oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Doen a do refluxo gastroesofágico: análise de 157 pacientes  [cached]
Burati Daniela O.,Duprat André de C.,Eckley Cláudia A.,Costa Henrique O.
Revista Brasileira de Otorrinolaringologia , 2003,
Abstract: O refluxo gastroesofágico e o refluxo laringofaríngeo s o definidos, respectivamente, como o movimento do conteúdo gástrico para dentro do es fago e para dentro da área laringofaríngea. Pacientes com Doen a do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) têm queixas otorrinolaringológicas como rouquid o, tosse cr nica, pigarro, globus faríngeo, odinofagia, estridor, disfagia, entre outras, além de azia. FORMA DE ESTUDO: Clínico retrospectivo. MATERIAL E MéTODO: Foi realizado um estudo retrospectivo de 157 pacientes portadores de sinais de refluxo laringofaríngeo na videolaringoscopia no período de mar o de 1998 a maio de 2000. Os pacientes foram divididos em três grupos: refluxo leve, moderado e severo; avaliados segundo a idade, sexo, queixas principais nos diferentes grupos, principal queixa nos diferentes grupos, e segundo queixas digestivas em cada grupo. RESULTADOS E CONCLUS ES: Havia 110 pacientes do sexo feminino e 47 do masculino. A faixa etária estendia-se de 21 a 85 anos. As queixas principais foram disfonia (69,42%), pigarro (52,86%), globus faríngeo (65,60%), azia (33,12%), tosse (18,97%), odinofagia (11,46%), disfagia (10,82%) e engasgos (2,54%). Trinta e quatro pacientes apresentavam RLF leve, 60 moderado e 63 severo. A principal queixa de todos os grupos foi a disfonia, seguida pelo globus para os refluxos leve e moderado, e pigarro para o severo. A queixa gástrica, azia, foi mais freqüente nos grupos moderado e severo. Das queixas principais nos diferentes grupos, a disfonia foi a mais freqüente nos três grupos, seguida pelo pigarro e globus faríngeo nos grupos de refluxo moderado e severo. A azia esteve presente numa freqüência semelhante nos três grupos.
Volume gástrico residual e risco de aspira o pulmonar em crian as com refluxo gastroesofágico: estudo comparativo
Cruvinel Marcos Guilherme Cunha,Bittencourt Paulo Fernando Souto,Costa José Roberto de Rezende,Barbosa Paulo Roberto Vieira
Revista Brasileira de Anestesiologia , 2004,
Abstract: JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Freqüentemente, crian as com refluxo gastroesofágico têm que ser submetidas a anestesia para estudos diagnósticos e/ou procedimentos cirúrgicos. Considera-se que o esvaziamento gástrico seja retardado na doen a do refluxo gastroesofágico pediátrico. Portanto, a anestesia nesses pacientes tem aspectos peculiares, especialmente no que se refere ao risco de aspira o pulmonar. O objetivo deste estudo é comparar o volume gástrico residual de crian as com ou sem refluxo gastroesofágico e determinar se as crian as com refluxo têm, de fato, risco aumentado para a aspira o pulmonar do conteúdo gástrico durante a anestesia. MéTODO: Participaram do estudo 38 crian as, estado físico ASA I ou II, submetidas à endoscopia digestiva alta diagnóstica. As crian as foram divididas em dois grupos: grupo R, portadoras de refluxo gastroesofágico e grupo N, sem refluxo gastroesofágico com endoscopia digestiva alta normal. Durante o procedimento, todo o conteúdo gástrico foi aspirado e seu volume medido. RESULTADOS: Das 38 crian as estudadas, 18 (47%) foram incluídas no grupo R e 20 (53%) no grupo N. N o foram constatadas diferen as significativas entre os dois grupos no que se refere à idade, ao peso e tempo de jejum. Em todos os pacientes, o volume gástrico residual observado foi inferior a 0,4 ml.kg-1; e n o houve diferen as significativas entre os grupos. CONCLUS ES: Nas condi es deste estudo, o volume gástrico residual n o diferiu entre as crian as portadoras, ou n o, de refluxo gastroesofágico. Portanto, as crian as com refluxo gastroesofágico n o apresentaram risco aumentado de aspira o pulmonar, quando comparadas a crian as sem refluxo gastroesofágico, podendo-se dispensar sua profilaxia.
