oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil  [cached]
Ramos Donatela Dourado,Lima Maria Alice Dias da Silva
Cadernos de Saúde Pública , 2003,
Abstract: Aborda-se a vis o dos usuários sobre fatores que influenciam a qualidade do atendimento em uma unidade de saúde de Porto Alegre, relativos a acesso e a acolhimento. Os dados, coletados através de entrevista semi-estruturada e observa o participante, foram tratados mediante análise temática. Os resultados mostram facilidades e dificuldades de acesso geográfico, econ mico e funcional. A organiza o do servi o e a competência profissional determinaram facilidades com rela o ao acolhimento, levando à satisfa o dos usuários. Má recep o e desempenho profissional insatisfatório foram dificuldades identificadas. Concluiu-se pela necessidade de aumento de profissionais, capacita o para o acolhimento, implanta o de modalidade complementar de atendimento odontológico, antecipa o da abertura do prédio para marca o de consultas e prioriza o de atendimento aos moradores da área de atua o.
Acesso ao servi o de fonoaudiologia: a implanta o do acolhimento no município de Toledo - PR Access to service of speech therapy: implementing the embracement practice in Toledo City - PR  [cached]
Juliana Cunha da Costa,Schirley Aparecida Giustti,Ieda Satiko Murofuse,Anely Lea Gumz
Revista CEFAC , 2012,
Abstract: TEMA: para inserir o acolhimento nos servi os de saúde, é preciso desenvolver formas de receber a popula o; respeitando os diferentes modos de como o usuário procura ajuda. Desta forma, o presente trabalho é um relato de experiência, que teve por objetivo agilizar o acesso ao servi o de Fonoaudiologia, bem com escutar e dar respostas mais adequadas aos usuários. PROCEDIMENTOS: como forma de estruturar o acesso foi realizada a implanta o das práticas de acolhimento na porta de entrada ao servi o de Fonoaudiologia do município de Toledo, no Paraná. Para a realiza o do acolhimento foram estabelecidos dois momentos. O primeiro referiu-se a lista de espera de usuários que necessitava ser conhecida e no momento posterior, os novos usuários escolheram entre dias e horários fixos, como forma de entrada no servi o de Fonoaudiologia. Em alguns encontros houve também a participa o de enfermeiro, psicólogo e assistente social. RESULTADOS: ofereceu-se aos usuários melhor acesso ao atendimento fonoaudiológico, proporcionou o enriquecimento da rela o profissional/usuário, à adequa o dos procedimentos terapêuticos e esclarecimentos quanto ao funcionamento do servi o. CONCLUS O: a implanta o do acolhimento na porta de entrada ao servi o de Fonoaudiologia agilizou o acesso da popula o, assim como escutar implica em respeitar as demandas do usuário. BACKGROUND: for the embracement practice in health services to occur it is necessary to develop ways to receive the population, respecting the different modes of how the users seek help. In this way, this assignment is an experience report that had as objective to expedite the access to service of speech therapy, as well as to listen and to give more appropriate answers to the users. PRODUCERS: as a way to structure the access, one accomplished the implementation of embracement′s practice in the incoming door at the services of speech therapy at Toledo′s city in Parana. For the embracement practice's achievement we established two instances, the first one referred to the waiting list of users which needed to be known and in the second moment the new users choose between days and fixed schedule, as a manner of incoming in services of speech therapy. In some of these meetings there was also the participation of nurses, psychologists, social workers. RESULTS: there was offered to the users a better access to the speech therapy treatment, an enrichment in the professional/user relationship was offered, for adequacy of therapy procedures and explanations about the service functioning. CONCLUSION: implementing embracement pr
Acolhimento e humaniza??o na vis?o dos anestesiologistas
Santos, Maria de Fátima Oliveira dos;Fernandes, Maria das Gra?as Melo;Oliveira, Harison José de;
Revista Brasileira de Anestesiologia , 2012, DOI: 10.1590/S0034-70942012000200006
Abstract: background and objectives: receptiveness is a tool that brings contributions for health care humanization, especially with regard to its practice in the field of anesthesiology. the aim was to investigate through the report of anesthesiologists the understanding of the receptiveness phenomenon among these professionals. methods: this is a descriptive qualitative research held at the hospital universitário lauro wanderley (hulw), in the city of jo?o pessoa, pb. the sample consisted of 16 attending anesthesiologists, 25% female doctors and 75% male doctors. data were collected through interviews guided by two semi-structured questions from september to october 2010. data analysis was performed using the technique of collective subject discourse (csd). results: the anesthesiologists' answer to the following question was considered as this study's result: "what do you think about the practice of receptiveness as a strategy to humanize the doctor-patient relationship?" the doctors' csd presented two central ideas: 1) a holistic approach to the patient; 2) a strategy that improves the doctor-patient relationship. when asked about the strategies adopted by them to humanize the relationship with the patient at the time of reception, their reports were organized based on three central ideas: 1) observation of patients' rights; 2) therapeutic communication; 3) preanesthetic visit. it was found that the physicians involved in the research recognized the value of receptiveness as a strategy to humanize the doctor-patient relationship. conclusions: the receptivity to the patient in the course of anesthesia is very important because it allows the professional to perform a qualified hearing of the patient's history, together with the humanized care process, which enables the improvement of the interaction between doctor and patient.
