions of the local culture, its singularities and the different kinds of daily knowledge that are produced in educational practices, as well as the variety of individuals involved, their life histories and the relations between what we are and what we do and including the possible articulation based on differences and what can be produced in the interstice between different places. it suggests as possible proposals for formation: ways of organising teachers in each educational unit in a shared process of self-formation, which allow them to reflect on their practice, the creation of spaces for exchange and conviviality in which individuals can exercise criticality, creativity and a strengthening of the relations between practice/theory/practice, promoting the autonomous and systematic exercise of their actions, knowledge and powers.
Perfil psicossocial das pessoas agredidas por animais raivosos ou suspeitos de raiva na Grande S?o Paulo
Ramos,Mara Cleide Dias;
Revista de Saúde Pública , 1978, DOI: 10.1590/S0034-89101978000100004
Abstract: a statistical analysis was made on the psycho-social characteristic of people attended at the instituto pastear, s. paulo, brazil. it was concluded that the population exposed to rabies virus in the area enclosed by the instituto comes from the suburbs of s. paulo and from the surrounding cities; a considerable part is at risk of acquiring the disease at home; they ignore the real risks of the disease and so they turn up at the instituto showing no apprehension whatsoever. this population is susceptible of receiving education regarding rabies.
Page 1 /351
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.