Fibrose pulmonar idiopática: características clínicas e sobrevida em 132 pacientes com comprova o histológica  [cached]
RUBIN ADALBERTO SPERB,MOREIRA JOSé DA SILVA,PORTO NELSON DA SILVA,IRION KLAUS LOUREIRO
Jornal de Pneumologia , 2000,
Abstract: Com o objetivo de avaliar as características clínicas e sobrevida de pacientes portadores de fibrose pulmonar idiopática, foram analisados 132 casos com confirma o histológica, internados no Pavilh o Pereira Filho entre 1970 e 1996. O diagnóstico foi realizado em 120 casos por biópsia a céu aberto e em 12 casos por biópsia transbr nquica. A idade média do grupo estudado foi de 56 anos; 78 eram do sexo masculino; 126 eram brancos e 6, negros. O tabagismo estava presente em 61 casos. A dura o média dos sintomas antes do diagnóstico foi de 22,7 meses. O hipocratismo digital esteve presente em 75 pacientes e estertores teleinspiratórios foram verificados em 100 casos. Dispnéia só n o foi constatada em dois pacientes e tosse esteve presente em 89 casos. As provas de fun o pulmonar apresentaram os seguintes valores médios: CVF, 62%; VEF1, 70%; DCO, 43,4%; CPT, 76,7%; PaO2, 67,3mmHg; PaCO2, 39,1mmHg e SaO2, 92,3%. O lavado broncoalveolar apresentou os seguintes valores médios: macrófagos, 83,8%; neutrófilos, 9,1%; linfócitos; 6,1% e eosinófilos, 0,6%. Na radiologia convencional de tórax, foi observado faveolamento em 79 casos, redu o da capacidade pulmonar total em 107 e alargamento da traquéia intratorácica em 50. Na TC de tórax, o grau médio de profus o do padr o reticular foi de 42,3% e do padr o de granularidade, de 43,6%. O padr o histológico usual esteve presente em 128 casos, sendo apenas quatro pacientes portadores de padr o descamativo. Em 121 casos foram obtidas informa es quanto à sobrevida em dezembro de 1997. A sobrevida média total desta série foi de 28 meses, sendo de 24 meses para os pacientes que foram a óbito. Os pacientes desta série apresentaram características associadas a um estágio avan ado da doen a. Este fato, mais a presen a maci a de pacientes com padr o usual e a rígida sele o de casos muito provavelmente contribuíram para os resultados encontrados quanto à sobrevida.
Controvérsias na fibrose cística: do pediatra ao especialista  [cached]
Ribeiro Jose Dirceu,Ribeiro Maria ?ngela G. de O.,Ribeiro Antonio Fernando
Jornal de Pediatria , 2002,
Abstract: Objetivos: nos últimos 70 anos, a fibrose cística emergiu da obscuridade para o reconhecimento como a mais importante doen a hereditária, potencialmente letal, incidente na ra a branca. Embora seja uma doen a genética, na qual o defeito básico acomete células de vários órg os, nem todos os indivíduos expressam respostas clínicas na mesma intensidade. Várias manifesta es clínicas, principalmente pulmonares e digestivas, podem ocorrer durante a vida dos pacientes fibrocísticos. O objetivo deste artigo é propiciar ao pediatra geral uma vis o atualizada dos principais assuntos referentes à fibrose cística. Fontes dos dados: revis o sistemática e atualizada em fonte de dados oficial (Medline). Síntese dos dados: foram revisados 79 artigos sobre fibrose cística, de periódicos internacionais, colocando, de modo atual e crítico, os principais eventos relacionados com a incidência, a fisiopatogenia, as manifesta es clínicas, o diagnóstico e o tratamento da fibrose cística. Conclus es: apesar de n o existir cura para essa doen a, muitos conhecimentos novos sobre a etiologia e a fisiopatologia, adquiridos nas duas últimas décadas, propiciaram uma nova abordagem para o tratamento da fibrose cística. A compreens o dos mecanismos básicos da doen a pulmonar, bem como das manifesta es digestivas na fibrose cística, decorrente dos conhecimentos de pesquisas recentes, tem sido a chave para o aumento da sobrevida e a melhora da qualidade de vida dos pacientes.
