oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Comportamento do pessegueiro 'dourad o' em Itupeva  [cached]
Barbosa Wilson,Ojima Mário,Dall' Orto Fernando Antonio Campo
Scientia Agricola , 1999,
Abstract: Plantas do novo cultivar Dourad o, observadas em Itupeva, SP (23o05'S), sob espa amento de 6 x 4m, apresentaram vigor médio e crescimento compacto. Com seis anos, suas copas atingiram volume de l3,4m3 em troncos de 437cm2 de área de sec o transversal. Os ramos produtivos desenvolveram 67 folhas de 43cm2 por metro de ramo (m.r.) e 2,24 gemas.nó-1, sendo l,58 reprodutivas. As plantas floresceram entre 1 e 10 de julho, exibindo 65 flores rosáceas e auto-férteis.m.r.-1, 4l,3 anteras.flor1 e 1345 gr os de pólen.antera-1, com 58% de germina o in vitro. A frutifica o efetiva foi de 44,9%, apresentando 18,1 e 8,2 frutos.m.r-1., antes e após o raleio respectivamente. Os frutos amadureceram no segundo decêndio de outubro, concomitante ao 'Aurora-1, e após 25 dias ao 'Flordaprince'. A produ o de 23, 48, 60 e 65 kg.planta-1, no 3o, 4o, 5o e 6o ano de cultivo foi equivalente a 9,6; 20; 25 e 27,1 ton.ha-1 respectivamente. As plantas de Dourad o produziram, em média, frutos bem grandes, 160g e 6cm de diametro transversal, globoso-oblongos, atraentes e de colora o externa até 90% vermelha estriada, sobre fundo amarelo-claro. A polpa amarela mostrou-se espessa, firme, fibrosa, medianamente suculenta e sem aderência ao caro o, grande (6,5g), bem corrugado e levemente avermelhado. A firmeza da polpa correspondeu a 15 e 7 libras de press o, na época da colheita e consumo respectivamente. O sabor doce-acidulado apresentou-se bem equilibrado e agradável, com 16oBrix e pH 4,5. Numa avalia o geral, quanto ao desenvolvimento vegetativo e reprodutivo e à sanidade, o pessegueiro 'Dourad o' apresentou índices agron micos pouco inferiores às testemunhas 'Aurora-1' e 'Flordaprince', porém n o comprometendo a produtividade nem a qualidade do produto final.
Caracteriza o de cultivares de pessegueiro e de nectarineira por marcadores moleculares
Lima Marli Rocha,Augustin Eliane,Choer Eva,Raseira Maria do Carmo Bassols
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2003,
Abstract: Em espécies de estreita base genética, como o pessegueiro e a nectarineira (Prunus persica (L.) Batsch), a utiliza o de marcadores moleculares para a caracteriza o de cultivares é de grande importancia, além do potencial de uso para fins de prote o. As técnicas de eletroforese em gel e RAPD foram empregadas com o objetivo de caracterizar as cultivares de pessegueiro Granada, Esmeralda, Jade, Eldorado, Riograndense, Capdeboscq, Aldrighi, Precocinho, Diamante, Turmalina, Maciel, BR-1, Pepita, Coral, Chinoca, Marfim, Chiripá, Della Nona e Planalto, e as de nectarineira Dulce e Anita. Foram analisadas isoenzimas de 6-fosfogluconato desidrogenase e fosfatase ácida em pólen, peroxidase, fosfoglucoisomerase, aspartato transaminase e isocitrato desidrogenase em folhas, e malato desidrogenase, leucina aminopeptidase e fosfoglucomutase em pólen e folhas. Dos 50 primers testados, 11 foram escolhidos para análise de RAPD em folhas. As análises de similaridade e de agrupamento entre os genótipos foram feitas empregando-se o coeficiente de Jaccard e o método da média aritmética n o ponderada. Apesar das diferen as detectadas nas isoenzimas de malato desidrogenase em pólen e folhas de pessegueiro e nectarineira, o baixo polimorfismo apresentado pelos demais sistemas n o permitiu a caracteriza o de todas as cultivares por essa técnica. Os marcadores RAPD, associados ou n o à eletroforese de isoenzimas, foram eficientes para caracterizar as cultivares de pessegueiro e nectarineira.
