oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Competition between drought-tolerant upland rice cultivars and weeds under water stress condition Competi o entre cultivares de arroz de terras altas tolerantes à seca e plantas daninhas sob condi o de estresse hídrico
F.B. Cerqueira,E.A.L. Erasmo,J.I.C. Silva,T.V. Nunes
Planta Daninha , 2013,
Abstract: The objective of this study was to evaluate the competitiveness of two cultivars of upland rice drought-tolerant, cultured in coexistence with weed S. verticillata, under conditions of absence and presence of water stress. The experiment was conducted in a greenhouse at the Experimental Station of the Universidade Federal de Tocantins, Gurupi-TO Campus. The experimental design was completely randomized in a factorial 2 x 2 x 4 with four replications. The treatments consisted of two rice cultivars under two water conditions and four densities. At 57 days after emergence, were evaluated in rice cultivars and weed S. verticillata leaf area, dry weight of roots and shoots and total concentration and depth of roots. Was also evaluated in rice cultivars, plant height and number of tillers. Water stress caused a reduction in leaf area, the concentration of roots and vegetative components of dry matter (APDM, and MSR MST) of rice cultivars and Jatoba Catet o and weed S. verticillata. The competition established by the presence of the weed provided reduction of all vegetative components (MSPA, and MSR MST) of cultivars and Jatoba Catet o. It also decreased the number of tillers, the concentration of roots and leaf area. At the highest level of weed competition with rice cultivars, a greater decrease in vegetative components and leaf area of culture, regardless of water conditions. O objetivo deste trabalho foi avaliar a capacidade competitiva de dois cultivares de arroz de terras altas tolerantes à seca, cultivados em convivência com a planta daninha S. verticillata, sob as condi es de ausência e presen a de estresse hídrico. O experimento foi instalado em casa de vegeta o, na Esta o Experimental da Universidade Federal do Tocantins, Campus Gurupi-TO. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 2 x 4, com quatro repeti es. Os tratamentos foram constituídos de dois cultivares de arroz, sob duas condi es hídricas e quatro densidades. Aos 57 dias após a emergência, foram avaliados nos cultivares de arroz e na planta daninha S. verticillata: área foliar, matéria seca das raízes e da parte aérea e total, concentra o e profundidade de raízes. Também foi avaliada, nos cultivares de arroz, a altura de plantas e o número de perfilhos. O estresse hídrico promoveu redu o da área foliar, da concentra o de raízes e da matéria seca dos componentes vegetativos (MSPA, MSR e MST) dos cultivares de arroz Jatobá e Catet o e da planta daninha S. verticillata. A competi o estabelecida pela presen a da planta daninha proporci
A qualidade da luz afeta o afilhamento em plantas de trigo, quando cultivadas sob competi o  [cached]
Almeida Milton Luiz de,Mundstock Claudio Mario
Ciência Rural , 2001,
Abstract: O presente trabalho foi conduzido com o objetivo de verificar os efeitos da mudan a na qualidade da luz sobre a emiss o de afilhos e na sua acumula o de massa seca. A cultivar de trigo EMBRAPA 16 foi cultivada em comunidades de aproximadamente 400p- /m2, em condi es naturais de radia o durante o inverno, no Sul do Brasil. No primeiro experimento (baixa qualidade de luz), utilizaram-se filtros verde e vermelho entre as linhas, entre os estádios Haun de 1.0 a 3.1. No segundo experimento (melhor qualidade de luz), as plantas foram suplementadas durante o dia com luz vermelha (V) (660nm), entre os estádios Haun 1.0 e 3.1. Já no terceiro experimento (baixa qualidade de luz), as plantas foram suplementadas durante o dia com luz vermelha extrema (Ve) (730nm), entre os estádios Haun 1.0 e 3.1. A qualidade da luz afetou a emiss o de afilhos, sua massa seca e sua distribui o entre o colmo principal e os afilhos. A baixa qualidade da luz (filtros verde e vermelho e luz Ve) induziu as plantas a emitir menos afilhos com menos massa seca/afilho. A baixa qualidade da luz priorizou o colmo principal sob condi es de comunidades, antes que tivesse sido estabelecida a competi o pela quantidade total de luz recebida pelas plantas. A melhor qualidade de luz (luz V) teve efeito oposto. Os afilhos foram emitidos em maior número e a aloca o de massa seca foi menos priorizada para o colmo principal do que nos tratamentos com baixa qualidade.