Fatores prognósticos em fibrose pulmonar idiopática  [cached]
RUBIN ADALBERTO SPERB,MOREIRA JOSé DA SILVA,PORTO NELSON DA SILVA,IRION KLAUS LOUREIRO
Jornal de Pneumologia , 2000,
Abstract: Com o objetivo de avaliar quais fatores prognósticos s o significativos na sobrevida de pacientes com fibrose pulmonar idiopática (FPI), foram estudados 117 casos com comprova o histológica da doen a, internados no Pavilh o Pereira Filho entre 1970 e 1996. Todos os pacientes realizaram radiologia convencional de tórax, espirometria e preencheram um questionário padronizado no momento da interna o. Foram também realizados medida da difus o (34 casos), capacidade pulmonar total (28), gasometria (106), lavado broncoalveolar (39), provas reumatismais (45) e tomografia computadorizada de tórax (24). Para uma análise mais específica, os pacientes foram dividos em dois grupos: grupo A (sobrevida até dois anos) - 55 pacientes e grupo B (sobrevida maior que cinco anos) - 24 pacientes, sendo estas características também analisadas de acordo com a significancia em rela o à sobrevida. Foram considerados fatores indicativos de pior prognóstico a idade avan ada, a dura o prolongada de sintomas, a gravidade da dispnéia, a redu o da CVF, da DCO, da PaO2 e da SaO2, a intensidade do faveolamento e o grau de profus o do padr o reticular na TCAR. Estiveram também associados à menor sobrevida os valores menores de VEF1 e CPT. A utiliza o destes critérios de gravidade que apresentaram significancia estatística, quando utilizados em conjunto, pode determinar uma avalia o prognóstica mais apurada em pacientes portadores de FPI, com implica es terapêuticas e sociais relevantes para seu manejo e acompanhamento.
Avalia o de parametros histológicos na pneumonia intersticial usual (fibrose pulmonar idiopática)  [cached]
FERREIRA RIMARCS GOMES,COLETTA ESTER NEI APARECIDA MARTINS,GIANNOTTI FILHO OSVALDO
Jornal de Pneumologia , 2000,
Abstract: A fibrose pulmonar idiopática (alveolite fibrosante criptogênica) é uma doen a pulmonar intersticial progressiva de etiologia desconhecida, morfologicamente reconhecida como pneumonia intersticial usual. Desde a publica o de Hamman e Rich (1944) até os dias atuais, uma das grandes preocupa es foi a tentativa de encontrar um marcador histológico para correlacionar com prognóstico e resposta terapêutica. A busca desta situa o n o tem sido muito alentadora, pois existem vários pontos duvidosos na patogênese desta doen a. Admite-se que a resposta terapêutica desta entidade se relaciona com a celularidade e fibrose presentes no tecido. A proposta deste estudo é descrever os resultados de método semiquantitativo segundo a avalia o independente de dois patologistas, das altera es exsudativo-inflamatórias, reparativo-fibróticas e de vias aéreas, em 24 pacientes com diagnóstico de fibrose pulmonar idiopática, submetidos à biópsia a céu aberto. Foram analisados 14 parametros histológicos segundo escala de 0 a 5 para as altera es intersticiais e de 0 a 2 para o comprometimento de vias aéreas e de espa os aéreos. Da análise independente realizada pelos dois observadores constatou-se concordancia significante em todas as variáveis histológicas com Kw (teste de Kappa) indo de 0,47 a 0,92. Apenas na análise da intensidade da inflama o septal as discordancias também foram significantes, sugerindo que para este parametro a percentagem de comprometimento tecidual deve ser previamente discutida entre os observadores. O método utilizado demonstrou ser rápido e eficiente.
