oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
DIETAS SIMPLES E COMPLEXA SOBRE O DESEMPENHO DE LEIT ES NA FASE DE CRECHE  [cached]
Quadros Arlei Rodrigues Bonet,Kiefer Charles,Henn Jo?o Dionísio,Scariot Geraldo
Ciência Rural , 2002,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho de leit es, dos 21 aos 63 dias de idade, alimentados com dietas simples ou complexas. Foram utilizados noventa e seis leit es tri-cross, sendo alimentados à vontade. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com 2 tratamentos e 12 repeti es. O consumo diário de ra o (CDR), ganho diário de peso (GDP), a convers o alimentar (CA) e o peso foram avaliados no período. Os leit es alimentados com dietas complexas apresentaram maior CDR e maior GDP, no pós desmame. O tipo de dieta n o influenciou o peso e a CA dos leit es na fase de creche.
Fatores de risco associados ao vício de suc o em leit es na fase de creche
Amaral A.L.,Morés N.,Barioni Júnior W.,Costa O.A.D.
Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia , 2003,
Abstract: Foi realizado um estudo epidemiológico em 65 granjas de suínos situadas na regi o Sul do Brasil para identificar os fatores que favorecem a ocorrência do vício de suc o entre leit es desmamados. Em cada granja acompanhou-se um lote de leit es do nascimento até 21 dias após o desmame, provenientes de no mínimo seis leitegadas, para obten o de informa es relacionadas às instala es, à nutri o, às práticas de manejo, ao ambiente interno e ao desempenho dos leit es. Os dados foram submetidos à análises descritivas e de correspondência múltipla. A manifesta o do vício ocorreu em 23 (35,4%) granjas. Nos lotes que apresentaram o vício de suc o, os leit es obtiveram média de ganho diário de peso (P<0,005) inferior aos que n o apresentaram o vício de suc o. Os principais fatores de risco identificados foram: peso médio ao desmame menor que 6,3kg, ausência de bebedouro específico para os leit es na maternidade, ocorrência de diarréia na primeira semana após o desmame, tipo de bebedouro usado na creche diferente daquele usado na maternidade, orienta o do eixo do prédio inadequado, presen a de sinais de sarna no lote, ausência de vazio sanitário na creche e uso da restri o alimentar logo após o desmame. Sugere-se que a corre o dos fatores de risco previna a manifesta o do vício de suc o e melhore a média de ganho diário de peso dos leit es após o desmame.
Fatores de risco associados aos problemas dos leit es na fase de creche em rebanhos da regi o Sul do Brasil
Morés N.,Sobestansky J.,Barioni Junior W.,Madec F.
Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia , 2000,
Abstract: Um experimento de pesquisa epidemiológica observacional foi realizado em 65 rebanhos da regi o Sul do Brasil, com o objetivo de identificar o conjunto de fatores de risco que melhor explicam a ocorrência de problemas com os leit es na fase de creche. Em cada rebanho acompanhou-se um lote de leit es durante as primeiras três semanas após o desmame, sendo avaliadas variáveis ligadas às instala es, à nutri o, ao manejo, ao ambiente e à saúde dos leit es. Na análise estatística dos dados foram utilizados métodos descritivos e multidimencionais. As variáveis objetivas usadas para descrever os problemas dos leit es na fase de creche foram: ganho de peso diário, coeficiente de varia o do peso dos leit es aos 21 dias após o desmame, ocorrência de diarréia no lote, taxa de mortalidade e o uso de medicamentos curativos contra diarréia. Com essas variáveis elaborou-se uma variável sintética que discriminava as granjas em três categorias: boas, intermediárias e ruins. Dentre as variáveis explicativas, foram identificados 10 fatores de risco que melhor discriminaram os rebanhos estudados quanto a ocorrência de diarréia, mortalidade e desempenho dos leit es na fase de creche. Com isso, foi possível elaborar o perfil de granjas com alta tendência de apresentarem problemas com os leit es na fase de creche. Conclui-se que em muitos rebanhos da regi o Sul do Brasil existem vários fatores de risco que favorecem a ocorrência de problemas com os leit es na fase de creche, alguns deles sendo conseqüência da fase de maternidade.
