oalib

Publish in OALib Journal

ISSN: 2333-9721

APC: Only $99

Submit

Any time

2019 ( 43 )

2018 ( 300 )

2017 ( 317 )

2016 ( 355 )

Custom range...

Search Results: 1 - 10 of 197404 matches for " Ant?nio Costa de;Carvalho "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /197404
Display every page Item
Toxicidade do alumínio e efeito do ácido giberélico em linhas quase isogênicas de trigo com o caráter permanência verde e matura o sincronizada
Silva Simone Alves,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Silva José Antnio Gonzalez da,Oliveira Antnio Costa de
Ciência Rural , 2006,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi avaliar linhas quase isogênicas de trigo com o caráter permanência verde e de matura o sincronizada quanto à tolerancia ao alumínio e à sensibilidade ao ácido giberélico (AG3). O experimento foi conduzido no Laboratório de Duplo-haplóides e Hidroponia da FAEM/UFPel, em delineamento de blocos ao acaso, com parcelas subdivididas com três repeti es, através do teste simultaneo utilizando solu o nutritiva com concentra es de 10mg L-1 de Al3+ e 100mg L-1 de AG3. Foram determinados: a inser o da 1feminine folha, o comprimento da 1feminine folha, a inser o da 2feminine folha, comprimento da 2feminine folha, diferen a da inser o entre a 1feminine e 2feminine folha, estatura de plantula, estatura de planta, área foliar, área radicular e o crescimento de raiz. Os caracteres estatura da plantula, inser o da 1feminine folha e comprimento da 2feminine folha foram os mais expressivos para a sele o de indivíduos com estatura reduzida através da rea o do AG3. O grupo do caráter permanência verde apresentou maior insensibilidade à a o do AG3, enquanto o grupo de plantas sincronizadas proporcionou maior tolerancia ao Al3+. Contudo, existe possibilidade de selecionar linhas quase isogênicas dentro do grupo permanência verde com tolerancia ao Al3+ e insensibilidade ao AG3 através da técnica de cultivo hidrop nico com solu o nutritiva em ambiente controlado.
Desenvolvimento e produ??o de frutos de bananeira em resposta à aduba??o nitrogenada e potássica
BRASIL, EDILSON CARVALHO;OEIRAS, ANTNIO HENRIQUE LOPES;MENEZES, ANTNIO JOSé ELIAS AMORIM DE;VELOSO, CARLOS ALBERTO COSTA;
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2000, DOI: 10.1590/S0100-204X2000001200011
Abstract: the effect of the n and k fertilization on the development and production of the banana plant (musa spp.), cv. pioneira, was evaluated in an experiment carried out in capit?o po?o county, pará state, brazil, in a yellow latosol, using a randomized blocks design, in factorial arrangement of 4x4. the treatments were: 0, 80, 160 and 240 g of n per plant per year; 0, 150, 300 and 450 g of k2o per plant per year. urea and potassium chloride were used as nutrient sources. the results of plant growth showed that there was effect of n on circumference of pseudostem and plant height. the quadratic model was better adjusted to all the variables. the results of production of the second cycle indicated that k increased quadratically the bunch weight, hands weight per bunch and average weight of hands, with production increments of 73, 76 and 39%, respectively, in comparison to the treatment without potassium. the nitrogen application promoted a linear increase of the weight of bunch and hands per bunch, with increments of 32 and 30%, respectively, proportionate by the highest level of n, in relation to the treatment without this nutrient. during the third production cycle only k application influenced the weights of bunch, of hands per bunch and average weight of hands, with increments of 39, 40% and 26%, respectively.
Desenvolvimento e produ o de frutos de bananeira em resposta à aduba o nitrogenada e potássica
BRASIL EDILSON CARVALHO,OEIRAS ANTNIO HENRIQUE LOPES,MENEZES ANTNIO JOSé ELIAS AMORIM DE,VELOSO CARLOS ALBERTO COSTA
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2000,