DEGRADA O ANAERóBIA DE FENOL EM REATORES EM BATELADA SOB CONDI ES FERMENTATIVAS
Sandra Imaculada Maintinguer,Isabel Kimiko Sakamoto,Iolanda Cristina Silveira Duarte,Edson Luiz Silva
Tecno-Lógica , 2008,
Abstract: O objetivo desta pesquisa foi avaliar a potencialidade do inóculo na degrada o de fenol sob diferentes condi es nutricionais.Os reatores foram alimentados com fenol, sulfato e extrato de levedura, mantidos a 30 +1o C, sob agita o 150 rpm. Os reatoresalimentados com fenol (240 mg L-1) e extrato de levedura obtiveram 100% de eficiência de degrada o em 11 dias. Os reatoresalimentados com fenol (234 mg L-1), sulfato (162,5 mg L-1) e extrato de levedura; e fenol (256 mg L-1), sulfato (500 mg L-1) eextrato de levedura obtiveram eficiências de degrada o de respectivamente 98,8% e 99,3%, em 17 dias. Tais ganhos foramobtidos devido às adi es de extrato de levedura no início dos experimentos. As análises de Biologia Molecular confirmaram queas bactérias presentes no inóculo permaneceram nos reatores, apesar de terem sido operados sob condi es nutricionais distintas.Essas condi es propiciaram a permanência de popula es bacterianas capazes de degradar fenol sob condi es fermentativas econsumir sulfato.
GERMINA O E CRESCIMENTO DE MUDAS DE PITANGUEIRA (Eugenia uniflora L.) SOB CONDI ES DE SOMBREAMENTO
SCALON SILVANA DE PAULA QUINT?O,SCALON FILHO HOMERO,RIGONI MARILúCIA ROSSI,VERALDO FERNANDA
Revista Brasileira de Fruticultura , 2001,
Abstract: Os objetivos deste trabalho foram avaliar a capacidade germinativa das sementes de pitanga e o crescimento das mudas sob condi es de sombreamento. O experimento foi conduzido na área de Pesquisa Experimental da UNIGRAN -- Dourados-MS. O teste de germina o foi realizado com 300 sementes, sendo avaliados a porcentagem de germina o e o índice de velocidade de emergência. Aos três meses após a emergência, o experimento de crescimento das mudas foi instalado em um delineamento de blocos casualizados, com três tratamentos (sombrite 50% e 70% de luz e a pleno sol), em 4 repeti es de 15 mudas por tratamento. Quando as mudas apresentavam 4; 5; 6 e 7 meses de idade, foram avaliados a altura e o diametro de caule, e ao final do ensaio, foram avaliados o peso seco total das mudas (g), a área foliar (dm2), a raz o de peso foliar - RPF (g/g) e o peso específico de folhas - PEF (g/dm2). A pitangueira é uma espécie de fácil propaga o por sementes, apresentando 65,7% de germina o e índice de velocidade de emergência de 3,34 , sendo que as sementes iniciaram o processo de germina o aos 23 dias após a semeadura. As mudas cresceram melhor sob condi o de luz plena, onde apresentaram maior altura, diametro de caule, peso seco e área foliar.
QUANTIFICA O DE A úCARES EM PêSSEGOS DA VARIEDADE BIUTI, ARMAZENADOS SOB CONDI ES DE AMBIENTE E REFRIGERA O
OLIVEIRA MARCELO ALVARES DE,CEREDA MANRNEY PASCOLI,CABELLO CLáUDIO,URBANO LUIZ HENRIQUE
Revista Brasileira de Fruticultura , 2001,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi identificar e quantificar os a úcares em frutos de pessegueiro da variedade 'Biuti', armazenados sob condi es de ambiente (27,3oC; 70% UR) e sob refrigera o (4oC; 90%), comparar as diferen as entre os teores de a úcares nas duas condi es de armazenamento. A identifica o e a quantifica o precisa dos a úcares (glicose, frutose e sacarose) foi realizada por cromatografia em fase líquida HPLC. Verificou-se que a sacarose foi o a úcar encontrado em maior quantidade, sendo verificado apenas tra os de glicose e frutose em alguns frutos. Sob condi es ambientais, os teores de sacarose do 3o até o 9o dia de armazenamento n o diferiram significativamente entre si; entretanto, no 12o dia, os frutos obtiveram baixos teores de sacarose, pois os mesmos já estavam em processo de senescência. Sob refrigera o, o aumento nos teores de a úcares dos frutos ocorreu gradativamente durante todo o armazenamento, e ao final do mesmo, verificaram-se os maiores teores de sacarose, frutose e glicose, os quais eram mais elevados do que os encontrados nos frutos armazenados sob condi es ambientais.