O agente comunitário de saúde e a privacidade das informa es dos usuários  [cached]
Fortes Paulo Antonio de Carvalho,Spinetti Simone Ribeiro
Cadernos de Saúde Pública , 2004,
Abstract: Estudo de natureza exploratória que objetivou conhecer a vis o dos diversos atores sociais do Programa Saúde da Família sobre o direito à privacidade nas rela es entre os usuários e os agentes comunitários de saúde. Entrevistados: Chefias das Unidades Básicas de Saúde, Médicos, Enfermeiros e Agentes Comunitários de Saúde (ACS), em 2002, de unidades de saúde da cidade de S o Paulo, Brasil. Os profissionais e chefias entendem que devam ser estabelecidos limites para o ACS com rela o ao acesso a determinadas informa es dos usuários, como as que se referem ao diagnóstico de doen as. A pesquisa mostra que o freqüente contato dos usuários com o ACS resulta na revela o de aspectos de suas condi es de saúde antes de fazê-la a outros elementos da equipe de saúde. Isto gera uma quest o ética a ser ainda debatida: há uma esfera própria de confidencialidade entre o ACS e os usuários, com informa es que n o deveriam ser divulgadas ao restante da equipe?
Acolhimento no cotidiano dos auxiliares de enfermagem nas Unidades de Saúde da Família, Londrina (PR)
Nery,S?nia Regina; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida; Carvalho,Brígida Gimenez de; Melchior,Regina; Baduy,Rossana Staevie; Lima,Josiane Vivian Camargo de;
Ciência & Saúde Coletiva , 2009, DOI: 10.1590/S1413-81232009000800014
Abstract: this paper analyses the auxiliary nurses' perception on the work of the family health team regarding users' receptiveness as a technology in the relationship with patients and community in londrina, paraná state, brazil. it is a qualitative research, which data was collected during a focal group. thematic analysis of the content was performed for data analysis. results show that auxiliary nurses have sensibility, are committed, and feel responsible for users' receptiveness, and recognize the importance of an integral and effective attention. they report knowing better the reality of the families' lives since the implementation of the family health program, but highlight the fact that not all of them perform activities outside the unit. contradictions have also been noted regarding the patients' rights provided by the unified health system, mainly about the universality of access. one of the reported difficulties was the increase of demand after the implementation of the family health program. this situation presents itself as a challenge to change the attention model, and it is necessary to reorganize the process of work as well as to incorporate other fields of knowledge in order to promote the practice of receptiveness, and the integration of intra and extra activities at the unit.
Opini es de usuários de saúde sobre o acolhimento com classifica o de risco  [PDF]
Carine Lais Nonnenmacher,Teresinha Heck Weiller,Stefanie Griebeler Oliveira
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2012,
Abstract: Este estudo buscou conhecer as opini es dos usuários de saúde sobre o dispositivo de acolhimento com classifica o de risco. Trata-se de pesquisa exploratória com abordagem qualitativa realizada com usuários de saúde de um município no Sul do Brasil. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista grupal, realizada com dois grupos: uma com usuários de uma unidade básica de saúde com estratégia de saúde da família e outra com usuários de unidade básica de saúde convencional.Os encontros foram gravados e, posteriormente, as falas foram transcritas e analisadas. Os usuários, dos dois grupos, relataram a ocorrência de conflitos com a implanta o do acolhimento com classifica o de risco, uma vez que as unidades básicas de saúde distribuem fichas de atendimento por ordem de chegada. O estudo revela que este dispositivo tem potencial para modifica es na aten o de saúde desde que se realizem pactos permanentes entre servi os de saúde e usuários.
Esfenoidotomia anterior para acesso aos tumores selares: nota técnica  [cached]
Landeiro José Alberto,Teixeira Lilian Brauns,Marins Filho Josildo,Silva Lúcio César Hott
Arquivos de Neuro-Psiquiatria , 2001,
Abstract: A dissec o da mucosa do septo nasal durante o acesso transesfenoidal tradicional tem significante morbidade. A técnica de acesso direto ao seio esfenoidal, sem descolamento da mucosa septal é descrita. Elimina complica es como perfura o de septo, perda do olfato, epistaxe, fístula oronasal e dormência nos lábios. A esfenoidotomia pode ser feita sob vis o do microscópio cirúrgico, do endoscópio ou mesmo sob luz frontal, e proporciona um ótimo espa o para remo o dos tumores de origem selar.