Abstract: Avaliou-se o efeito da aduba o nitrogenada e potássica no desenvolvimento e produ o da bananeira (Musa spp.), cultivar Pioneira, em experimento conduzido no Município de Capit o Po o, PA, em Latossolo Amarelo, utilizando-se o delineamento experimental em blocos casualizados. Os tratamentos foram: 0, 80, 160 e 240 g de N/planta/ano e 0, 150, 300 e 450 g de K2O/planta/ano. Como fontes de nutrientes, utilizaram-se uréia e cloreto de potássio. Os resultados de crescimento, até 240 dias do plantio, indicaram que apenas o N influenciou a circunferência do pseudocaule e a altura de planta, verificando-se que o modelo quadrático ajustou-se melhor a todas as variáveis avaliadas. No segundo ciclo de produ o, a adi o de K promoveu efeito quadrático no peso de cacho, peso de penca por cacho e peso médio de penca, com incrementos de 73, 76 e 39%, respectivamente, em rela o à ausência de K. A aplica o de N promoveu aumento linear no peso de cacho e de pencas por cacho, com aumentos máximos de 32 e 30%, respectivamente, em rela o a ausência do nutriente. No terceiro ciclo de produ o, apenas o K influenciou no peso de cacho, peso de penca por cacho e peso médio de penca, com aumentos de 39, 40 e 26%, respectivamente.
Associated mechanisms of aluminum tolerance in plants/ Mecanismos associados à tolerancia ao alumínio em plantas
Irineu Hartwig,Antnio Costa de Oliveira,Fernando Irajá Félix de Carvalho,Ivandro Bertan
Semina : Ciências Agrárias , 2007,
Abstract: Aluminum toxicity is one of the major limiting factor regarding plant development in acid soils. The use of liming for correcting soil pH is not viable for some of acid soil areas (technique or economic reasons), making the development of Al tolerant genotypes the best alternative. Thus, the tolerance mechanisms as well as the genetic basis of Al tolerance has deserved special attention in the scientific community. In the last years, a significant progress has been achieved towards these goals, as well as in developing cultivars adapted to acid soils. The Al tolerance mechanisms are divided basically in two classes: the exclusion mechanisms that act after absorption or blocking its entry in the root system and those involved in detoxification, complexing the Al in specific organelles, mainly in the vacuoles. In many species, physiological mechanisms have been reported as responsible for the activation of organic acids (mainly citrate and malate) that act as Al quelating agents, however many process are not yet understood and cleared. Currently, the basis for the internal detoxification is becoming clear through organic acid complexes and there sequestering by the vacuoles. Other potential mechanisms are the target for discussions. A toxicidade do alumínio é um dos principais fatores limitantes do desenvolvimento das plantas em solos ácidos. Pelo fato da utiliza o de corretivos da acidez do solo n o ser a estratégia mais viável em muitas situa es com solos ácidos (por raz es técnicas e econ micas), o desenvolvimento de genótipos tolerantes ao Al tem sido o caminho mais focado, assim a investiga o dos mecanismos de tolerancia bem como as bases genéticas da tolerancia ao Al têm merecido aten o especial pela pesquisa científica. Nos últimos anos, foi gerado um significativo progresso no entendimento das bases dos mecanismos de tolerancia ao Al, assim como no desenvolvimento de cultivares mais adaptados as condi es de solos ácidos. Os mecanismos de tolerancia ao Al conhecidos se resumem basicamente em duas classes: os que agem no sentido de expulsar o Al depois de absorvido ou de impedir sua entrada pela raiz e os mecanismos de desintoxica o, complexando o Al em organelas específicas da planta, principalmente nos vacúolos. Em inúmeras espécies, mecanismos fisiológicos tem sido reportados como responsáveis pela ativa o de ácidos organicos (principalmente citrato e malato) que atuam como agentes quelantes do Al, porém muitos processos ainda n o s o bem entendidos e esclarecidos. Atualmente, se come a a entender melhor um segundo mecanismo de tolerancia