Alimenta o de leit es na creche com dietas sem aditivos antimicrobianos, com alho (Allium sativum, L.) ou colistina  [cached]
Lovatto Paulo Alberto,Oliveira Vladimir de,Hauptli Lucélia,Hauschild Luciano
Ciência Rural , 2005,
Abstract: Foi realizado um experimento para estudar o desempenho de leit es, dos 35 aos 62 dias de idade, alimentados com dietas sem aditivos, com alho ou com colistina. Noventa e seis leit es foram distribuídos em quatro tratamentos num desenho experimental de blocos inteiramente casualizados. A dieta controle (DC) n o continha aditivos anti-microbianos; as dietas dois e três foram constituídas pela DC mais 0,05% e 0,15% de alho em pó, respectivamente; a dieta quatro continha a DC mais 0,25% de sulfato de colistina. O consumo de ra o foi 16,2% maior (P<0,05) para os animais alimentados com dietas contendo colistina que aqueles que consumiram dietas contendo 0,05% de alho. N o houve diferen as entre os animais que consumiram colistina e aqueles alimentados sem aditivos ou com 0,015% de alho na dieta. O ganho de peso foi maior (P<0,05) para os animais alimentados com dietas contendo colistina. N o houve diferen a de ganho de peso entre os animais que consumiram dietas sem aditivos e contendo alho. Os animais alimentados com dietas contendo de alho tiveram convers es alimentares médias ao redor de 7% piores (P>0,05) que os animais alimentados com colistina. O uso de dietas sem anti-microbianos ou com alho para leit es na creche n o permite alcan ar os mesmos resultados que dietas contendo colistina.
Utiliza o da farinha pré-gelatinizada de milho na alimenta o de leit es na fase de creche. Digestibilidade e desempenho  [cached]
Moreira Ivan,Oliveira Gisele Cristina de,Furlan Ant?nio Cláudio,Patricio Valquiria Mayumi Ishida
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: Foram realizados dois experimentos, um de digestibilidade (Experimento I) e outro de desempenho (Experimento II). No experimento de digestibilidade, foram utilizados 16 leit es mesti os, machos castrados, desmamados aos 2l dias de idade e com 6,0kg de peso vivo inicial médio, alojados em gaiolas de metabolismo, contendo dois animais por unidade experimental. O alimento estudado foi a farinha pré-gelatinizada de milho (FPGM). Os coeficientes de digestibilidade CD da matéria seca, da proteína bruta e da energia bruta foram, respectivamente, de 89,2; 78,7 e 90,2%. Os teores de matéria seca digestível, proteína digestível, energia digestível e absor o de água foram, respectivamente, de 81,8%; 6,5%; 3682 kcal/kg e 500%. No experimento de desempenho, foram utilizados 96 leit es mesti os, sendo metade machos castrados e metade fêmeas, desmamados aos 21 dias de idade, em um delineamento em blocos casualizados, com quatro tratamentos, seis repeti es e quatro leit es por unidade experimental, conduzido para verificar os efeitos de níveis crescentes de substitui o (0; 33; 66; 100%) do milho comum pela FPGM sobre o desempenho de leit es na fase de creche (21-63 dias de idade). Concluiu-se que a FPGM substituiu o milho comum até o nível de 23,7% em ra es fareladas, compostas de milho, farelo de soja e núcleo comercial, para leit es na fase de 21 a 63 dias de idade.
Dietas para leit es em aleitamento e pós-desmame  [cached]
Ferreira Vanusa Patrícia de Araújo,Ferreira Aloízio Soares,Donzele Juarez Lopes,Albino Luiz Fernando Teixeira
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: Duzentos leit es mesti os (Landrace × Large White) foram distribuídos em delineamento em blocos ao acaso, com quatro tratamentos e cinco repeti es, com o objetivo de avaliar os efeitos de diferentes dietas sobre o desempenho e os pesos relativos e absolutos de fígado e pancreas de leit es durante os períodos de aleitamento e pós-desmame, arra oados dos 14 a 56 dias de idade. Os tratamentos consistiram de quatro dietas, as quais foram fornecidas aos animais dos 14 aos 42 dias de idade, quando ent o foram substituídas por uma dieta simples (ra o de creche). Com base nos resultados, pode-se concluir que dietas contendo fontes de proteína de alta qualidade, como leite em pó integral e farinha de peixe, sem fonte suplementar de alimentos energéticos, como soro de leite, quando fornecidas a leit es dos 14 aos 42 dias de idade, proporcionaram os mesmos resultados de desempenho de leit es desmamados aos 28 dias de idade e recebendo ra es simples à base de milho e farelo de soja.