Dinamica da popula o de Cardiospermum halicacabum e competi o com a cultura da soja
Voll Elemar,Brighenti Alexandre Magno,Gazziero Dionísio Luíz Pisa,Adegas Fernando Storniolo
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2004,
Abstract: O bal ozinho (Cardiospermum halicacabum), planta daninha introduzida recentemente no Paraná, tem causado perdas econ micas em lavouras de soja no Sul do Brasil. O objetivo deste trabalho foi determinar época e taxa de emergência, competi o e sobrevivência de bal ozinho na cultura da soja cultivar Embrapa 62, em dois sistemas de manejo. O experimento foi instalado em Londrina, PR, em maio de 1997, e conduzido por três anos consecutivos. Cinco densidades de semeadura de bal ozinho (0, 60, 120, 240 e 480 sementes/m2) foram estabelecidas na cultura da soja sob semeadura convencional e direta. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com parcelas subdivididas e quatro repeti es. A redu o média anual do banco de sementes foi de 61,6% e 56,4%, em rela o às semeaduras convencional e direta, correspondendo às sobrevivências de seis e sete anos, respectivamente. Taxas anuais de emergência, na ausência de reinfesta es, foram maiores em semeadura direta (42,6%, 32,0% e 5,0%) do que na convencional (29,9%, 10,9% e 0,7%), nos três anos. Perdas de produtividade de soja foram estimadas em 8,1% com a presen a de 10 plantas/m2 de bal ozinho, em 3.549 kg/ha de soja. O bal ozinho apresenta significativa capacidade de infesta o e competi o com a soja, tendendo a ser eliminado por condi es ambientais que favore am o ataque de míldio (Peronospora farinosa).
Crescimento inicial de mudas de Bombacopsis glabra (Pasq.) A. Robyns sob condi o de sombreamento
Scalon Silvana de Paula Quint?o,Mussury Rosilda Mara,Rigoni Marilúcia Rossi,Scalon Filho Homero
Revista árvore , 2003,
Abstract: Este experimento foi desenvolvido com o objetivo de estudar o crescimento de mudas de Bombacopsis glabra (Pasq.) A. Robyns (castanha-do-maranh o) sob diferentes intensidades luminosas. A capacidade de emergência das plantulas foi determinada pela porcentagem e pelo índice de velocidade de emergência, utilizando quatro repeti es de 100 sementes (1 semente/saco). Após 40 dias, 75 mudas foram transferidas para condi es de 30 e 50% de sombreamento e para pleno sol. O desenvolvimento das mudas foi conduzido em delineamento de blocos casualizados, com três repeti es de cinco mudas, nas quais foram avaliados a altura do caule e o diametro do colo aos 61, 82, 103 e 124 dias após a emergência das plantulas; o teor de clorofila a, b, total e a raz o a/b; a massa seca da planta (MS); a área foliar (AF); a taxa de crescimento relativo (TCR); a raz o de área foliar (RAF); a taxa assimilatória líquida (TAL); e a sobrevivência aos 103 e 124 dias após a emergência, quando o experimento foi encerrado. As sementes apresentaram 95% de emergência e alto de índice de velocidade de emergência (1,7). As mudas apresentaram 100% de sobrevivência em todos os tratamentos. Os níveis de luz estudados n o afetaram a sobrevivência das mudas, o diametro do caule, a área foliar, a clorofila a e b, a TCR, a TAL e a RAF, nos intervalos de tempo estudados. As mudas crescidas sob 50% de sombra apresentaram maior altura, maior clorofila total e menor rela o a/b. A castanha-do-maranh o é uma espécie de fácil propaga o, apresentando bom desenvolvimento das mudas sob pleno sol e tolerando o sombreamento de 30 e 50%.
Absor o de nutrientes pelo tomateiro cultivado sob condi es de campo e de ambiente protegido  [cached]
Fayad Jamil Abdalla,Fontes Paulo Cezar Rezende,Cardoso Ant?nio Américo,Finger Fernando Luiz
Horticultura Brasileira , 2002,
Abstract: Foram realizados dois experimentos, na Universidade Federal de Vi osa, objetivando caracterizar a absor o de nutrientes pelo tomateiro cultivado sob condi es de campo e de ambiente protegido. O primeiro, com a cultivar Santa Clara, cultivada a campo, no sistema de cerca cruzada e sete cachos. O segundo, em estufa plástica, com o híbrido EF-50, conduzidas verticalmente, mantendo-se oito cachos em cada uma. Ambos experimentos foram delineados em blocos ao acaso, com quatro repeti es. O primeiro constituído por oito e o segundo por nove tratamentos. Em ambos experimentos, o padr o de absor o de nutrientes seguiu o acúmulo de matéria seca pelas plantas. No experimento de campo, a ordem decrescente de acúmulo de nutrientes na parte aérea foi: K, N, Ca, S, P, Mg, Cu, Mn, Fe e Zn, alcan ando os valores máximos de 360; 206; 202; 49; 32; 29 kg.ha-1; 3.415; 2.173; 1.967 e 500 g.ha-1, respectivamente. Em ambiente protegido, o acúmulo de nutrientes na parte aérea do tomateiro decresceu na seguinte ordem: K, N, Ca, S, Mg, P, Mn, Fe; Cu e Zn, alcan ando os valores de 264; 211; 195; 49; 40; 30 kg.ha-1; 3.200; 2.100; 1.600 e 700 g.ha-1, respectivamente. As taxas de absor o diária dos nutrientes s o apresentadas bem como as porcentagens de absor o do N e de K em determinados períodos do crescimento do tomateiro, visando auxiliar na programa o das épocas de aplica o destes nutrientes em cobertura.
