oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
O debate sobre a homossexualidade mediado por representa??es sociais: perspectivas homossexuais e heterossexuais
Scardua, Anderson;Souza Filho, Edson Alves de;
Psicologia: Reflex?o e Crítica , 2006, DOI: 10.1590/S0102-79722006000300017
Abstract: the objective of this work was to study the social representations of homosexuality among college students, according to sexual orientation and sex. one free association question about the word homosexuality and another about is possible causes were answered. the data was analyzed according to the principles of content analysis. there were significant differences among the groups, allowing us to find out different ways of understanding/dealing with homosexuality and facing prejudice/discrimination. the homosexual men publicly justified/legitimated (rights, freedom) homosexuality with the argument/representation that it is uncontrollable/natural, while the homosexual women preferred to build and improve interaction agreements on the interpersonal level (family, love affair) to obtain social recognition. yet the heterosexual men and women, with many references to normality and others contents that reinforce the social conventions, pointed out less possibility of recognition towards homosexuality.
Sexo, gênero e homossexualidade: o que diz o povo-de-santo paulista?
Milton Silva dos Santos
Horizonte : Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religi?o , 2009, DOI: 10.5752/444
Abstract: Resumo "O candomblé aceita o homossexualismo porque é uma religi o que n o tem pecado. N o interessa se você seja homem, mulher ou gay. N o importa a op o sexual. (...) Você pode ver. é uma religi o de homossexuais". é assim que um filho-de-santo responde a uma pergunta sobre a notável presen a de homossexuais iniciados na religi o dos orixás. Se comparadas a outras denomina es hostis e indiferentes às orienta es n o-heterossexuais, o candomblé e outras devo es afro-brasileiras s o, de fato, mais tolerantes à participa o de homossexuais, permitindo-lhes ocupar todos os postos previstos na hierarquia ritual. Embora estejam entre as express es religiosas que menos discriminam o indivíduo por raz es de preferência sexual, percebemos por meio da literatura especializada e de uma pesquisa de campo, realizada na regi o metropolitana de S o Paulo, que os candomblecistas também empregam em seus discursos argumentos ou narrativas míticas, certos princípios e valores seculares articulados à moralidade crist e que d o sustenta o à hierarquia de sexo/gênero - conforme alguns sacerdotes, as categorias homem/mulher e masculino/feminino devem corresponder às expectativas sociais esperadas para cada ser sexuado. Em virtude disso, tratar de homossexualidade nas comunidades-terreiro, ao contrário do que possa parecer, é um tema delicado, restrito e rodeado de tabus. Palavras-chave: Candomblé; Gênero; Sexualidade; Homossexualidade. Abstract "Candomblé accepts homosexualism because it is a religion where sin does not exist. It does not matter whether you are a man, a woman or gay. Your sexual choice does not matter. [...] You can see it. It is a religion of homosexuals." This is how a filho-de-santo answers a question about the remarkable presence of homosexuals initiated into the orixás' religion. If compared to other denominations, hostile or indifferent to nonheterosexual orientations, candomblé and other Afro-Brazilian religions are indeed more tolerant to the participation of homosexuals, allowing them to hold all positions in the ritual hierarchy. However, based on the literature and on a field research carried out in the S o Paulo metropolitan region, we realized that those affiliated to candomblé, although following one of the religions with the lowest degree of prejudice against individuals due to their sexual preference, also employ in their discourse arguments or mythical narratives, secular principles and values articulated with Christian morality, which support the sex/gender hierarchy: according to some priests, man/woman and male/female catego
Express es da homossexualidade feminina no encarceramento: o significado de se "transformar em homem" na pris o Expresiones de la homosexualidad femenina en el encarcelamiento: el significado de "transformarse en hombre" en la cárcel Expressions of female homosexuality in prison: the meaning of "becoming a man" during incarceration  [cached]