Avalia??o nutricional de soja integral desativada e desempenho de leit?es na fase de creche
Toledo, J.B;Furlan, A.C;Moreira, I;Piano, L.M;Carvalho, P.L.O;Oliveira, G.C;
Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia , 2011, DOI: 10.1590/S0102-09352011000500021
Abstract: two experiments were carried out to determine the nutritional value and to verify the piglets performance from 6 to 15kg, fed diets with two types of disabled whole soybeans characterized by shell presence (cs) or not (ss). in the digestibility assay 15 castrated male piglets were used, with average weight of 7.36±1.71kg, housed in metabolism cages. except for gross energy (eb), no differences between treatments were observed for the dry matter digestibility, crude protein, ether extract and organic matter, and for the coefficient of metabolism of eb between the two soybeans evaluated. the values of digestible energy (de), as well the metabolizable energy (me) on fed basis for sc and ss were: 3,979 and 4,300kcal/kg, 3,768 and 4,111kcal/kg, respectively. in the performance experiment 56 weaned piglets were used, at 21 days of age with initial body weight of 6.19±0.67kg. no differences were observed in the performance variables with the inclusion of ss and sc disabled soybeans in the diets, concluding that the studied soybeans can be used for piglet diets.
DRIED WHEY AND FISH MEAL + LACTOSE IN DIETS WITH TWO PROTEIN LEVELS FOR STARTER PIGLETS SORO DE LEITE EM Pó E FARINHA DE PEIXE+LACTOSE EM RA ES COM DOIS NíVEIS DE PROTEíNA PARA LEIT ES NA FASE INICIAL  [cached]
Eurípedes Laurindo Lopes,Otto Mack Junqueira,Karina Ferreira Duarte,Rom?o da Cunha Nunes
Ciência Animal Brasileira , 2007,
Abstract: One experiment was carried out to evaluate protein sources and levels, and lactose in starter diets, for piglets weaned at 21 days of age. The animals were allotted in a completely randomized design in a factorial 2 x 2 x 2, with type of diets ( dried whey and fish meal + lactose), levels of crude protein (20 and 24%) and piglet weight at weaning (?6.0 and > 6.0kg), in a total of eight treatments and four replications with 14 piglets (7 males and 7 females) each. In the experimental conditions, it can be concluded that among the protein sources tested, the performance of 21 day-age weaned piglets fed fish meal + lactose (FG 1.81) compared was better to dried whey(FG 1.93)m. The level of 24% crude protein was more efficient, mainly in the fish meal + lactose diets (WG 8.91kg x 7.93kg). It is concluded also that the type of diets studied did not influence histologycal parameters and the villous height is a direct funcion of piglets weight. KEY-WORDS: Pancreas weight, performance, villous height. Desenvolveu-se um experimento para avaliar fontes e níveis de proteína e de lactose em ra es iniciais para leit es desmamados aos 21 dias de idade. Utilizou-se um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 2 x 2, para estudo dos tipos de dieta (soro de leite em pó e farinha de peixe+lactose), níveis de proteína bruta (20,0% e 24,0%) e pesos dos leit es ao desmame (? 6,0 e > 6,0 kg), totalizando oito tratamentos com quatro repeti es de quatorze leit es (sete machos e sete fêmeas) cada. Das fontes de proteína estudadas, o desempenho de leit es desmamados aos 21 dias de idade foi superior para ra es com farinha de peixe + lactose (CA 1,81), comparados àqueles que consumiram a ra o contendo apenas o soro de leite em pó (1,93). Para os níveis de proteína, observou-se que o índice de 24% de proteína bruta nas ra es foi mais eficiente, principalmente com a combina o farinha de peixe + lactose (GP 8,91 x 7,93kg). As dietas estudadas n o afetaram os parametros histológicos, e a altura das vilosidades é uma fun o direta do peso do leit o. PALAVRAS-CHAVES: Altura de vilosidades, desempenho, peso do pancreas.
