oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
A biblioteca alem? de Jo?o Guimar?es Rosa
Bonomo, Daniel R;
Pandaemonium Germanicum , 2010, DOI: 10.1590/S1982-88372010000200008
Abstract: this article results from a research carried out between april and june of 2010 in the instituto de estudos brasileiros at the universidade de s?o paulo, in which a complete list of titles related to the german language and culture was collected from jo?o guimar?es rosa's personal library. alongside a description of the procedures taken, we offer a comment on some of the most important aspects of the material analysed, including its recurrent themes and features, such as the marginalia found in volumes by authors like nietzsche, kafka and erich auerbach, as well as on the general context of guimar?es rosa's german readings. we intend to contribute to the studies of guimar?es rosa's literary sources, and also to throw light on an object that may be of future interest within the german studies in brazil.
The Paradigm at the Crossroads in the Middle of the Whirlwind: Arnold Schoenberg, Jo o Guimar es Rosa, and the Animating Faust
Christopher T. Lewis
Ellipsis , 2011,
Abstract: In the poem Dichtung und Wahrheit, Anthony Hecht explores the limits of representative art in the attempt to transcend the dichotomy between life and fixture, citing the need for a “Faust” to animate representation. Through the prism of cyberneticist Gregory Bateson’s theories on advanced levels of learning and controlling paradigm shifts, this article explores how the Austrian composer Arnold Schoenberg and the Brazilian writer Jo o Guimar es Rosa both exemplify Hecht’s concept of an animating Faust. It juxtaposes Schoenberg’s twelve-tone method with Guimar es Rosa’s transrealism in their respective contexts, culminating in a comparison of the latter’s novel Grande sert o: veredas with the former’s opera Moses und Aron in order to show how they break out of the paradigms of their respective periods, transporting the reader/ listener to the unknowable place that Guimar es Rosa called the “third bank of the river.”
As representa??es da malária na obra de Jo?o Guimar?es Rosa
Lacerda-Queiroz, Norinne;Queiroz Sobrinho, Ant?nio;Teixeira, Ant?nio Lúcio;
História, Ciências, Saúde-Manguinhos , 2012, DOI: 10.1590/S0104-59702012000200007
Abstract: the article discusses the historical, scientific and literary aspects of malaria, with an emphasis on images of the disease in the work of the writer jo?o guimar?es rosa. the main reference for this study is the short story "sarapalha," which is featured in the book entitled sagarana. the author's medical training together with his experiences in the hinterlands of the country is the subject matter for the work, with stories of the harsh reality of life in the outback. a highlight of the story is the narrative of malaria in the language of the outback, though with absolute medical and scientific precision.
Veredinhas da infancia em “Presepe”, de Jo o Guimar es Rosa  [cached]
Regina da Costa da Silveira
Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano , 2005,
Abstract: O ensaio analisa e interpreta o conto “Presepe”, do livro Tutaméia, de Jo o Guimar es Rosa, examinando o cerimonial empreendido por Tio Bola, oitenta anos, numa noite de Natal. Como apoio crítico-teórico conta-se com o texto “Os atos obsessivos e as práticas religiosas”, na qual Sigmund Freud investiga a situa o em que o indivíduo devoto desenvolve o cerimonial religioso sem indagar o seu significado ou nem mesmo conhecer o sentido simbólico dos ritos. Da mesma forma como os heróis antigos empreendem suas aventuras, Tio Bola p e-se à luta, no caso, contra sua própria solid o, ao criar a representa o de um presépio numa estrebaria enquanto “todos” foram à vila para a missa do galo. Nesse empenho, o herói rosiano deixa entrever a regress o aos estágios infantis, ao mesmo tempo em que, como anci o, reatualiza o saber ancestral do inconsciente coletivo. A fragmenta o da ordem na aparente totalidade que a família representa e a subvers o de alguns rituais do cerimonial religioso s o fatos que se somam no itinerário desse herói para anunciar que a vida ainda se agita no fragmento, que é sempre matéria vertente, abrindo espa o para o sonho e para a cria o.
