oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Unidades de conserva o, Legisla o ambiental e a APA Petrópolis
Julieta Laudelina de Paiva
Lex Humana , 2010,
Abstract: As unidades de conserva o s o criadas com o objetivo de manter a diversidade biológica, proteger espécies amea adas de extin o, preservar e restaurar ecossistemas naturais. A área de Prote o Ambiental da Regi o Serrana de Petrópolis – APA PETRóPOLIS, primeira APA federal, foi criada por apresentar rica biodiversidade além de ter seus atributos naturais relativamente bem conservados. A popula o residente na APA Petrópolis está submetida ao cumprimento de várias determina es legais nos três níveis administrativos.
Estratégias para a conserva o da diversidade biológica em florestas fragmentadas / Strategies for the conservation of biological diversity in fragmented forests  [cached]
Fábio Souto Almeida,Diego Silva Gomes,Jarbas Mar?al de Queiroz
Ambiência , 2011,
Abstract: Em todo o mundo, a sociedade e o poder público vêm se mobilizando para criar mecanismos que garantam a conserva o da diversidade biológica. Em rela o aos ecossistemas florestais, o desmatamento e a consequente redu o e fragmenta o do habitat s o apontados como fortes amea as à biodiversidade. Assim, este trabalho objetivou apresentar e discutir estratégias que podem ser utilizadas para a conserva o da diversidade biológica em paisagens florestais fragmentadas. No Brasil, os esfor os conservacionistas têm se concentrado na manuten o de grandes extens es de florestas em Unidades de Conserva o da Natureza e outras áreas protegidas. A recupera o de áreas degradadas, através de reflorestamentos com espécies nativas e a implanta o de corredores ecológicos, também s o a es importantes para a melhoria das condi es ecológicas e para a conserva o da diversidade biológica. Como, na realidade atual, as áreas com florestas est o inseridas em uma matriz de pastagens e áreas agrícolas, diversos autores sugerem ainda que os agricultores devam ser incluídos nos planos de conserva o da biodiversidade, principalmente através do estimulo à ado o de meios produtivos diversificados e práticas conservacionistas. Além disso, a educa o ambiental deve ser utilizada para que a popula o adquira consciência ambiental e, assim, valorize e atue na defesa dos fragmentos florestais. Todavia, apesar das estratégias utilizadas para a conserva o das espécies terem se mostrado úteis, quando aplicadas isoladamente, elas apresentam falhas. Dessa maneira, é necessário adotar metodologias que envolvam várias dessas estratégias de maneira integrada.AbstractAll over the world, society and public authorities have been joining efforts to create mechanisms that ensure biodiversity conservation. In forest ecosystems, deforestation and the consequent habitat reduction and fragmentation have been pointed out as strong threats to biodiversity. Therefore, this study aimed at presenting and discussing strategies that can be used for biodiversity conservation in fragmented forest landscapes. Conservation efforts have been focused on the maintenance of large extensions of forests in reserves and other protected areas. The restoration of degraded areas through reforestation with native species and the implementation of ecological corridors are also important actions for the improvement of ecological conditions and for biodiversity conservation. Since currently forest areas are inserted in a matrix of pastures and agricultural areas, several authors suggest that farmers should be included in
PLANEJAMENTO E EDUCA O AMBIENTAL DO ECOTURISMO NO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA DA BOCA, ARARUNA/PB  [cached]
Márcio Balbino Cavalcante,Edna Maria Furtado
Revista Brasileira de Ecoturismo , 2011,
Abstract: A ciência geográfica tem buscado novas formas de interpretar o espa o e as rela es entre sociedade e natureza que nele ocorre. Nessa perspectiva, o interesse da Geografia pelo fen meno turístico em Unidades de Conserva o desenvolveu-se de modo bastante especial e vêm alcan ando um papel diferenciado no planejamento e gest o dessas unidades territoriais. No Brasil, as Unidades de Conserva o foram criadas com o objetivo de preservar parcelas remanescentes de ecossistemas dos biomas brasileiros. A conserva o dessas unidades de conserva o depende grandemente da eficácia das estratégias adotadas. Daí a grande importancia de se planejar, testar e implementar programas de planejamento e educa o ambiental nas atividades ecoturísticas. A presente pesquisa teve objetivo desenvolver práticas participativas em planejamento e educa o ambiental no Parque Estadual da Pedra da Boca, município de Araruna – PB; o lugar configura-se como importante área para a prática do ecoturismo no Estado da Paraíba. Para a realiza o deste trabalho foram desenvolvidas as seguintes etapas: sele o de material bibliográfico; coleta de dados sobre os aspectos físicos, turísticos e socioambientais do local; acervo fotográfico; realiza o de entrevistas. As informa es e os dados obtidos permitiram observar que tais práticas ecoturísticas precisam ser pautadas no planejamento integral do espa o, levando em considera o a diversidade de componentes, sejam eles físicos ou humanos, que configuram o território. Ao término do presente trabalho, verificou-se mudan as de atitudes e de comportamentos dos turistas e moradores do entorno do Parque Estadual da Pedra da Boca, no que se refere a sua co-participa o na gest o e no planejamento do ecoturismo local, bem como na preserva o dos recursos naturais e sociais do lugar. Palavras-chave: Planejamento Ambiental; Educa o Ambiental; Unidades de Conserva o.