Probiotic and antibiotics on swine feeding during nursery phase/ Uso de probiótico e de antibióticos na alimenta o de leit es em fase de creche  [cached]
Caio Abércio da Silva,Ana Maria Bridi,Raul Jorge Hernan Castro-Gomez,Carla Renata Benitez da Silva
Semina : Ciências Agrárias , 2007,
Abstract: The purpose of the experiment was to evaluate the use of two probiotic doses compared with diets formulated with two antibiotics principles (tylosin and doxicycline+gentamicin) supplied to swines during nursery phase (ages of 21 to 63 days). Forty eight swines were submitted to the following treatments: T1 (Treatment 1) - diets with 39 ppm of tylosin phosphate; T2 (Treatment 2) - diets with 1.9 x 107 UFC/100g of ration; T3 (Treatment 3) - diets with 3.8 x 107 UFC/100g of ration and T4 (Treatment 4) - diets with 13.6 ppm of doxicycline chloridrate + 8.8 ppm of gentamicin sulfate. Were evaluated the daily weight gain, the daily feed intake, the feed conversion and the diarrhea occurrence. The experimental design was done in randomized blocks, with 4 treatments and 6 replications (each replication was represented by a pen with two swines). The performance data were submitted to a variance analysis (ANOVA) and the results were compared by the Tukey-Kramer post-hoc test. To compare the occurrence of diarrhea (among 2 treatments) was used the qui square test. There were no differences between treatments for performance parameters. The T1 presented the highest occurrence of diarrhea compared to the other treatments. The best economic efficiency results were observed to T4, T3, T1 and T2, respectively. The use of probiotics or antibiotics principles, on the applied doses, determined positive results in the performance of swines during nursery phase. O experimento foi conduzido visando avaliar o uso de duas doses de probióticos comparadas com ra es medicadas com dois princípios antimicrobianos (tilosina e doxiciclina+gentamicina) para leit es em fase de creche (21 a 63 dias de idade). Foram utilizados 48 animais submetidos aos seguintes tratamentos: T1- ra o com 39 ppm de sulfato de tilosina ; T2 - ra o com 1,9 x 107 UFC/100g de ra o; T3 – ra o com 3,8 x 107 UFC/100g de ra o; e T4 – ra o com 13,6 ppm de cloridrato de doxiciclina + 8,8 ppm de sulfato de gentamicina de doxigent. Foram avaliados o ganho diário de peso, o consumo diário de ra o, a convers o alimentar e a ocorrência de diarréias. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com 4 tratamentos e 6 repeti es (cada repeti o foi representada por uma baia com 2 leit es). Os dados de desempenho foram submetidos à análise de variancia e as médias comparadas pelo teste de Tukey. Para a compara o da ocorrência de diarréia (entre dois tratamentos) foi utilizado o teste de qui-quadrado. N o foram observadas diferen as entre os tratamentos para os parametros de desempenho. Houve maior ocorrê
Dietas para Leit es nas Fases de Creche e Diferentes Idades ao Desmame
Trindade Neto Messias Alves da,Barbosa Hacy Pinto,Petelincar Izabel Marin,Schammass Eliana Aparecida
Revista Brasileira de Zootecnia , 2002,
Abstract: Oitenta leit es, metade desmamada aos 20 de idade e metade aos 25 dias de idade, com respectivos pesos: 4,55 ± 0,67 e 6,62 ± 0,92 kg, foram distribuídos em delineamento experimental de blocos casualizados em esquema fatorial, com cinco repeti es e quatro animais por unidade experimental, visando-se estudar dois tipos de dieta e duas idades de desmame e seus efeitos nas fases de crescimento e termina o. As diferentes características das dietas foram obtidas com níveis de inclus o dos ingredientes: leite em pó desnatado, a úcar e óleo de soja. N o houve intera o de dieta com idade ao desmame, e sim efeitos isolados dos fatores nas variáveis medidas. Até os 42 dias de idade, os leit es que consumiram a dieta com alta inclus o de leite em pó, a úcar e óleo tiveram melhor desempenho, enquanto o efeito da maior idade (25 dias) ao desmame influenciou apenas o ganho de peso. Dos 42 aos 63 dias de idade, a dieta com leite em pó propiciou melhor convers o alimentar e o efeito benéfico do desmame aos 25 dias de idade persistiu no ganho de peso. Os animais que consumiram dietas com altos níveis (40 e 20%) do produto lácteo nos períodos de creche atingiram os 94,1 kg em menor tempo. Em rela o aos que receberam as dietas com 10 e 0% de produto lácteo nas mesmas fases, a redu o do período foi de 5 dias na idade final à termina o. Nas fases iniciais de crescimento, a alta inclus o de leite em pó desnatado favorece o desempenho dos leit es e a idade de desmame aos 25 dias é melhor do que a idade de desmame aos 20 dias. O acumulado das diferen as no desempenho, subseqüentemente aos tratamentos aplicados nos períodos de creche, deve ser melhor avaliado na idade final do suíno ao peso de abate.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.