oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Efeito da idade sobre a qualidade de vida e saúde dos catadores de materiais recicláveis de uma associa??o em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil
Almeida,Jane Rabelo; Elias,Elcinéia Tavares; Magalh?es,Marcos Alves de; Vieira,Ant?nio José Dias;
Ciência & Saúde Coletiva , 2009, DOI: 10.1590/S1413-81232009000600024
Abstract: workers that segregate recyclable garbage are daily exposed to unhealthy work conditions which can have a more intense negative effect with aging of the garbage collector. a population of garbage collectors from governador valadares, minas gerais, brazil answered a semi-structured questionnaire regarding the presence or absence of labor pain, pain intensity, living conditions, access to health services, occurrence of accidents at works and degree of personal satisfaction. these variables were correlated with the age of the workers. it was observed that pain is not associated to age increase and that it doesn't affect the degree of personal satisfaction of the studied population. the education degree was negatively related with age. the youngest garbage collectors presented a lower degree of life satisfaction. the age of the workers doesn't have any association with the occurrence of accidents at work and dwelling type.
Catadores de materiais recicláveis: representa es sociais de coleta seletiva  [cached]
Daniele de Andrade Ferrazza,Fernanda Yamamoto,Ana Maria Rodrigues de Carvalho,Carlos Rodrigues Ladeia
Revista Ciência em Extens?o , 2010,
Abstract: Introdu o: A atividade de cata o de materiais recicláveis tornou-se uma disputada fonte de renda de grande contingente de trabalhadores colocados na informalidade e na miséria decorrente das profundas altera es políticas e econ micas ocorridas nestas últimas décadas. Neste contexto, procurando responder à quest o da marginaliza o social, da gera o de trabalho e renda e do resgate da cidadania desses trabalhadores, em meados de 2001, foi constituída em Assis uma cooperativa de catadores, apoiada pela Cáritas Diocesana e pela UNESP, por meio do Núcleo de Assessoria à Forma o e Desenvolvimento de Cooperativas Populares e pela Prefeitura Municipal. A Cooperativa em convênio com a Prefeitura está implantando a Coleta Seletiva Solidária, em 60% dos domicílios, uma alternativa para a melhoria das condi es de trabalho e de renda desses trabalhadores. Conseqüentemente, a quantidade de recicláveis disponíveis nas ruas ou para doa es aos catadores que trabalham individualmente, vem reduzindo acentuadamente. Preocupada, a Cooperativa vem convidando os catadores que ainda trabalham individualmente a integrarem o grupo da Coleta Seletiva. No entanto, sob alega es diversas, muitos n o têm aceitado. Tem sido possível observar que neste novo modo de trabalho coletivo, com várias regras presentes, como horário de trabalho fixo e rendimentos divididos igualmente, muitos catadores, consideram ter perdido sua autonomia de decidirem sobre seu trabalho e renda. Objetivos: Identificar as Representa es Sociais de Coleta Seletiva construídas pelos cooperados que ainda n o aderiram ao projeto e, paralelamente, desencadear a es que viabilizem novas ades es. Métodos: Esta pesquisa-a o, em andamento, vem ocorrendo em espa os formais de reuni es na Cooperativa com a participa o da Diretoria, cooperados e Assessoria. Preliminarmente, foram levantados dados em observa es diretas e contatos informais, pois os pesquisadores já estavam inseridos neste contexto. Tomando-se como referência a Teoria das Representa es Sociais, tem sido possível contribuir para a compreens o dos conhecimentos construídos no cotidiano, acerca da Coleta Seletiva. Resultados: Por meio da análise de conteúdo, os dados levantados até o momento apontam para: a resistência em trabalhar em grupo decorrente da pré-concep o individualista vigente, a compreens o de que, devido ao convênio com a Prefeitura, os cooperados se tornar o seus funcionários, a hipótese da Prefeitura n o cumprir o contrato e a cooperativa ter que acolher a todos de volta, a cren a de que Deus é provedor e n o os deixará sem renda.