Qualidade da pastagem nativa obtida por diferentes métodos de amostragem e em diferentes solos na Apa do Ibirapuit , Brasil  [cached]
Silveira Vicente Celestino Pires,Vargas Adriana Ferreira da Costa,Oliveira José Otávio Rocha,Gomes Klecius Ellera
Ciência Rural , 2005,
Abstract: O estado do Rio Grande do Sul apresenta ecossistemas heterogêneos, devido ao grande número de tipos de solo e à varia o em altitude e clima, que se reflete na diversidade da composi o florística das diferentes comunidades vegetais. A área de Prote o Ambiental do Ibirapuit (APA do Ibirapuit ), é a única unidade de conserva o federal, representante do bioma campos sulinos no Brasil. O objetivo deste trabalho foi obter informa o sobre a qualidade do campo natural oriundo de três tipos de solos predominantes na APA do Ibirapuit : Basalto superficial, Basalto profundo e Arenito obtidos por três formas de amostragem: Corte de emparelhamento, Simula o de pastejo através de coleta manual e Corte total acima da fra o mantilho. Os dados foram coletados mensalmente, no período de outubro/2001 a setembro/2003. A pastagem nativa no solo de Basalto superficial apresenta forragem com qualidade nutricional superior quando comparado ao Basalto profundo e ao Arenito, comprovada pelas diferentes análises de qualidade realizadas. O método de coleta de amostras de forragem de pastagem nativa somente n o influencia os resultados da análise de Fibra em Detergente Neutro. Os resultados indicam a simula o de pastejo como um método adequado de amostragem para avalia o da qualidade da pastagem nativa, devido à sua efetividade e facilidade de coleta.
ESTRUTURA DA REGENERA O NATURAL EM FLORESTA OMBRóFILA MISTA NA FLORESTA NACIONAL DE S O FRANCISCO DE PAULA, RS
Igor da Silva Narvaes,Doádi Ant?nio Brena,Solon Jonas Longhi
Ciência Florestal , 2005,
Abstract: O presente trabalho teve por objetivo caracterizar a regenera o natural, pela análise fitossociológica, em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de S o Francisco de Paula (entre 29°23’ e 29°27’ S e 50°23’ e 50°25’ W), para fornecer subsídios à recupera o e conserva o desses ecossistemas, e descrever as possibilidades de utiliza o futura da regenera o natural. Foram amostradas 180 subunidades de 100 m2 (10 x 10 m) nas quais foram medidas a altura total (h) dos indivíduos com h 1,30 m, com circunferência mínima de 3,0 cm, até o máximo de 30,0 cm. A densidade total foi de 7.984 indivíduos/ha, pertencentes a 109 espécies, 88 gêneros e 46 famílias botanicas, além de indivíduos mortos, cipós e espécies n o identificadas, com índice de diversidade de Shannon-Weaver (H’) de 2,22. As espécies mais importantes foram Casearia decandra, Stillingia oppositifolia e Sebastiania brasiliensis. A Araucaria angustifolia apesar de ser a espécie fisionomicamente mais destacada e de maior interesse econ mico da Floresta Ombrófila Mista apresentou valores baixos em todos os parametros avaliados, necessitando a implementa o de tratamentos silviculturais e plantios de enriquecimento que beneficiem a sua regenera o.