Coeficiente de correla o entre caracteres agron micos e de qualidade do gr o e sua utilidade na sele o de plantas em aveia
Kurek Andreomar José,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Oliveira Antnio Costa de,Cargnin Adeliano
Ciência Rural , 2002,
Abstract: A sele o de plantas para caracteres governados por mais de um gene é, muitas vezes, uma tarefa difícil de ser conduzida. Neste sentido, a utiliza o de caracteres correlacionados pode favorecer na identifica o dos melhores indivíduos, para que estes sejam selecionados. Todavia, a presen a de correla o fenotípica "per se" n o garante ao melhorista uma existência causal de correla o genética entre dois caracteres. Assim, o presente trabalho foi proposto com o objetivo de determinar a rela o existente entre seis caracteres agron micos e de qualidade do gr o, através da estimativa da correla o fenotípica, genética e de ambiente. O experimento foi conduzido no ano de 2000 na Faculdade de Agronomia da Universidade Federal de Pelotas - UFPel - Brasil. Os estudos de correla es envolveram os caracteres percentual de cariopse, peso médio do gr o, número de gr os/panícula, peso de panícula, ciclo vegetativo e estatura de plantas em dois cruzamentos de aveia branca, OR 2 ×UPF 7 e UPF 7 × CTC 5. Os coeficientes de correla o fenotípica apresentaram uma alta significancia; fato este determinado pelo elevado número de graus de liberdade, em fun o do grande número de plantas. Os maiores valores de correla o fenotípica foram observados entre os caracteres peso de panícula e o número de gr os/panícula com valores similares de 0,93 e 0,94 para os cruzamentos OR 2 ×UPF 7 e UPF 7 × CTC 5, respectivamente. Entretanto, os valores da correla o de ambiente considerando estes mesmos caracteres foram os maiores entre todos os caracteres. Os coeficentes de correla o genética, por sua vez evidenciaram valores baixos, o que permite afirmar que o uso de caracteres correlacionados n o forneceu subsídios confiáveis à sele o indireta.
Compara es entre medidas de dissimilaridade e estatísticas multivariadas como critérios no direcionamento de hibrida es em aveia
Benin Giovani,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Oliveira Antnio Costa de,Marchioro Volmir Sergio
Ciência Rural , 2003,
Abstract: Medidas de dissimilaridade s o artifícios que os melhoristas de plantas disp em para identificarem genótipos distantes na obten o de popula es segregantes desejadas. Assim, o presente trabalho foi realizado para estabelecer rela o entre as diferentes técnicas multivariadas utilizadas em estimativas de divergência genética. O experimento foi desenvolvido no ano agrícola de 2001, quando doze cultivares de aveia foram testados para sete caracteres agron micos, utilizando-se o delineamento experimental de blocos casualizados com quatro repeti es. As distancias Euclidiana e de Mahalanobis evidenciaram baixa correla o (0,529) e, quando utilizadas na confec o de dendrogramas, n o possibilitaram a forma o de agrupamentos similares. As análises gráficas por componentes principais e variáveis can nicas também apresentaram dispers es distintas. Entretanto, apesar das discrepancias observadas entre as metodologias analisadas, foi possível a identifica o de genótipos dissimilares e com média elevada, que poder o ser utilizados com grande probabilidade de sucesso em hibrida es dirigidas em aveia.
Métodos de semeadura na condu o de popula es segregantes de aveia e suas intera es com o ambiente de sele o
Marchioro Volmir Sergio,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Oliveira Antnio Costa de,Lorencetti Claudir
Ciência Rural , 2005,