Comportamento do pessegueiro 'dourad?o' em Itupeva
Barbosa, Wilson;Ojima, Mário;Dall' Orto, Fernando Antonio Campo;
Scientia Agricola , 1999, DOI: 10.1590/S0103-90161999000500030
Abstract: the 'dourad?o' peach trees evaluated in itupeva, sp, brazil (23o05's), at 6 x 4m spacing presented medium vigor, compact growth, and short branches with 2.24 buds per node, being 1.58 reproductive. after six years of development the peach trees reached 13.4 m3 canopy volume, 437 cm2 trunk cross-sectional area 43cm2 leaf area, and 67 leafs per branch meter. the blooming occured in early-july, with 65 self-fertile flowers per shoot meter, 41.3 anthers per flower, 1,345 grains of pollen per anther, and 55,548 per flower, with an in vitro germination of 58%. the fruit-set was about 45%, with 18.1 fruits per shoot meter. the average yield was good, with 23, 48, 60 and 65 kg per tree in the 3rd, 4th, 5th and 6th years, equivalent to 9.6, 20, 25 and 27.1 ton.ha-1, respectively. the fruits ripened between october 10 and october 25, with 105 days between full bloom and harvest. 'dourad?o' peach trees produced extra-large fruits (160 g), globose-oblong, attractive, with external colour until 90% red (over yellow) and had medium pubescence. the flesh was yellow, firm, freestone, with a pleasant and well balanced taste: obrix 16 and ph 4.5. the fruit quality of 'dourad?o' is considered excellent for fresh market since it has a good post-harvest conservation.
Identifica o de marcadores RAPD ligados a um gene de resistência ao cancro da haste da soja  [cached]
CARVALHO GERALDO A.,SEDIYAMA TUNEO,MARIN ANA LILIA ALZATE,BARROS EVERALDO G.
Fitopatologia Brasileira , 2002,
Abstract: O cancro da haste da soja (Glycine max) é uma importante doen a causada pelo fungo Diaporthe phaseolorum f. sp. meridionalis/Phomopsis phaseoli f. sp. meridionalis. Visando identificar marcadores RAPD associados a genes de resistência ao cancro da haste, causado pelo isolado CH8, presentes na linhagem UFV 91-61, foi realizado, inicialmente, um estudo sobre a heran a da resistência, por meio do cruzamento desta linhagem com a variedade suscetível Paranaíba. Os resultados indicaram que um gene dominante controla a resistência a este isolado. Através de análises com marcadores moleculares na popula o F2 foram identificados dois marcadores RAPD produzidos pela amplifica o do primer OPAB19. Os dois fragmentos de DNA de aproximadamente 1.150 e 1.320 pb produzidos por este primer est o ligadas em fases de repuls o e acoplamento, respectivamente, a uma distancia de 4,7 cM do gene de resistência da linhagem UFV 91-61. Estes marcadores poder o ser usados para monitorar a introgress o deste gene em cultivares de soja adaptados e abre a possibilidade de uma sistemática procura de marcadores ligados a outros genes de resistência para o cancro da haste da soja, os quais poderiam ser posteriormente piramidados num único background genético.