Proposta de manejo das rodovias da REBIO Saltinho para mitiga o do impacto sobre a anurofauna de solo
Edson Victor Euclides de Andrade,Geraldo Jorge Barbosa de Moura
Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais , 2011, DOI: 10.6008/ess2179-6858.2011.002.0002
Abstract: A principal ferramenta administrativa utilizada pelo governo brasileiro para a prote o da diversidade biológica é a cria o de Unidades de Conserva o. Para protegerem seus recursos, as Unidades de Conserva o devem possuir um plano de manejo que leve em conta as peculiaridades locais para prote o dos recursos naturais. A floresta atlantica é um dos ecossistemas mais amea ados pela fragmenta o de seu território. Essa fragmenta o é intensificada pela constru o de estradas, aumentando o efeito de borda sobre os fragmentos florestais. Esse trabalho objetivou complementar o plano de manejo da Reserva Biológica Saltinho – RBS, Pernambuco, visando a mitigar o impacto que as rodovias PE-060 e PE-076 causam sobre a anurofauna de solo, baseado nos resultados obtidos em pesquisa anterior e em vários trabalhos publicados em periódicos acadêmicos. Como medida de manejo, a RBS já apresenta redutores de velocidade e placas informativas de presen a de animais silvestres, que n o foram suficientes para evitar as colis es com esses animais. Devido ao papel das rodovias como principal corredor turístico para o litoral sul do Estado, é pode n o ser viável a interrup o do fluxo de automóveis no local. Assim, sugerimos que o perímetro das rodovias seja cercado e que haja a implanta o de túneis de passagem que permitam o deslocamento de animais de porte médio, sendo a cerca, um guia para tais túneis, considerando as rotas migratórias das espécies locais. S o sugeridos sete túneis, dispostos em conformidade com o relevo local. Eles devem ter aberturas para ilumina o e estar posicionados de modo a elevarem o assoalho da rodovia, criando novos redutores de velocidade. Esses túneis devem ser monitorados para fornecer informa es sobre as espécies que os utilizam, a necessidade de enriquecimento ambiental, eficácia na redu o da mortalidade, manuten o da conectividade e persistência do fluxo gênico entre as popula es em cada lado das rodovias. O sucesso dessas passagens deve visar a prote o da diversidade biológica ocorrente na RBS em concilia o com o desenvolvimento econ mico, devido à localiza o da Reserva, minimizando o prejuízo para ambos os lados.
Ecoturismo em áreas protegidas: análise da trajetória da gest o participativa como estratégia de conserva o
Isabelle Pedreira Déjardin
Revista Nordestina de Ecoturismo , 2009, DOI: 10.6008/ess1983-8344.2009.001.0003
Abstract: O presente estudo teve por objetivo desvelar a trajetória da gest o participativa no processo de conserva o de recursos naturais, tomando-se como base conceitual o surgimento da no o de inclus o de atores locais para atingir-se os princípios gerais de preserva o de espécies e ecossistemas em nosso planeta. A partir da constru o introdutória do referido quadro teórico, demonstra-se que o surgimento do ecoturismo mundial nos anos 1980 inicia-se em meio à dinamica de inclus o de comunidades e popula es locais na orienta o de estratégias de conserva o da natureza, culminando para esta análise no ecoturismo praticado em áreas naturais protegidas. Para isso, e atendendo uma análise geral constituída em referencial teórico, s o citadas organiza es internacionais de grande porte como IUCN (International Union Conservation Nature) e UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization), cujas atua es políticas e institucionais desenvolvidas nesse sentido – sobretudo a partir da década de 1970 – foram determinantes para a instaura o de um programa organizacional único de prote o aos Patrim nios Naturais no mundo e de seus ecossistemas. Em seguida, a elabora o sistemática de prerrogativas de conserva o respaldadas nestes organismos orienta-nos paulatinamente a uma gest o participativa ou comunitária da biodiversidade, revelando-nos pertinentemente a importancia dessa dinamica adotada como estratégia mundial de conserva o, e o posterior surgimento do ecoturismo em áreas naturais protegidas. Dessa forma, em sua constru o metodológica, este trabalho comporta duas partes e uma conclus o. Na primeira se o abordam-se os principais quadros teóricos com referência à conserva o dos recursos naturais, sendo introduzido o pressuposto evolutivo de uma gest o participativa; na segunda se o, desenvolve-se a estrutura teórica do ecoturismo em nível mundial, desde os seus primórdios à preemência de um turismo sob a ótica da participa o, cujos atores sociais envolvidos passam a gerir a conserva o. Conclui-se com este estudo que o ecoturismo em áreas protegidas n o teria surgido sem as diretrizes de organismos como IUCN e UNESCO. Do mesmo modo entende-se que as dificuldades em alcan ar objetivos de conserva o s o maiores à medida em que se diminuem as chances de incluir comunidades em sua gest o.