Abstract: A sele o com base no fenótipo pode ser influenciada por fatores de ambiente, sendo necessário que o melhorista utilize métodos de sele o que separem efeitos genéticos dos de ambiente. O objetivo deste estudo foi testar a eficiência da sele o indireta para o incremento no rendimento de gr os de aveia (Avena sativa L). Oito popula es segregantes de aveia foram submetidas à sele o para o caráter peso de panícula, sob três diferentes métodos de semeadura (em cova, em planta espa ada e em linha cheia), durante os anos de 2000 e 2001. Os resultados mostraram que o desenvolvimento de genótipos superiores requer avalia o principalmente em anos distintos para minimizar os efeitos de ambiente. O sistema de semeadura parece ter extrema importancia para a sele o, pois o mecanismo de semeadura em cova proporcionou reduzida participa o do ambiente na express o do peso de panícula.
Express o do fenótipo em popula es segregantes de aveia conduzidas em diferentes ambientes
Marchioro Volmir Sergio,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Oliveira Antnio Costa de,Lorencetti Claudir
Ciência Rural , 2003,
Abstract: A sele o com base no fenótipo pode ser influenciada por fatores de ambiente, sendo necessário que o melhorista utilize métodos de sele o que separem efeitos genéticos dos de ambiente. O objetivo deste trabalho foi avaliar os componentes do rendimento de popula es segregantes de aveia em diferentes métodos de semeadura. Oito popula es foram conduzidas em três métodos de semeadura: planta espa ada, cova e linha cheia, em delineamento de blocos casualizados, com duas repeti es. Foram selecionadas as panículas com peso superior à média mais um desvio padr o e, a partir destas, obtidos os caracteres peso de gr os e número de gr os por panícula. Os resultados revelaram uma intera o significativa das popula es com o ambiente. A herdabilidade foi alta, exceto para o caráter número de gr os/panícula na de semeadura em linha cheia. O peso de panícula pode ser um caráter de alta eficiência na sele o de genótipos superiores para o incremento no rendimento de gr os.
PODODERMATITE CONTAGIOSA EM OVINOS E CAPRINOS NO ESTADO DE GOIáS CONTAGIOUS FOOTROT IN SHEEPS AND GOATS IN THE STATE OF GOIáS (BRAZIL)
Roberval Rodrigues da Costa,Antnio Geraldo de Carvalho,Maria Auxiliadora Andrade,Suzete Fichtner
Pesquisa Agropecuária Tropical , 2007, DOI: 10.5216/pat.v8i1.2319
Abstract: Os autores descrevem a ocorrência de um surto de pododermatite contagiosa em ovinos e caprinos, no município de Itapirapu (GO), num rebanho de aproximadamente 300 animais, dos quais 80% foram afetados. O diagnóstico foi estabelecido em fun o dos exames clínicos e laboratoriais. No tratamento foi utilizado o formol a 10%, com resultados satisfatórios. The authors describe the occurrence of on outbreak of CONTAGIOUS FOOTROT in Itapirapu County, Goiás State, in a herd of approximately 300 sheep and goats, of which 80% were affected. The diagnosis was established by means of clinical observation and laboratory test. Formol at 10% was used as the treatment, with good results.
Adaptabilidade e estabilidade em aveia em ambientes estratificados
Benin Giovani,Carvalho Fernando Irajá Félix de,Oliveira Antnio Costa,Lorencetti Claudir
Ciência Rural , 2005,
Abstract: Vinte cultivares de aveia (Avena sativa L.) foram avaliados para rendimento de gr os nas safras agrícolas de 2001 e 2002 em nove locais dos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e S o Paulo, com o objetivo de avaliar as estimativas dos componentes de adaptabilidade e estabilidade do rendimento de gr os em ambientes favoráveis e desfavoráveis em presen a e ausência de aplica o de fungicida. Foi empregada a metodologia de EBERHART & RUSSELL (1966). A presen a de significancia para anos, genótipos, fungicidas e locais, indicou comportamento diferencial de genótipos frente às varia es de ambiente e a aplica o de fungicida, nas condi es de ambientes favoráveis e desfavoráveis. A aplica o de fungicida e o favorecimento do ambiente de cultivo afetaram intensamente os parametros de adaptabilidade (b1) e estabilidade (s2d i), indicando que estas estimativas devam ser realizadas em ambientes estratificados, apesar de nenhuma constitui o genética ter evidenciado o biótipo ideal, conforme preconizado pelo modelo adotado.
Page 1 /197404
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.