Projeto de assessoria à forma o e desenvolvimento da cooperativa de catadores de materiais recicláveis de Assis – COOCASSIS  [cached]
Ana Maria Rodrigues de Carvalho,Carlos Rodrigues Ladeia,Danielle Andrade Ferrazza
Revista Ciência em Extens?o , 2010,
Abstract: Introdu o: Projeto desenvolvido pelo Núcleo de Assessoria à Forma o e Desenvolvimento de Cooperativas Populares, do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – Assis, com o apoio da Pró-Reitoria de Extens o. O Núcleo é formado por docentes e alunos do Curso que desenvolvem atividades curriculares de pesquisa e extens o. Desde o início, a Cáritas Diocesana e a Prefeitura Municipal de Assis s o parceiros no desenvolvimento do Projeto. Em Assis, como em outros municípios, até ent o, os catadores coletavam os recicláveis pelas ruas e pontos da cidade, vendendo-os aos “atravessadores” que os exploravam, pagando pre os irrisórios por seus materiais. Além destas condi es e rela es precárias de trabalho, constatava-se também a ausência de direitos previdenciários por falta absoluta de condi es para provê -los. Objetivos: Assessorar os catadores na sua organiza o, contribuindo para possibilitar-lhes o desenvolvimento de suas atividades de trabalho de forma aut noma, coletiva e auto-sustentável, melhorando suas condi es de trabalho, de renda e de vida. Métodos: Baseando-se nos referenciais da Psicologia Social Crítica e da Pesquisa Participante o grupo de assessoria participa ativamente dos espa os formais da Cooperativa como assembléias, reuni es e grupos de trabalho, bem como de seu cotidiano, contribuindo para o seu desenvolvimento. Resultados: Após quatro anos de trabalho (2001-2005), a Cooperativa, que vem se consolidando como uma referência regional, congrega aproximadamente 80 catadores e já pode contabilizar muitas conquistas, dentre as quais destacam-se: aquisi o e socializa o massiva de conhecimentos sobre cooperativismo e economia solidária, estabelecimento de uma rela o produtiva com a comunidade local e regional, que resultou em respeito e valoriza o da categoria, implanta o da Coleta Seletiva Solidária durante o ano de 2005, em convênio com a Prefeitura Municipal de Assis, melhoria dos rendimentos e condi es de trabalho, assistência previdenciária a 50 catadores que participam da Coleta Seletiva, participa o ativa em espa os da sociedade civil organizada, como as conferências municipais, participa o ativa junto ao Movimento Nacional dos Catadores, cria o de um projeto especial de Educa o de Jovens e Adultos da Cooperativa (EJAC). A despeito dos resultados alcan ados, alguns desafios devem ser ainda enfrentados, a saber: expans o dos conhecimentos e da prática em economia solidária, estabelecimento da rede de comercializa o conjunta com outros grupos e associa es de catadores da Regi o, avan o na cadeia produtiv
Conhecendo a realidade dos catadores de materiais recicláveis da Vila Dique: vis es sobre os processos de saúde e doen a  [PDF]
Zacarias, Inez Rocha,Bavaresco, Caren Serra
Textos & Contextos (Porto Alegre) , 2009,
Abstract: Considerando as transforma es ocorridas no mundo do trabalho e o crescimento expressivo do desemprego, muitos trabalhadores encontraram na reciclagem a possibilidade de garantir o sustento de suas famílias. Vista a precariedade do processo de trabalho e a situa o de exclus o social em que se encontram, muitos s o os aspectos que perpassam o processo de saúde/doen a destes trabalhadores. Portanto, se faz necessário que os profissionais dos servi os de saúde, especificamente da aten o primária, se apropriem desta realidade e conhe am a vis o destes sujeitos sobre a produ o de saúde/doen a, para evidenciá-la e proporcionar um olhar ressignificado, qualificando as a es em saúde. Este artigo está baseado na pesquisa realizada com os catadores de materiais recicláveis da Vila Dique, comunidade localizada na regi o noroeste de Porto Alegre, território de abrangência da Unidade de Saúde Santíssima Trindade, que teve como objetivo principal conhecer a vis o destes trabalhadores, sem vínculos previdenciários, com rela o a aspectos do processo de saúde e doen a. Dos 10 entrevistados, todos relataram situa es de doen a, violência e acidentes de trabalho, muitas relacionadas diretamente à situa o degradante de trabalho que realizam.