Caracteriza o e identifica o de cultivares e sele es de pereiras através de marcadores RAPD  [cached]
SAWAZAKI HAIKO ENOK,BARBOSA WILSON,COLOMBO CARLOS AUGUSTO
Revista Brasileira de Fruticultura , 2002,
Abstract: Trinta e seis acessos de pereira representando diversas espécies, híbridos e sele es do banco de germoplasma do Instituto Agron mico (IAC) foram geneticamente caracterizados através de marcadores RAPD. Cada primer originou de 10 a 19 bandas, sendo que 26 deles forneceram 250 bandas polimórficas, de um total de 353. Os primers OPC02, OPC08, OPD02, OPD19, OPD20 e OPE06 revelaram bandas específicas para as peras orientais e OPA01, OPA11, OPC08, OPD04, OPD09 e OPD15 para as ocidentais. O dendograma obtido foi confirmado pela análise de coordenada principal, originando três principais agrupamentos: 1) Todas as pereiras lan adas pelo IAC, como 'Seleta', 'Triunfo', 'Primorosa', 'Tenra', IAC 16-41, 'Centenária', além de 'William's', 'Packham's Triumph', 'D'água', 'Hood', 'M. Sieboldt', 'Kieffer','Branca Francesa' e 'Schimidt'. 2) As pereiras asiáticas, como 'Okusankichi', 'Shinseiki', 'Atago', 'Hakko', 'Hosui', 'Nijiseiki', 'Kosui' e 'Ya-li', além de 'Nodji', 'Limeira' e todas as sele es IAC das séries 193; 293 e 393. 3) Todas as pereiras porta-enxertos da série Taiwan (P. calleryana D.), além de 'Manshu Mamenashi' (P. betulaefolia B.). Evidenciou-se que os cultivares IAC possuem maior proximidade genética com as peras ocidentais (Pyrus communis L.), mesmo sendo descendentes de 'Hood', material suspeito de ser híbrido interespecífico entre P. communis e P. serotina R.. Os resultados ratificaram a importancia dos marcadores RAPD para a identifica o de cultivares, sele es e híbridos pertencentes aos diferentes grupos botanicos, mostrando ser ferramenta de apoio adequada a programas de melhoramento genético de fruteiras.
Heran a da resistência à mancha-angular do feijoeiro e identifica o de marcadores moleculares flanqueando o loco de resistência  [cached]
CORRêA RONAN X.,GOOD-GOD PEDRO I.V.,OLIVEIRA MARIA L.P.,NIETSCHE SILVIA
Fitopatologia Brasileira , 2001,
Abstract: A mancha-angular, cujo agente causal é o fungo Phaeoisariopsis griseola, é uma das principais doen as do feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris). Os marcadores moleculares disponíveis ainda n o s o suficientes para monitorar todos os genes de resistência a essa doen a. Por isso, objetivou-se neste trabalho estudar a heran a da resistência aos patótipos 63.39 e 31.23 de P. griseola, em popula es derivadas de 'Ouro Negro' (ON) e 'US Pinto 111' (PT), e identificar marcadores moleculares ligados a genes de resistência presentes nessas cultivares. Quando inoculadas com o patótipo 63.39, as plantas ON, F1 (ON x PT) e 3/4 da popula o F2 mostraram-se resistentes enquanto que PT e 1/4 da popula o F2 foram suscetíveis. Quando inoculadas com o patótipo 31.23, as plantas PT e 1/4 das famílias F2:3 foram resistentes e todas as demais, suscetíveis. Esses dados indicam que a resistência proveniente de ON é conferida por um gene dominante enquanto que a de PT, por um recessivo. Esses dois genes segregaram independentemente. Amostras de DNA das plantas F2 foram amplificadas pela técnica de RAPD (random amplified polymorphic DNA) de acordo com a estratégia de análise de bulks segregantes. Foram identificados os marcadores OPM02(460C) e OPAA19(600C,) respectivamente a 5,3 e 10 centimorgans (cM) do loco de resistência proveniente de ON. Eles flanqueiam este loco e, quando empregados simultaneamente, proporcionam uma eficiência de sele o de 97,4%. N o foram identificados marcadores para o loco de resistência proveniente de PT.
Propaga o vegetativa do pessegueiro por alporquia  [cached]
Castro Luis Ant?nio Suita de,Silveira Carlos Augusto Posser
Revista Brasileira de Fruticultura , 2003,
Abstract: A produ o de mudas de frutíferas perenes está baseada na multiplica o vegetativa por manter as características da planta de origem. No pessegueiro, as mudas s o obtidas por enxertia de gema ativa. Como n o existem relatos de utiliza o da alporquia na multiplica o do pessegueiro, este trabalho teve como objetivo avaliar sua eficiência na propaga o desta frutífera. O experimento foi realizado na Embrapa Clima Temperado, Pelotas-RS, nos meses de junho a setembro de 2001 com as cultivares Chirua e Maciel. A alporquia foi realizada em quatro épocas. As plantas, na época I (06-06), apresentavam-se dormentes. Nas demais épocas, apresentavam flores no estádio de bal o ou abertas (épocas II e III - 26-06 e 16-07), enquanto, na época IV (08-08), possuíam brota es e frutos em desenvolvimento. Foi retirado um anel entre 1,0 e 1,5 centímetro de largura da casca de cada ramo com um canivete de enxertia. Em cada ferimento, foram colocadas quatro gotas do ácido indolbutírico (3000 mg.L-1). Houve 100% de enraizamento. Em todos os ramos das duas cultivares, ocorreu a forma o de raízes vigorosas e em grande número. Nas alporquias realizadas na época I, as raízes apresentaram maior ramifica o. Os resultados foram satisfatórios, indicando que o método pode ser utilizado com sucesso no pessegueiro, principalmente em trabalhos de pesquisa que necessitem de um pequeno número de plantas idênticas geneticamente.