Início de florescimento, produ o e valor nutritivo de gramíneas forrageiras tropicais sob condi o de sombreamento natural
Carvalho Margarida Mesquita,Freitas Vicente de Paula,Xavier Deise Ferreira
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2002,
Abstract: Um experimento foi conduzido para estudar seis gramíneas forrageiras tropicais quanto ao seu valor nutritivo, florescimento, e produ o de matéria seca quando sombreadas por árvores de angico-vermelho (Anadenanthera macrocarpa). Foram estudadas as gramíneas Brachiaria brizantha cv. Marandu, Panicum maximum cvs. Aruana, Makueni, Momba a e Tanzania e Cynodon dactylon cv. Tifton 68. O desempenho das gramíneas sob as árvores foi comparado com o obtido em área próxima, sem árvores (controle). O sombreamento retardou o início do florescimento de todas as gramíneas, em maior ou menor grau, dependendo da espécie. A produ o de matéria seca das gramíneas foi reduzida pelo sombreamento, exceto no corte 3, no qual o crescimento nas áreas com e sem sombra n o diferiu significativamente. O Tifton 68 n o tolerou as condi es de sombreamento, e as outras espécies tiveram tolerancia moderada. As concentra es de N nas folhas de todas as gramíneas aumentaram significativamente na área de sombra em rela o à área de sol. Nas condi es de sombreamento, a DIVMS da parte aérea total das gramíneas foi significativamente mais alta do que na área sem árvores.
Desempenho agron mico de genótipos de milho sob condi es de restri o hídrica Agronomic performance of maize genotypes under conditions of water restriction  [cached]
Marciela Rodrigues da Silva,Thomas Newton Martin,Sidney Ortiz,Patrícia Bertoncelli
Revista de Ciências Agrárias , 2012,
Abstract: O objetivo, deste trabalho, foi avaliar o desempenho agron mico de genótipos de milho, no município de Dois Vizinhos, Paraná, Brasil, em condi es de restri o hídrica. Foram avaliados 36 genótipos pertencentes ao ensaio Sul Super Precoce quanto aos caracteres relacionados com a produ o de gr os. Os genótipos utilizados foram fornecidos pela Embrapa Milho e Sorgo e fazem parte dos Ensaios de competi o de cultivares de milho do Brasil. O cultivo foi realizado em condi es de sequeiro, sendo o fornecimento de água limitado à ocorrência de precipita es pluviométricas. O experimento foi realizado na área experimental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, no delineamento experimental látice simples. As condi es climáticas ocorridas durante o experimento foram de deficiência hídrica severa, interferindo negativamente no rendimento de gr os, assim como na variabilidade de resposta dos genótipos avaliados; mesmo nessas condi es foi possível classificar os materiais quanto à maioria dos caracteres avaliados, sendo ‘30P34’ o mais produtivo com 4,73 T ha-1. The aim of this study was to evaluate the agronomic performance of maize genotypes in the municipals of Dois Vizinhos, Paraná, Brazil, in conditions of water restriction. We evaluated 36 genotypes belonging to the Early Super South test regarding the characters related to grain production. The genotypes used were supplied by Embrapa Maize and Sorghum and are part of the competition trials of maize cultivars in Brazil. The culture was grown under rainfed conditions, with limited water supply to the occurrence of rainfall. The experiment was conducted at the experimental Universidade Tecnológica Federal do Paraná, the experimental design were simple lattice. The climatic conditions that occurred during the experiment were of severe drought, negatively affect the yield and variability of response of genotypes, even in these conditions it is possible to classify materials for most of the traits, being ‘30P34’ the most productive with 4.73 t ha-1.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.