oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
A industrializa o no Rio Grande do Sul nas primeiras décadas da República: a organiza o da produ o e as condi es de trabalho (1889-1920)
Evangelia Aravanis
Revista Mundos do Trabalho , 2010, DOI: 10.5007/1984-9222.2010v2n3p148
Abstract: http://dx.doi.org/10.5007/1984-9222.2010v2n3p148 Este artigo visa contribuir para o estudo das condi es de trabalho e da organiza o da produ o fabril existentes no Rio Grande do Sul nas primeiras décadas da República (1889 a 1920). Especificamente, busca evidenciar as causas de acidentes de trabalho, as condi es de higiene existentes, o poder aquisitivo dos salários dos operários e a divis o sexual do trabalho em vigor nas fábricas, bem como averiguar como todos esses elementos repercutiram sobre o corpo do operário.
Identidade coletiva e política na trajetória de organiza o das trabalhadoras rurais de Minas Gerais: para uma psicologia política das a es coletivas (  [cached]
Marco Aurélio Máximo Prado,Carmella de Paula Ferreira Campici,Sara Deolinda Pimenta
Psicologia em Revista , 2004,
Abstract: O texto apresenta um estudo da organiza o das trabalhadoras ruraisde Minas Gerais, focando sua análise nas práticas e nos discursosgrupais que colaboraram no processo de constitui o da identidadepolítica do grupo, cujo ápice se deu na organiza o da Comiss oEstadual de Mulheres Trabalhadoras Rurais. Com os dadoscoletados nos documentos históricos, nas entrevistas individuaissemi-estruturadas e no diário de campo, procedeu-se uma análisede conteúdo com base em duas categorias, a saber: estratégias demobiliza o e processo de conscientiza o. Os resultados revelamque a identidade política configura-se, assim, como aquele elementoque, ao mesmo tempo, é possibilitado e constituído no interiordo processo mobilizatório e revela-se como elemento mediador daconsistência interventiva dos grupos envolvidos na luta, e, nessamedida, promove transforma es subjetivas e objetivas tanto emindivíduos particulares como nas diversas esferas da vida cotidiana.
CRM NAS ORGANIZA ES  [cached]
Christiane de Miranda e Silva Correia,Flávio Zola Santiago,José Roberto Domingues,Juliano Franco e Silva Amaral
Revista PRETEXTO , 2005,
Abstract: Frente às for as impostas pela globaliza o, Internet e evolu o tecnológica, aliadas a uma era de descontinuidade, tem-se como resultado um novo tipo de consumidor, mais questionador e exigente, que as organiza es têm de conquistar, de forma a atingir sua fideliza o. Várias s o as empresas que trabalham para conhecer melhor os seus clientes, operando mudan as das culturais organizacionais, que passam a ter o foco nas necessidades do seu público. Nesse contexto, muitas organiza es implementam o CRM (Customer relationship management), objetivando maior integra o com os clientes, através da coleta de informa es sobre as atividades e necessidades destes, para entender o seu comportamento, obter sua satisfa o e, conseqüentemente, sua reten o. Este trabalho pretende esclarecer a experiência do CRM e de sua implanta o no ambito internacional e nacional. Verificou-se forte tendência n o apenas mundial, mas também das organiza es brasileiras, à implementa o do CRM. Uma das exigências fundamentais para sua implementa o de sucesso é o completo entendimento dessa filosofia de trabalho e sua absor o pela cultura da organiza o. Outro aspecto relevante é a contribui o do suporte eletr nico (softwares) na integra o entre as vendas, o marketing e as fun es de apoio ao cliente.
Tens es entre o local e o global: ruralidades contemporaneas e docência em escolas rurais  [cached]
Elizeu Clementino de Souza,Ana Sueli Teixeira de Pinho,Mariana Martins de Meireles
Educa??o : Revista do Centro de Educa??o UFSM , 2012, DOI: 10.5902/198464444128
Abstract: http://dx.doi.org/10.5902/198464444128 O artigo objetiva investigar possíveis tens es entre o local e o global no contexto das ruralidades contemporaneas, enfatizando os tempos, ritmos e espa os construídos a partir das vivências de professores e alunos na organiza o das rotinas das escolas rurais. O texto apresenta considera es teórico-empíricas resultantes de duas pesquisas no ambito do Programa de Pós-Gradua o em Educa o e Contemporaneidade - PPGEduC/UNEB. O recorte e a análise empreendidos centram-se na educa o desenvolvida em espa os rurais e nas tens es presentes nesse contexto, tendo em vista, problematizar quest es concernentes as novas ruralidades contemporaneas. Para tanto, discute sobre tempos e ritmos em classes multisseriadas, em escolas da Ilha de Maré e sobre as trajetórias de professores de Geografia urbanas que exercem a docência em espa os rurais. As pesquisas desenvolvem-se através de uma abordagem qualitativa. Para tanto, utilizam as histórias de vida como abordagem metodológica, recorrendo--se as entrevistas narrativas como dispositivo metodológico para apreens o de dados empíricos. As pesquisas realizadas até aqui têm apontado as dificuldades enfrentadas pela escola rural em considerar as diferentes temporalidades existentes no espa o rural e na sala de aula e isto cria tens es para o trabalho docente, uma vez que torna complexa a articula o entre os tempos instituídos, padronizados e rígidos, com os tempos pessoais dos alunos e professores, considerando aí aspectos como faixa etária, experiências sociais e culturais.