Nuvens invisíveis. A poética da latência e da nuance no conto “Nenhum, Nenhuma” de Jo o Guimar es Rosa
Marília Librandi-Rocha
Ellipsis , 2011,
Abstract: Este texto prop e os conceitos “latência” e “nuance” para descrever o efeito de suspens o criado pela fic o de Jo o Guimar es Rosa. No primeiro momento, definem-se os termos “latência” e “nuance” em rela o à imagem das nuvens. Como matéria em suspenso sempre mutável, é impossível inscrever o movimento das nuvens em uma forma fixa, a n o ser que se crie uma escrita latente, apta a captar a nuance das formas em morfose. Em seguida, analisa-se o conto “Nenhum, Nenhuma”, de Primeiras Estórias (1962), como uma pequena obra-prima da latência, mostrando que passado, presente e futuro se materializam simultaneamente na imagem enigmática que se busca entender: “nuvens s o para n o serem vistas;” imagem que parece delinear o inconsciente de uma sensibilidade estética pós-1945.
Morte e dialogo  [cached]
Ranabir Samaddar
Scienza & Politica : per una Storia delle Dottrine , 2008, DOI: 10.6092/issn.1825-9618/2745
Abstract: Morte e dialogo
Morte, de Giovanni Casertano
Markus Figueira da Silva
Princípios : Revista de Filosofia , 2004,
Abstract: Resenha do livro "Morte", de Giovanni Casertano.
Magma : as origens de Guimar es Rosa  [cached]
Luiz Cláudio Vieira de Oliveira
Caligrama : Revista de Estudos Romanicos , 2000,
Abstract: Resumo: Leitura de Magma, de Guimar es Rosa, com o objetivo de indicar a presen a de temas, fragmentos, personagens, express es e recursos estilísticos ali existentes, em outros textos do autor, cronologicamente posteriores. Palavras-chave: Literatura brasileira; Guimar es Rosa; Magma. Résumé: Lecture de Magma, de Guimar es Rosa, ayant l’objectif de montrer la présence de quelques sujets, fragments, personnages, expressions et traits stylistiques, que y sont présents, et aussi dans autres textes du même auteur, chronologiquement postérieurs. Mots-clés: Littérature brésilienne; Guimar es Rosa; Magma. Keywords: Brazilian literature; Guimar es Rosa; Magma.
Luto e Sociedade no Brasil do final do século XX. O imaginário sobre a morte e o morrer, a dor e a perda na cidade de Jo o Pessoa, PB
Mauro Guilherme Pinheiro Koury
Revista Latinoamericana de Estudios Sobre Cuerpos, Emociones y Sociedad (RELACES) , 2011,
Abstract: Este artigo tem por objetivo a compreens o das apreens es imaginárias sobre as no es de perda, e de dor, da morte e do morrer entre os habitantes da cidade de Jo o Pessoa, capital do estado brasileiro da Paraíba. O que se espera é a apreens o das formas societárias contidas no imaginário dos informantes sobre o processo de morte e o processo de perda enquanto significados socialmente esperados de conduta e de valores frente a esses processos.
Mata Cavalo: o negro e a identidade quilombola no mundo globalizado
Silvanio Paulo de Barcelos
Revista Espa?o Acadêmico , 2010,
Abstract: Este artigo discorre sobre quest es de africanidade, negritude e os processos de manuten o da identidade quilombola na comunidade do Quilombo Mata Cavalo localizadas no município de Livramento - MT. Assentados naquela localidade a mais de cento e vinte anos os descendentes dos escravos que herdaram essa área de terra resistem, ainda hoje, à press o dos fazendeiros daquela regi o pela disputa em torno da sua posse. Esta singular identidade possibilita pelas vias jurídicas a legitima o da propriedade das terras em litígio ao mesmo tempo em que coloca esses atores históricos no centro da convergência de seus próprios valores étnicos e culturais. Ao admitirem-se negros e ao mesmo tempo quilombolas assumem, numa certa medida, o controle de suas próprias vidas. Em pleno século XXI os integrantes dessa comunidade tradicional lutam pela preserva o de uma memória afro-referenciada enquanto sonham conquistar seu espa o primordial, um espa o de negro, numa sociedade marcada por interesses difusos e pelo estigma da globaliza o.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.