Mariana Barcinski
Psico-USF , 2012,
Abstract: Mediante uma perspectiva de gênero, o presente trabalho tem como objetivo investigar as especificidades da homossexualidade feminina no encarceramento. Pela análise do discurso de entrevistas realizadas com duas mulheres encarceradas em uma unidade prisional feminina, trataremos dos significados atrelados ao "se transformar em homem" na pris o. As duas entrevistadas assumiram, dentro do cárcere, posturas, nomes e aparência masculinas e passaram, desde ent o, a ser reconhecidas por outras internas e pelo próprio staff do presídio como homens. O objetivo é entender que tipos de privilégios tais mulheres adquirem como resultado da ado o de padr es de comportamentos tipicamente masculinos. Os resultados atestam que as duas participantes experimentam o status e os direitos usualmente associados ao masculino, tais como a poligamia e o uso legitimado da for a, reproduzindo no espa o intramuros a organiza o hierárquica que marca as rela es heterossexuais na sociedade mais ampla. A través de una perspectiva de género, el presente estudio tiene como objetivo investigar las especificidades de la homosexualidad femenina en el encarcelamiento. Por medio del análisis del discurso de entrevistas realizadas con dos mujeres encarceladas en una unidad carcelaria femenina, trataremos de los significados vinculados al "transformarse en hombre" en la cárcel. Las dos entrevistadas asumieron, dentro de la cárcel, posturas, nombres y apariencia masculinos y pasaron, a partir de ahí, a seren reconocidas por otras internas y por propio staff de la cárcel como hombres. El objetivo es entender que tipos de privilegios esas mujeres adquieren como resultado de la adopción de patrones de comportamientos típicamente masculinos. Los resultados muestran que las dos participantes experimentan el status y los derechos usualmente asociados al masculino, tales y como la poligamia y el uso legitimado de la fuerza, reproduciendo en el espacio intramuros la organización jerárquica que marca las relaciones heterosexuales en la sociedad más amplia. From a gender approach, the present work has the goal of investigating the specificities of female homosexuality in prison. From the discursive analysis of interviews conducted with two incarcerated women, we investigate the meanings associated to the experience of "becoming a man" in prison. In prison, the two participants assumed male names and looks, being recognized by other inmates and by the prison staff as men. The goal is to understand the kind of privileges these women acquire as the result of adopting typical male behaviors in prison. Res
O paradoxo dos prazeres: trabalho, homossexualidade e estilos de ser homem no candomblé queto fluminense The paradox of pleasure: work, homosexuality and styles of being a man in an Afro-Brazilian religious nation in Rio de Janeiro  [cached]
Luís Felipe Rios
Etnográfica , 2012,
Abstract: Este artigo analisa a inser o de homens com práticas homossexuais no candomblé queto fluminense. Nesses candomblés, as articula es entre performances de gênero e trabalho religioso constituem estilos de ser homem, que configuram uma hierarquia sexual. Os masculinizados (okós) podem assumir posi es de media o terreiro-mundo, o que n o é permitido aos efeminados (adés). Com gestualidade e adere os, eles sinalizam os gostos sexuais, e cria-se um paradoxo: se apresentar a um só tempo masculino e feminino, de modo a ser respeitado pelo grupo e sinalizar quem e o que quer sexualmente. The article analyzes the insertion of men with homosexual practices in an Afro-Brazilian religious nation in Rio de Janeiro Candomblé. In this religion, the articulations between gender performances and religious work constitute styles of being a man, configuring a sexual hierarchy. It is argued that mediating positions between temple and world can be assumed by the mannish men (okós), but are not permitted to the effeminates (adés). As sexual tastes are signalized by gestures and props, a paradox is created to homosexual men: to present themselves, at the same time, mannish and feminine in order to be respected by the community, and yet clearly show who and what they want sexually.