Prevalência de refluxo gastroesofágico em pacientes com doen?a pulmonar avan?ada candidatos a transplante pulmonar
Fortunato, Gustavo Almeida;Machado, Mirna Mota;Andrade, Cristiano Feijó;Felicetti, José Carlos;Camargo, José de Jesus Peixoto;Cardoso, Paulo Francisco Guerreiro;
Jornal Brasileiro de Pneumologia , 2008, DOI: 10.1590/S1806-37132008001000004
Abstract: objective: to assess the esophageal function profile and the prevalence of gastro-esophageal reflux (ger) in lung transplant candidates. methods: from july of 2005 to november of 2006, a prospective study was conducted involving 55 candidates for lung transplantation at the santa casa de misericórdia hospital in porto alegre, brazil. prior to transplantation, patients underwent outpatient stationary esophageal manometry and 24-h esophageal ph-metry using one and two electrodes. results: abnormal esophageal manometry was documented in 80% of the patients, and 24% of the patients presented pathological acid reflux. digestive symptoms presented sensitivity and specificity for ger of 50% and 61%, respectively. of the patients with chronic obstructive pulmonary disease, 94% presented abnormal esophageal manometry, and 80% presented lower esophageal sphincter hypotonia, making it the most common finding. patients with bronchiectasis presented the highest prevalence of ger (50%). conclusions: in patients with advanced lung disease, ger is highly prevalent. in the population studied, digestive symptoms of ger were not predictive of pathological acid reflux. the role that ger plays in chronic rejection should be examined and clarified in future studies.
Análise descritiva dos pacientes com fibrose cística em acompanhamento na Unidade de Pneumologia Pediátrica de um hospital universitário em Porto Alegre-RS  [PDF]
Chakr, Valentina Coutinho Baldoto Gava et al.
Scientia Medica , 2006,
Abstract: Objetivos: Descrever o perfil de pacientes acompanhados num centro de tratamento de médio porte, especializado em fibrose cística, e comparar os dados obtidos com os encontrados na literatura atual. Métodos: Foram analisados e correlacionados dados de importancia para o seguimento clínico dos pacientes com fibrose cística obtidos no banco de dados de acompanhamento dos mesmos pacientes. Os resultados foram expressos em médias ± desvio padr o (DP) ou medianas e amplitude interquartil 25-75%, conforme a distribui o das variáveis. Resultados: Foram estudados 26 pacientes do sexo masculino e 22 do feminino. A idade mediana do diagnóstico foi de 0,98 anos. Dos 48 pacientes, 89,6% apresentam insuficiência pancreática e 29,1% mostraram pelo menos uma cultura positiva para Pseudomonas aeruginosa nos últimos 6 meses. Apresentavam redu o dos parametros de fun o pulmonar o grupo com insuficiência pancreática (84 versus 112%; p = 0,005) e os portadores de infec o cr nica por P. aeruginosa (75 versus 85%; p = 0,006). Conclus es: Os dados obtidos em nosso estudo mostram que este grupo de pacientes se apresenta de maneira concordante aos dados disponíveis na literatura quanto às características analisadas da doen a. Contudo, há uma exce o marcante quanto ao diagnóstico da mesma, ainda muito tardiamente realizado no Brasil.
