oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Implanta o de programas de manejo e plano de gest o ambiental em pequenas comunidades / Implantation of Handling Programs and Plan of Environmental Administration in Small Communities  [cached]
Agostinho Paula Brito Cavalcanti
Revista Sociedade & Natureza , 2010,
Abstract: O presente trabalho tem por objetivo o desenvolvimento de uma proposta para a implanta o de programas de manejo e plano de gest o ambiental em pequenas comunidades, compondo um conjunto de procedimentos resultantes de métodos e técnicas de pesquisas. Os programas de manejo compreendem tópicos relativos aos setores de produ o, a saber: infra-estrutura energética, viária, sanitária e de comunica o; silvicultura, extrativismo vegetal, agricultura e pecuária; aqüicultura; minera o, indústrias e atividades científicas, culturais, esportivas, turísticas, recreacionais e de servi os. Com rela o ao plano de gest o ambiental, este deverá promover o desenvolvimento urbano e ordenamento dos servi os, abrangendo os setores de educa o; saúde; saneamento; transporte; energia e urbaniza o, além das a es direcionadas ao potencial natural, abrangendo a prote o do patrim nio histórico, cultural e natural, ecoturismo; pesquisas; gerenciamento e fiscaliza o. Como etapa conclusiva percebe-se a falta de uma política de caráter integrado que oriente a utiliza o racional e a prote o dos recursos naturais e a n o obediência da legisla o ambiental.
DESCRI O E PESQUISA: METADADOS COMO INFRA-ESTRUTURA  [PDF]
Michael K. Buckland
Brazilian Journal of Information Science , 2006,
Abstract: O uso original de metadados é para descrever documentos. XML, Dublin Core e os registros de catálogo de biblioteca MARC s o exemplos. O nome “metadados” (além de ou com dados) e a defini o popular “dados sobre dados” têm base nesse uso. Um segundo uso de metadados é para formar estruturas de organiza o por meios nos quais os documentos possam ser organizados. Essas estruturas podem ser utilizadas tanto para pesquisar documentos individuais como para identificar padr esdentro de uma popula o de documentos. O segundo papel dos metadados envolve uma invers o da rela o entre documento e metadados. Essas estruturas podem ser consideradas infra-estrutura.
INTERNACIONALIZA O DE EMPRESAS DE INFRA-ESTRUTURA  [cached]
Frederico Araujo Turolla,André Ricardo Noborikawa Paiva,érika Roberta Monteiro
InternexT : Revista Eletr?nica de Negócios Internacionais da ESPM , 2009,
Abstract: A decis o de internacionaliza o das firmas de infra-estrutura n o é trivial. Ao contrário damaioria dos setores, o investimento requer grades volumes de capital, há significativos custosde transa o e também envolve quest es conjunturais e institucionais, específicas a cada paísde destino. N o obstante os elevados riscos, vários grupos econ micos da área de infraestruturatêm buscado novos mercados para investimento e têm ampliado a parcela dasreceitas que s o obtidas fora dos mercados de origem. O estudo proposto neste artigo constituirefinamento da teoria estabelecida de Negócios Internacionais, com auxílio da Teoria deOrganiza o Industrial sobre a Economia da Infra-Estrutura. A metodologia é teóricoempírica,pois parte de duas teorias estabelecidas. As hipóteses testadas relacionam o Grau deInternacionaliza o (GI) a um conjunto de determinantes da internacionaliza o. Asconclus es apontam que, à exce o da economia de densidade e da economia de escala, asquais n o se mostraram relevantes para explicar a internacionaliza o de empresas, todas asdemais variáveis apontaram para o resultado esperado.