Acesso e acolhimento na aten??o básica: uma análise da percep??o dos usuários e profissionais de saúde
Souza, Elizabethe Cristina Fagundes de;Vilar, Rosana Lúcia Alves de;Rocha, Nadja de Sá Pinto Dantas;Uchoa, Alice da Costa;Rocha, Paulo de Medeiros;
Cadernos de Saúde Pública , 2008, DOI: 10.1590/S0102-311X2008001300015
Abstract: this article is part of the evaluation study on the project for expansion and consolidation of the family health strategy, conducted by the center for public health research at the federal university in rio grande do norte, brazil, from march to december 2005. the study presents an assessment of primary health care access and receptivity from the perspective of patients and health professionals, comparing traditional primary care units and family health units in three state capitals in northeast brazil. the methodology included focus groups with content analysis. the results identified increased access, but there is still a disproportion between potential supply, capacity to meet the demand, and difficulties with referral in both the family health units and traditional primary care units. as an operational technology, receptivity is still under construction in the family health units, with varying levels of adherence to both the concept and the strategies for reorganizing daily work practices. meanwhile, receptivity is totally absent from the traditional primary care units. the study suggests that qualitative analyses be included in health assessment in order to better explain the subjective aspects of the various actors.
AS UNIDADES DE CONSERVA O GERENCIADAS PELO IEF REGIONAL DIAMANTINA (MG): UM ENFOQUE METODOLOGICO ACERCA DOS INVENTáRIOS TURíSTICOS  [cached]
Virginia Martins Fonseca
Revista Brasileira de Ecoturismo , 2011,
Abstract: Sabe-se que Minas Gerais possui significativa relevancia ambiental, diante das riquezas e variedades de paisagens, recursos hídricos, diversidade da fauna e flora e sítios arqueológicos. A necessidade de preserva o ambiental é incentivada com a implanta o das unidades de conserva o (UC’s). S o necessárias algumas estratégias no processo de preserva o e apropria o da sociedade pelo meio ambiente e UC’s, como o uso público, por meio da atividade ecoturística. E, para que o turismo ocorra de forma responsável é primordial a realiza o de pesquisas que viabilizem o planejamento e avalia o constante acerca dos tipos e formas mais apropriados de uso. Nesse contexto, foi firmado um convênio entre a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), por meio do Núcleo de Estudos em Turismo, e o Instituto Estadual das Florestas (IEF) – Regional Alto Jequitinhonha, no intuito de desenvolver uma pesquisa-a o dos atrativos turísticos de quatro UC′s: Parque Estadual de Biribiri (PEBI), Parque Estadual do Pico do Itambé (PEPI), Parque Estadual da Serra do Intendente (PESI) e Parque Estadual da Serra do Cabral (PESC). A metodologia consistiu em quatro etapas: 1) Pesquisa Bibliográfica: referencial teórico, considerando o conhecimento cientifico publicado para instruir os discentes envolvidos no desenvolvimento do projeto além do embasamento teórico do inventário; 2) Pesquisa Documental: levantamento de gabinete em documentos técnicos, como Plano de Manejo, características gerais, aspectos da constitui o, usos sociais e históricos do território e área circunvizinha. Implicou na caracteriza o dos aspectos físico-naturais da UC, analise das cartas topográficas e planejamento da estratégia da pesquisa in loco; 3) Pesquisa in loco: atua o direta dos discentes nas UC’s. Foi realizada, a priori, a descri o de todos os atrativos (turísticos efetivos e,ou potenciais) com identifica o da: localiza o, acesso, distancias, coordenadas geográficas, grau de conserva o, características de vegeta o, relevo e hidrografia, índices de eleva o, medidas e características fision micas, conforme equipamentos eletr nicos disponibilizados pelos parceiros envolvidos. Estabeleceu-se, ainda, o georeferenciamento das trilhas, pontos de referências, atrativos e infra-estrutura existente, bem como registro sistemático em mídia digital das imagens e paisagens das UC’s; 4) Tabula o dos dados e elabora o do documento final: digitaliza o dos dados coletados para elabora o do inventário, com todas as informa es e imagens dos atrativos visitados. Após a revis o final, os
Acolhimento com classifica o de risco: avalia o dos profissionais de enfermagem de um servi o de emergência
Eliane Regina Pereira do Nascimento,Bárbara Rosso Hilsendeger,Caroline Neth,Guilherme Mortari Belaver
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2011,
Abstract: Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa que objetivou conhecer e analisar como os profissionais de enfermagem de um servi o de emergência hospitalar público de Santa Catarina avaliam o Acolhimento com Classifica o de Risco (ACR). A coleta de dados ocorreu em abril e maio de 2010 por meio de entrevista semiestruturada, com 13 profissionais de enfermagem. Para análise adotou-se o Discurso do Sujeito Coletivo. Dos relatos surgiram dois temas: potencialidade do ACR e fragilidade do ACR. Como potencialidades, foram apontadas o atendimento mais rápido e humano aos usuários que est o com agravos agudos de saúde e que necessitam de interven o imediata e como fragilidades, a deficiência de espa o físico, materiais e de recursos humanos. Os achados evidenciam que houve mudan as na organiza o e qualidade do atendimento ao usuário no servi o em quest o com o ACR, porém ainda n o atendem os pressupostos dessa estratégia da Política Nacional de Humaniza o.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.