Cirurgia redutora de volume pulmonar: critérios de sele o de pacientes no Hospital Universitário Ant nio Pedro, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, RJ  [cached]
Behrsin Rodolfo Fred,Silva Junior Cyro Teixeira da,Gabetto José Manoel,Lima Oriane de Almeida Santana
Revista da Associa??o Médica Brasileira , 2003,
Abstract: O tratamento clínico da doen a pulmonar obstrutiva cr nica (DPOC) está bem padronizado por consensos nacionais e internacionais. Junto com transplante pulmonar, a cirurgia redutora de volume pulmonar (CRVP) é alternativa de tratamento cirúrgico para o enfisema. OBJETIVOS: Avaliar critérios de inclus o e exclus o para realiza o de CRVP em pacientes com DPOC. MéTODOS: Trinta e um pacientes encaminhados e acompanhados no Ambulatório Multidisciplicar de Pesquisa em DPOC e Tabagismo dos Cursos de Pós-Gradua o em Pneumologia da Universidade Federal Fluminense, submetidos a um protocolo de avalia o para sele o de candidatos à CRVP que incluiu anamnese e exame físico padronizados, espirometria com curva fluxo volume e teste com broncodilatador, gasometria arterial com paciente respirando ar ambiente, teste de caminhada por seis minutos (TC6M), radiografia convencional de tórax em póstero anterior e perfil esquerdo, tomografia computadorizada de tórax de alta resolu o (TCAR) e cintilografia pulmonar de ventila o e perfus o. Análise estatística: descritiva. RESULTADOS: Contra-indica es para CRVP: bronquite cr nica (29% ou nove pacientes), VEF 1> 80,0% do previsto (13% ou quatro pacientes), recusa em realizar a cirurgia (10% ou três pacientes), áreas de fibrose, depress o e bronquiectasias (dois pacientes cada), nódulo pulmonar solitário neoplásico, obesidade mórbida, enfisema bolhoso grave, hipertens o pulmonar, passado de ressec o pulmonar, tabagismo corrente, enfisema difuso com deficiencia de alfa-1-antitripsina e doen a cardiaca grave (um paciente cada). Um dos pacientes selecionados concordou e foi submetido à CRVP. Sua indica o foi enfisema pulmonar heterogênio com predomínio nos lobos superiores, diagnosticado pela TCAR e cintilografia pulmonar. CONCLUS ES: Bronquite cr nica representou a principal contra-indica o em 29% dos casos. Pacientes com indica o de CRVP, freqüentemente, apresentam mais de um fator mórbido a contra-indicar o seu procedimento. A maioria dos pacientes com critérios para CRVP, a recusa, com receio do procedimento ou após programas de reabilita o pulmonar. O critério mais significativo que indicou CRVP em um paciente operado foi a presen a de enfisema heterogênio bilateral nos lobos superiores.
O cotidiano da família com filhos portadores de fibrose cística: subsídios para a enfermagem pediátrica  [cached]
Furtado Maria Candida de Carvalho,Lima Regina Aparecida Garcia de
Revista Latino-Americana de Enfermagem , 2003,
Abstract: A fibrose cística é uma doen a genética caracterizada pelo aumento na produ o de muco que, depositado em alguns órg os, causa: doen a pulmonar obstrutiva cr nica, insuficiência pancreática e nível elevado de eletrólitos no suor. Pretende-se, neste estudo, descrever o cotidiano de famílias com filhos portadores de fibrose cística nos aspectos relacionados à repercuss o da doen a cr nica na dinamica familiar. Para tanto, realizou-se um estudo qualitativo, com coleta de dados empíricos a partir de entrevistas com 14 famílias de pacientes menores de 18 anos em tratamento no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeir o Preto, da Universidade de S o Paulo. Dos dados emergiram os seguintes temas: envolvimento da família, aceita o/entendimento da doen a e enfrentando desafios. Identificamos uma vida de dependência relacionada à doen a, com desgaste físico e emocional, tanto da crian a quanto da família. Implica es para a enfermagem: constitui o de modelos assistenciais que tenham a família como foco de aten o, considerando meio ambiente, estilo de vida e promo o à saúde como seus fundamentos básicos.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.