Impacto da Internet no fluxo da comunica o científica em saúde  [cached]
Castro Regina C Figueiredo
Revista de Saúde Pública , 2006,
Abstract: Com o advento da Internet e das novas tecnologias houve uma reestrutura o do fluxo da comunica o científica, assim como das rela es sociais no mundo. A produ o de conhecimento científico também foi influenciada por essas mudan as culturais, econ micas e sociais e contribuiu para transformar os padr es de comunica o científica. O objetivo do estudo é apresentar o modelo de comunica o tradicional e sua evolu o para a comunica o científica eletr nica, estimulada pelo uso de meios eletr nicos e da Internet e pelo compartilhamento em rede. Enquanto o modelo tradicional está voltado para a publica o impressa, o novo modelo prop e a publica o eletr nica e o acesso livre e irrestrito ao material publicado. Os desafios consistem na utiliza o de todas as potencialidades dos meios de comunica o eletr nicos para aprimorar aspectos positivos do fluxo de comunica o científica tradicional e na defini o de políticas que sustentem a nova estrutura do fluxo de comunica o científica, garantindo a qualidade, preserva o e dissemina o da informa o como bem público.
Levantamento dos atrativos, infra-estrutura e servi os de apoio ao ecoturismo da Reserva do Caju (Campo Experimental da Embrapa Tabuleiros Costeiros), Itaporanga D’Ajuda, Sergipe
Daniel Menezes de Almeida Freitas,Luís Ricardo Rodrigues de Araújo,Fernando Fleury Curado,Daniel Luís Mascia Vieira
Revista Nordestina de Ecoturismo , 2009, DOI: 10.6008/ess1983-8344.2009.001.0012
Abstract: A Reserva do Caju, legalmente denominada Campo Experimental de Itaporanga, tem 1.030 hectares, dos quais 860 est o em processo de implanta o de Reserva Particular do Patrim nio Natural. A Reserva pertence à Embrapa Tabuleiros Costeiros, desde 1979 e está situada no município de Itaporanga D’Ajuda, Estado de Sergipe, próximo da capital do estado, Aracaju. Dotada de áreas de grande relevancia natural e de comunidades nativas em sua área de influência, a Reserva possui como voca o natural, o incentivo de atividades que priorizam o desenvolvimento rural sustentável, destacando-se o Ecoturismo. Destaca-se também que a Embrapa tem como um dos seus objetivos, tornar a Reserva do Caju um Centro de Referência em Educa o Ambiental. O presente trabalho objetivou o levantamento dos atrativos, infra-estrutura e servi os de apoio direto ou indireto ao Ecoturismo na Reserva do Caju, a partir do método de inventário. Para a elabora o do inventário, utilizou-se o modelo do Manual de Ecoturismo de Base Comunitária da WWF. Atualmente, já existe uma boa estrutura de visita o na Reserva do Caju, que conta com área administrativa, cozinha, auditório, alojamento e residência de funcionários. Existem também atrativos como trilhas, vitrines de experimentos, fauna e flora típicas do bioma Mata Atlantica, elementos característicos de Restinga, além dos Rios Paruí e Vaza-barris que margeiam o território da Reserva. Através desse levantamento p de-se perceber que a Reserva do Caju, possui potencial para o incentivo da atividade Ecoturística, que alie conserva o ambiental e inclus o das comunidades do entorno.
Infra-Estrutura de Chaves Públicas brasileira (ICP-Brasil) e a forma o do Estado eletr nico
Marcello Cavalcanti Barra
Sociedade e Estado , 2006, DOI: 10.1590/s0102-69922006000300022
Abstract:
PADR?ES DE INVESTIMENTOS ESTATAIS EM INFRA-ESTRUTURA VIáRIA
MARQUES, EDUARDO CESAR;BICHIR, RENATA MIRANDOLA;
S?o Paulo em Perspectiva , 2001, DOI: 10.1590/S0102-88392001000100008
Abstract: este artigo apresenta os resultados preliminares de uma pesquisa em andamento sobre os investimentos realizados pela prefeitura de s?o paulo em infra-estrutura urbana, por meio de sua secretaria de vias públicas, entre 1978 e 1998. a partir de um extenso levantamento de informa??es primárias acerca desse período, abrangendo todos os contratos assinados pela secretaria com empreiteiras, investigou-se a distribui??o dos investimentos e suas características ao longo das administra??es municipais, assim como os padr?es de vitória das principais empreiteiras beneficiadas por essa política.