TRANSPORTE E QUALIDADE DE VIDA
Ronaldo Balassiano,Sérgio Luiz Chiquetto,Ricardo Esteves
Transportes , 2010,
Abstract: A quest o ambiental está em evidencia em todo o mundo. Os impactos ambientais e as possíveis conseqüências de curto, médio e longo prazo decorrentes destes impactos tem sido objeto de aten o nas diversas áreas do conhecimento. Algumas escolas de primeiro grau incorporaram o tema Meio Ambiente aos seus currículos, como forma de familiarizar crian as, desde cedo, com problemas que devem ser atacados hoje e mais seriamente ainda no futuro. Os RIMAs (Relatórios de Impactos no Meio Ambiente) passaram a ser exigência legal a todos os principais projetos de engenharia. Existem evidencias de que os impactos ambientais est o altamente correlacionados com a expectativa de vida humana na Terra. Tanto países considerados "desenvolvidos" quanto aqueles considerados "em desenvolvimento" alegam estar em busca de uma melhor Qualidade de Vida para a popula o quando promovem a es que de alguma forma impactam o Meio Ambiente. A quest o principal a ser resolvida seria como manter e, na maioria dos casos, como melhorar as condi es de vida dos povos sem causar danos ao Meio Ambiente, ou em ultima instancia, como minimizar estes danos. Entretanto, existem algumas quest es que n o foram suficientemente exploradas: O que é Qualidade de Vida? Qual o conceito relacionado a esta express o? Seria possível quantificar Qualidade de Vida? Que fatores contribuem ou est o relacionados com este conceito? Qual a rela o entre Transporte e Qualidade de Vida? Dadas a subjetividade e a complexidade embutidas neste conceito, torna-se muito difícil formular respostas precisas para todas estas quest es. O objetivo deste trabalho e, numa primeira etapa, resgatar a discuss o sobre a quest o da Qualidade de Vida, ressaltando seu caráter subjetivo e as dificuldades envolvidas na avalia o de sua defini o. Espera-se, com isto, avan ar no sentido de estabelecer uma base conceitual para Qualidade de Vida. Entretanto, o objetivo principal deste trabalho e o de estabelecer o grau de contribui o dos aspectos envolvidos com a oferta de transportes nos níveis de Qualidade de Vida. Numa abordagem genérica, discute-se a relevancia do tema, a rela o existente entre Meio Ambiente e Qualidade de Vida, a complexidade e a dificuldade no tratamento desta quest o e apresenta-se uma proposta de defini o para Qualidade de Vida. No tocante aos Transportes, s o apresentados os principais fatores que influenciam a Qualidade de Vida, os principais conflitos de interesses e algumas metodologias de avalia o tanto monetária como n o-monetária dos impactos ambientais. Ao final, define-se a contribui o dos Sistemas
Qualidade de vida no trabalho  [cached]
Cibele Arrieiro Oliveira Ribeiro,Leonor Natividade Medeiros Campos
Revista Tecer , 2012,
Abstract: Este artigo trata-se de um estudo exploratório que teve como procedimento de pesquisa a revis o de literatura. Analisa a contribui o dada por alguns pesquisadores no estudo do conceito de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) e identifica as suas dimens es. Os resultados ressaltam a necessidade de transforma o do ambiente de trabalho em um local aprazível onde possamos sentir satisfa o e alegria na execu o das nossas atividades profissionais. A busca de literatura para a elabora o deste artigo baseou-se em dados eletr nicos (BIRENE, LILACS, SCIELO), disserta es, teses e livros. Quinze publica es foram elegíveis para inclus o nesta revis o. N o houve critérios de exclus o de material, todos foram avaliados independentes de período. Nas buscas, os seguintes descritores, em língua portuguesa, foram considerados: “qualidade de vida no trabalho”, “saúde do trabalhador”, “press o no trabalho” e “satisfa o no trabalho”.
QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
KANESIRO, Lidiane Aparecida,DURIGAN, Jesus Ant?nio,KANESIRO, Janaína Cristina
Nucleus , 2004,
Abstract: The present paper makes a revision of the concepts of about Life Quality Work (LQW),through the boarding of concepts, historical aspects, models, criteria, pointers of mensura o, difficulties andobstacles found for the adjusted implementation of LQW programs. Through this revision it is verified that it hasvery for making aiming at to the transformation of the environment of work in a pleasant place.O presente artigo faz uma revis o dos conceitos de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), atravésda abordagem de conceitos, aspectos históricos, modelos, critérios, indicadores de mensura o, dificuldades eobstáculos encontrados para a adequada implementa o de programas de QVT. Por meio desta revis o verificaseque há muito por fazer, visando à transforma o do ambiente de trabalho num local agradável.
Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar
Karina Silveira de Almeida Hammerschmidt,Silvana Sidney Costa Santos
Revista de Enfermagem UFPE On Line , 2010,
Abstract: O livro que apresentamos, organizado por Anita Liberalesso Neri, publicado em 2007, com 300 páginas, faz parte da cole o velhice e sociedade. Foi escrito por profissionais de diversas áreas, que fazem leitura critica da qualidade de vida dos idosos à luz de várias disciplinas e campos profissionais. Desta forma, emerge um retrato multifacetado da velhice e da qualidade de vida na velhice, em domínios variados.A organiza o do livro está composta por 12 capítulos. Os dois iniciais: 1) qualidade de vida na velhice e subjetividade e 2) qualidade de vida em idosos: conceitua o e investiga o, um de autoria de Anita Liberalesso Neri e o outro de Educardo Chachanovich, Clarissa Trentini e Marcelo Pio de Almeida Fleck, s o de natureza conceitual e apresentam a qualidade de vida na velhice como um fen meno multidimensional, cuja avalia o é mediada por fatores subjetivos. Nos capítulos: 3) como a economia pode favorecer a constru o de uma velhice bem-sucedida e 4) cuidados de longa dura o para a popula o idosa: uma quest o de gênero?, respectivamente escritos por Tomas Engler e por Ana Amélia Camarano, Maria Tereza Pasinato e Vanessa Regina Lemos, apresenta-se a qualidade de vida como fen meno contextualizado por fatores socioecon micos e se detém na análise do impacto da desigualdade social sobre a qualidade de vida dos idosos brasileiros e latino americanos. Os capítulos: 5) fragilidade biológica e qualidade de vida na velhice, de Ilka Nicéia D’Aquino Teixeira; 6) saúde mental e qualidade de vida na velhice: aspectos psiquiátricos, de Cássio Machado de Campos Bottino e Marco Antonio Moscoso Aparício; 7) cogni o, estilo de vida e qualidade de vida na velhice de Priscila Cristina Correa Ribeiro e Monica Sanches Yassuda; 8) qualidade de vida e saúde bucal em idosos, de Maria da Luz Rosário de Souza, Fernando Neves Hugo e Débora Dias da Silva; 9) a constru o de ambientes favoráveis aos idosos, de Adriana Romeiro de Almeida Prado e Monica Rodrigues Perracini, tratam de aspectos específicos da qualidade de vida relacionada à saúde, nos ambitos: fragilidade, saúde mental, cogni o e estilos de vida, saúde bucal e planejamento ambiental. Nos capítulos 10) envelhecer com deficiência física: possibilidades e limita es e 11) qualidade de vida das pessoas que envelhecem com deficiência mental, Marineia Crosara de Resende e Maria Eliane Catunda de Siqueira, ambas em associa o com Anita Liberalesso Neri, veiculam temas pouco escritos nas publica es brasileiras, concernentes ao envelhecimento com deficiência física e com deficiência mental. O capitulo final: 12) o
QUALIDADE DE VIDA URBANA: REPENSANDO A CIDADE?  [cached]
Amélia Luisa Damiani
Revista do Departamento de Geografia , 1992, DOI: 10.7154/rdg.v0i6.256
Abstract: QUALIDADE DE VIDA URBANA: REPENSANDO A CIDADE?
Valores de Trabalho de Catadores de Materiais Recicláveis: expectativas com o trabalho cooperado Recyclable Materials Collectors and their Work Values: cooperative work expectations Valor de Trabajo de Colectores de Reciclaje: expectativas con el trabajo cooperativo  [cached]
Marina Cardoso Oliveira,Geraldino Carneiro Araújo,Aline Silva Gomes Vaz,Jaqueline Silva Lima
Revista Paranaense de Desenvolvimento , 2012,
Abstract: Português Durante o processo de constitui o de uma cooperativa é importante analisar se os indivíduosnele envolvidos buscam alcan ar valores próprios do trabalho cooperado. O presente estudoprocura identificar e discutir os principais valores pessoais e de trabalho e as expectativas como trabalho cooperado em um grupo de catadores de materiais recicláveis do Interior do MatoGrosso do Sul. Participaram da pesquisa 13 pessoas envolvidas no processo de constitui o deuma cooperativa. A coleta de dados foi feita por meio de entrevista semidirigida contendoquest es abertas e dados socioecon micos. Os dados foram analisados usando-se o métodode análise de conteúdo a partir da Teoria de Valores de Schwartz. De modo geral, os resultadosda pesquisa mostram que os valores pessoais, de trabalho e as expectativas com o trabalhocooperado apresentados pelo grupo s o bastante expressivos e coerentes com as reaispossibilidades que o trabalho cooperado poderá lhes oferecer.English During the process of forming a cooperative it is important to consider whether the individualsinvolved in the process are seeking values that cooperative work will allow them to reach.This study sought to identify and discuss personal work values and expectations from a groupof recyclable materials collectors at the State of Mato Grosso do Sul countryside, associatedin cooperative work. The participants were 13 people involved in the process of setting up acooperative . Data collection was done through semi-directed interview with four openquestions and socioeconomic data. Data were analyzed using the method of content analysisbased on Schwartz Value Theory. Overall, the survey results indicate that personal workvalues and expectations were quite significant and coherent with the real possibilities thatthe cooperative work can offer them.Espa ol Durante el proceso de formación de una cooperativa es importante observar si las personasinvolucradas buscan alcanzar los valores posibles del trabajo cooperativo. Este estudio tuvocomo objetivo identificar y debatir los principales valores personales y de trabajo, y lasexpectativas con el trabajo cooperativo entre un grupo de colectores de reciclaje, en elinterior del estado de Mato Grosso do Sul. Los participantes del estudio fueron 13 personasinvolucradas en el proceso de formar una cooperativa. La colección de datos se realizó através de entrevista semidirigida con preguntas abiertas y datos socioeconómicos. Los datosfueron analizados utilizándose el método de análisis de contenido a partir de la Teoría deValores de Schwartz. En general, los resu
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.