Identifica o de plantulas zigóticas de trifoliata com o uso de marcadores moleculares RAPD
Sch?fer Gilmar,Bastianel Marinês,Dornelles Ana Lúcia Cunha
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2004,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi identificar a freqüência de germina o dos embri es zigóticos de sementes de trifoliata [Poncirus trifoliata (L.) Raf.] oriundas de poliniza o aberta, com o uso de marcador molecular RAPD. Folhas e sementes de trifoliata foram coletadas de cinco viveiros comerciais e de uma cole o experimental de citros. Essas sementes foram colocadas para germinar em tubetes e casa de vegeta o, totalizando uma amostra final de 62 plantulas. Foram utilizadas nove seqüências inicializadoras e os resultados foram analisados a partir da compara o dos padr es das bandas geradas pelas plantas germinadas com os da planta matriz. Identificaram-se 3,23% de plantulas oriundas da germina o do embri o zigótico, valor que é aceitável na propaga o por sementes deste porta-enxerto cítrico.
Sensory profile of 'Dourad?o' peaches cold stored under controlled atmosphere
Santana, Ligia Regina Radomille de;Benedetti, Benedito Carlos;Sigrist, José Maria Monteiro;
Ciência e Tecnologia de Alimentos , 2011, DOI: 10.1590/S0101-20612011000100037
Abstract: the sensory quality of 'dourad?o' peaches cold stored in three different conditions of controlled atmosphere (ca1, ca2, ca3 and control) was studied. after 14, 21 and 28 days of cold storage, samples were withdrawn from ca and kept for 4 days in ambient air for ripening. the sensory profile of the peaches and the descriptive terminology were developed by methodology based on the quantitative descriptive analysis (qda). the panelists consensually defined the sensory descriptors, their respective reference materials and the descriptive evaluation ballot. fourteen panelists were selected based on their discrimination capacity and reproducibility. seven descriptors were generated showing similarities and differences between samples. the data were analyzed by anova, tukey test and principal component analysis (pca). results showed significant differences in the sensory profiles of the peaches. the pca showed that ca2 and ca3 treatments were more characterized by the fresh peach flavor, fresh peach appearance, juiciness and flesh firmness, and were effective in keeping the good quality of the 'dourad?o' peaches during the 28 days of cold storage. the control and ca1 treatments were characterized by the mealiness and were ineffective for quality maintenance of the fruits during cold storage.
Diversidade genética em cultivares locais e comerciais de feij o baseada em marcadores RAPD
Emygdio Beatriz Marti,Antunes Irajá Ferreira,Nedel Jorge Luiz,Choer Eva
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2003,
Abstract: O objetivo deste trabalho foi caracterizar a diversidade genética dentro e entre cultivares locais e comerciais de feij o, por meio de marcadores RAPD, e avaliar a capacidade destes em agrupar genótipos de feij o de acordo com o centro de domestica o e colora o de semente. Foram avaliadas 35 cultivares, 13 comerciais e 22 locais, de diversas regi es do Rio Grande do Sul. As distancias genéticas foram obtidas pelo complemento do coeficiente de similaridade de Sorensen-Dice e a representa o simplificada destas distancias realizada mediante um dendrograma. Marcadores RAPD foram eficientes ao agrupar cultivares de acordo com o centro de domestica o, mas n o foram capazes de separar as cultivares de acordo com a colora o da semente. Cultivares locais e comerciais, mesoamericanas, foram agrupadas separadamente. Cultivares comerciais, em cultivo no Rio Grande do Sul apresentam alto grau de similaridade.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.