O COMéRCIO ELETR NICO E A COMPETêNCIA LOGíSTICA: ESTUDOS DE CASOS EM PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS  [PDF]
Leonel Mazzali,Roberto Padilha
Gest?o & Regionalidade , 2006,
Abstract: Esse trabalho relata os resultados de uma pesquisa exploratória, voltada para a análise da inser o da internet na estratégia daspequenas empresas varejistas e para a importancia da competência logística no comércio eletr nico. A metodologia está assentada em quatro estudos de casos, na Grande S o Paulo. Além da configura o de estratégias específicas, p de-se constatar que a logística ainda n o se constitui em assunto prioritário, porém, existe a conscientiza o quanto à importancia do estoque e da infra-estrutura de armazenagem no comércio eletr nico. O virtual n o é t o virtual. é fundamental amanuten o de estoques mínimos porque, no mundo virtual, a concorrência é mais acirrada. Basta um clique e outra loja aparecerá na tela do computador. O dilema vivido pelas pequenas empresas reside no fato de sustentar uma estrutura de armazenagem e de estoque, semainda possuir um movimento na loja virtual que justifique o investimento.
Vigilancia Eletr nica e Cibercultura: reflex es sobre a visibilidade na Era da Informa o
Monique Fonseca Cardoso,Anatália Saraiva Martins Ramos
Revista Espa?o Acadêmico , 2010,
Abstract: O texto empreende uma discuss o conceitual multidisciplinar acerca das novas possibilidades de vigilancia existentes na sociedade atual, tomando como referência as rela es sociais mediadas pelas novas tecnologias da informa o e comunica o, e o faz, abordando os seguintes conceitos: (i) cibercultura e comunidades virtuais; (ii) vigilancia eletr nica e sociedade de controle; (iii) visibilidade e subjetividade. Partindo das mudan as ocorridas nas formas rela o entre os indivíduos em um ambiente de cibercultura, no qual os meios de vigilancia est o mais fortemente presentes e menos visíveis, discute-se sobre a influência dessas mudan as nos modos de ser dos indivíduos.
Estrutura das comunidades fitobent nicas do infralitoral da Baía de Sepetiba, RJ, Brasil
Amado Filho Gilberto M.,Barreto Maria B.B.B.,Marins Bianca V.,Felix Claudia
Brazilian Journal of Botany , 2003,
Abstract: Caracteriza-se neste estudo a estrutura das comunidades fitobent nicas em cinco locais da baía de Sepetiba, RJ. Foram realizadas amostragens do tipo destrutiva desde a regi o mais interna da baía, sujeita diretamente aos impactos antrópicos locais, até a regi o próxima ao mar aberto, onde a interferência humana é reduzida, em quatro épocas do ano de 1999 (janeiro, maio, agosto e novembro). Para compara o dos resultados foram utilizados: o número total de espécies, a biomassa total, a diversidade (H') e a equitabilidade (J). Foram identificados 96 táxons, sendo 61 rodofíceas, 18 clorofíceas, 15 feofíceas e duas cianofíceas. O maior número de táxons (65) e os mais elevados valores de biomassa (492,4 g.m-2) foram observados no ponto 5, situado na Ponta da Marambaia. Ficou evidenciado o aumento da diversidade da regi o mais interna da baía em rela o ao local mais próximo ao oceano. Sargassum spp. apresentaram a maior biomassa, seguida por Padina gymnospora e outras algas de menor porte como Hypnea spp., Gelidium pusillum, Pterocladiella caerulescens e Gelidiopsis spp. A utiliza o do método destrutivo permitiu uma caracteriza o detalhada da composi o e da estrutura das comunidades fitobent nicas da baía de Sepetiba, facilitando no futuro, a identifica o das mudan as impostas às comunidades através de abordagens metodológicas mais simples.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.