Processos educativos e organiza o de formas cooperativas de produ o em assentamentos rurais do MST
Maria Ant?nia de Souza,Samira Kauchakje,Luís Marcelo Alves Ramos
ETD : Educa??o Temática Digital , 2002,
Abstract: Este artigo tem por objetivos caracterizar as formas de coopera o agrícola desenvolvidas nos assentamentos organizados pelo MST tendo como fonte relatórios produzidos pelo movimento e, a partir destes dados, destacar suas estratégias e suas dimens es educacionais. This article is have objetive to characterize the forms to agricultural cooperative society developing in MST base organization, to support informations developing by MST, to be detached yours strategics and educational dimension. Keywords Organiza o --- Cooperativismo e associativismo --- Organization --- Co-operative society and association society
Gest o Ambiental nas Organiza es Humanas  [cached]
Angela Reibas,Denise Aparecida da Silva,Jefferson de Queiroz Crispim,José Carlos de Jesus Lopes
Contextus , 2003,
Abstract: Este artigo pretende abordar os conceitos e aplicabilidade da Gest o Ambiental nas Organiza es Humanas. Parte de algumas premissas teóricas de interdisciplinaridade que fundamentam as ciências da administra o, da economia e da pedagogia humana nas empresas, que possibilitam a a o eficaz na rede sistêmica da vida organizacional. Sabe-se, que a constru o do conhecimento organizacional fundamenta-se na própria reconstru o do conhecimento, onde a interdisciplinaridade das Ciências Naturais e Socais é condi o “sine qua mon”, para que este entendimento se fortale a, quando dirigida para a aplicabilidade coletiva das vidas das empresas. Ser o analisados os aspectos relacionados com origem do movimento capitalista, as estratégias de organiza o e a rela o com a natureza, bem como a organiza o social e reconstru o das rela es sócias entre empresas, sociedade e mercado.
A teoria do caos e as organiza es
Peixoto de Paiva, Wagner
Técnica Administrativa , 2003,
Abstract: Introdu o à Teoria do Caos, teoria que está particularmente interessada em explicar como as diversas categorias e seus componentes mudam ao longo do tempo, e em compreender os fen menos turbulentos dos sistemas. Contem modelos matemáticos usados para detectar a presen a do Caos e distingui-lo de um comportamento puramente aleatório. Se relaciona a teoria às organiza es.
BREVES CONSIDERA ES SOBRE ORGANIZA ES N O GOVERNAMENTAIS  [cached]
Eduardo Karol
Revista Tamoios , 2005,
Abstract: As organiza es n o governamentais aparecem atualmente como um agente social capaz de atuar e resolver quest es seculares pouco solucionadas pelo Estado. Trata-se de um contexto social e político baseado nas referências ideológicas dos limites do papel do Estado e sua dificuldade na formula o de novas propostas. Estas propostas s o vistas como produtos mais realizáveis dada a capacidade fluida e criativa dos agentes sociais. Busca-se aqui analisar a gênese, as características gerais das ONGs e sua rela o com a realidade brasileira. Palavras-chave: Organiza es n o governamentais, Estado moderno, participa o, representa o social.
Organiza es Familiares e Intensivas em Conhecimento: Dilemas e
Eduardo Davel,Diane Gabrielle Tremblay
Revista Gest?o & Tecnologia , 2010,
Abstract: Tanto os estudos sobre organiza es familiares quanto aqueles sobre as organiza es intensivas em conhecimento evoluem e contribuem para o avan o dos estudos organizacionais. Mesmo se esses dois contextos organizacionais sugerem dinamicas socioculturais similares, foram explorados separadamente pela literatura organizacional. Esta pesquisa desenvolve um esquema conceitual que integra esses dois contextos e prop e a no o de organiza o familiar intensiva em conhecimento. Para este fim, as singularidades das organiza es familiares e das organiza es intensivas em conhecimento s o ressaltadas. O principal resultado desta pesquisa consiste no entendimento da dinamica sociocultural das organiza es familiares intensivas em conhecimento e da sua capacidade em fornecer subsídios para se repensarem determinadas dimens es-chaves da teoria organizacional que seencontram cada vez mais exacerbadas frente a uma sociabilidade familiar em transforma o.
Organiza es Familiares e Intensivas em Conhecimento: Dilemas e
Eduardo Davel,Diane Gabrielle Tremblay
Revista Gest?o & Tecnologia , 2004,
Abstract: Tanto os estudos sobre organiza es familiares quanto aqueles sobre as organiza es intensivas em conhecimento evoluem e contribuem para o avan o dos estudos organizacionais. Mesmo se esses dois contextos organizacionais sugerem dinamicas socioculturais similares, foram explorados separadamente pela literatura organizacional. Esta pesquisa desenvolve um esquema conceitual que integra esses dois contextos e prop e a no o de organiza o familiar intensiva em conhecimento. Para este fim, as singularidades das organiza es familiares e das organiza es intensivas em conhecimento s o ressaltadas. O principal resultado desta pesquisa consiste no entendimento da dinamica sociocultural das organiza es familiares intensivas em conhecimento e da sua capacidade em fornecer subsídios para se repensarem determinadas dimens es-chaves da teoria organizacional que seencontram cada vez mais exacerbadas frente a uma sociabilidade familiar em transforma o.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.