Os filhos da lei
Neder Gizlene,Cerqueira Filho Gisálio
Revista Brasileira de Ciências Sociais , 2001,
Abstract: O artigo enfoca a história das idéias jurídicas, tendo como referência a quest o do poder e da disciplina na família, enquanto institui o-chave no leque das práticas de controle e disciplinamento social, na passagem à modernidade. Analisa principalmente o ideário jurídico-político erigido em torno dos debates ocorridos desde fins do século XVII em Portugal e na conjuntura de emancipa o política no Brasil (1822), quando se alardeou a inten o de instituir um código criminal e outro civil modernos. O trabalho contempla, primeiramente, o processo de circula o das idéias iluministas no campo do Direito, tendo em vista a rela o centro-periferia no que se refere aos lugares de produ o destas idéias. Num segundo plano, enfoca o pátrio poder e os condicionamentos ideológicos da situa o da mulher e dos filhos-família, ao lado da discuss o sobre o casamento civil, que acompanhou o processo de seculariza o e moderniza o em Portugal e no Brasil. Conclui que o atraso na modifica o do código civil no Brasil deve-se às dificuldades encontradas pelos reformadores do campo jurídico em articular as restri es que a vis o moderna de direitos da pessoa (eivada de individualismo, sob influência do código civil francês) imp s ao pátrio poder no país, que se mantinha fundado numa concep o pré-moderna e numa afetividade conservadora e clerical sobre autoridade na família.
Diversity of phytoplankton community in different urban aquatic ecosystems in metropolitan Jo o Pessoa, state of Paraíba, Brazil Diversidade da comunidade fitoplact nica em diferentes ecossistemas aquáticos urbanos da regi o metropolitana de Jo o Pessoa, PB, estado da Paraíba, Brasil  [cached]
Davi Freire da Costa,ênio Wocyli Dantas
Acta Limnologica Brasiliensia , 2011,
Abstract: AIM: The aim of the present study was to identify which environmental factors affect the seasonal phytoplankton structure in different types of tropical aquatic ecosystems. Phytoplankton sampling was performed bi-monthly from August 2009 to June 2110 at three sites in the Solon de Lucena Lake, Jaguaribe River and águas Minerais reservoir. METHODS: The environmental variables were water temperature, transparency, depth, degree of infestation of aquatic macrophytes, air temperature, wind speed, solar radiation and precipitation. The phytoplankton community was studied in terms of richness, density, diversity and evenness. The data were treated with analysis of variance and canonical correspondence analysis. RESULTS: Spatial variations in the data only occurred between ecosystems (p < 0.05). The reservoir and river exhibited typical phytoplankton of lotic environments, with a greater richness of Bacillariophyta (52.8% and 47.8%, respectively). The lake exhibited the typical richness lentic environments, with the greatest contribution from Chlorophyta (52.8%). This ecosystem was characterized by an absence of macrophytes, a low degree of water transparency (0.3 ± 0 m) and high algal density (89,903 ± 38,542 ind. mL-1), with a dominance of Aphanocapsa nubilum. In the river environment, the lesser diversity (0.64 ± 0.24 bit.ind-1 ) was associated to lesser richness (2.4 ± 0.5 spp.) and lesser evenness (0.39 ± 0.19) in comparison to the other ecosystems. The influence of macrophytes in the river and reservoir contributed toward the introduction of metaphytes and epiphytes in the phytoplankton, which was explained by the direct relationship between the density of these species and macrophytes. CONCLUSION: Thus, water transparency and macrophytes were the main factors related to fluctuations between the different aquatic ecosystems studied. OBJETIVO: Este trabalho visou identificar que fatores ambientais interferem na estrutura sazonal fitoplanct nica em diferentes tipos de ecossistemas aquáticos tropicais. Coletas do fitoplancton foram realizadas bimestralmente de agosto/2009 até junho/2010 em três pontos na lagoa Solon de Lucena, no rio Jaguaribe e no reservatório das águas Minerais. MéTODOS: As variáveis ambientais utilizadas neste estudo foram temperatura e transparência da água, profundidade, níveis de infesta o de macrófitas aquáticas, temperatura do ar, velocidade do vento, radia o solar e precipita o pluviométrica. A comunidade fitoplanct nica foi estudada em nível de riqueza, densidade, diversidade e equitatividade. Os dados foram tratados através de
GEST O INTEGRADA DO ECOTURISMO NAS UNIDADES DE CONSERVA O DO CEARá: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A SUA IMPLEMENTA O NA APA DA SERRA DE BATURITé  [cached]
Hermógenes Henrique Oliveira Nascimento,Valéria de Andrade Maia
Revista Brasileira de Ecoturismo , 2011,
Abstract: No contexto por uma nova dinamica de gest o territorial de forma estratégica e integrada com as peculiaridades e voca es locais de cada regi o, o presente estudo busca implementar e, posteriormente, consolidar atividades de ecoturismo nas Unidades de Conserva o (UC) do Ceará. Com esse cenário configurado, recortam-se na proposta em tela cinco municípios (Reden o, Pacoti, Guaramiranga, Mulungu e Aratuba) compreendidos na APA da Serra de Baturité, com intuito inicial de amostragem para embasar a viabilidade deste Programa. Dessa forma, além de planejar, estruturar, organizar e monitorar a visita o pública e atividades de ecoturismo nas UC, o projeto trazido à baila visa também associar o turismo à valoriza o e prote o do patrim nio natural das áreas envolvidas. Para tanto, justifica-se a execu o deste Projeto haja vista ser de caráter único com essa abordagem metodológica em se tratando de Ecoturismo no Estado do Ceará e pela fragilidade dos ecossistemas abrangidos, principalmente, os que s o remanescentes de Mata Atlantica exigirem precau o no planejamento e gerenciamento das atividades no território. Assim sendo, é importante destacar que a base da metodologia principal adotada para a constru o deste Programa foi a de ZOPP (do alem o Ziel Orientierte Projekt Planung - Planejamento de Projetos Orientados por Objetivos), que pauta em melhorar a comunica o e a coopera o entre os envolvidos através do planejamento participativo, de claras defini es e de foco nas diretrizes do projeto, além de criar um sistema de indicadores para o acompanhamento, avalia o e controle do programa e de sua efetividade, complementando-o com aporte da matriz de SWOT e da Análise de Conteúdo proposta por Bardin. Espera-se que o modelo dos produtos gerados possam subsidiar políticas públicas que desencadeiem o engajamento da comunidade e planos de a o locais, a fim de fortalecer o programa de gest o integrada do ecoturismo e de visita o pública para a sua real efetiva o no Sistema Nacional de Unidades de Conserva o. Logo, esse trabalho fomenta o desenvolvimento do ecoturismo utilizando os recursos naturais e culturais da regi o contemplada pelos projetos, como diferencial competitivo e estratégico, estimulando o desenvolvimento econ mico duradouro e a preserva o permanente da biodiversidade regional. Palavras-chave: Gest o Integrada; Ecoturismo; Unidades de Conserva o.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.