Coes o e adaptabilidade conjugal em homens e mulheres hetero e homossexuais  [cached]
Clarisse Pereira Mosmann,Eduardo Lomando,Adriana Wagner
Barbarói , 2010,
Abstract: A diversidade nas configura es conjugais é um fen meno em expans o que vem dando visibilidade a arranjos tais como os casais de gays e lésbicas. Esse panorama traz diversos questionamentos quanto à forma como esses casais lidam com suas rela es amorosas, especificamente em compara o aos casais heterossexuais. A fim de entender melhor esses aspectos, comparamos um grupo de heterossexuais (149 homens e 149 mulheres) com outro de homossexuais (77 homens gays e 34 mulheres lésbicas), sendo que todos estavam num relacionamento amoroso, a partir do instrumento FACES III, que mede as dimens es de coes o e adaptabilidade conjugal. Comparamos os grupos como um todo, em rela o ao sexo – homens heterossexuais com homens gays, mulheres heterossexuais com mulheres lésbicas – assim como os homens gays com as mulheres lésbicas. As médias de coes o e adaptabilidade dos homossexuais foram significativamente maiores quando comparadas às dos heterossexuais, mas n o houve diferen a significativa quanto à compara o entre gays e lésbicas. Os dados possivelmente apontam para as diferen as entre as configura es conjugais. Fatores como filhos e a institui o do casamento podem contribuir para diminuir os níveis de qualidade conjugal, assim como, por outro lado, a maior flexibilidade dos papéis de gênero e o afeto como funda o da rela o conjugal também podem estar associados aos maiores níveis de coes o e adaptabilidade dos casais do mesmo sexo. Abstract The diversity of marital relations is an expansion phenomenon that has been making visible different configurations such as gays and lesbian couples. This scenery opens several questions in relation to the way these couples deal with their relationships and what are the differences and similarities between them and heterosexual couples. In order to better understand these aspects, we compared a heterosexual group (149 men and 149 women) with a homosexual group (77 gays men and 34 lesbian women), all of them in a couple relationship, using the FACES III instrument, which measures couple cohesion and adaptability. We compared the groups taking into account the sex of the participants – heterosexual men with gays men, heterosexual women with lesbian women – and gays men with lesbian woman. The data reveals differences between the couple’s configurations. The cohesion and adaptability averages within the homosexual group were significantly higher than the heterosexual group. Aspects such as children and marriage as an institution may contribute to reduce the level of marital quality. On the other hand, the higher gender role
Notas sobre um itinerário bibliográfico: onde est o os homossexuais negros?
Joilson Santana Marques Júnior
Em Pauta : Teoria Social e Realidade Contemporanea , 2012,
Abstract: O presente artigo tem como objetivo apresentar resultados da investiga o realizada, inicialmente, a partir de revis o bibliográfica acerca da quest o racial e da homossexualidade. A experiência singular da homossexualidade negra, deslocada do lugar reservado à identidade negra ou identidade gay, produz contextos diferenciados de preconceitos e discrimina o. Assim, a partir da sele o de uma bibliografia de referência na discuss o da homossexualidade, procura-se mapear algumas quest es: se há identifica o de homossexuais negros; como eles aparecem nos textos e se, em algum mo-mento, tornam-se eixo central de análise. Como resultado preliminar, conclui-se que, em um primeiro momento, esses sujeitos s o identificados racialmente, até porque s o os negros e mesti os os alvos de estudos de base antropo-criminológica. Mas, com o incremento de pesquisas menos discriminatórias que revelam a legitimidade desse desejo, posteriormente, os sujeitos das investiga es e estudos tornam-se brancos.
A escolha amorosa e intera o conjugal na heterossexualidade e na homossexualidade  [cached]
Féres-Carneiro Terezinha
Psicologia: Reflex?o e Crítica , 1997,
Abstract: Este estudo tem como objetivo investigar o processo de escolha amorosa em homens e mulheres hetero e homossexuais das camadas médias da popula o, de diferentes faixas etárias, em diversas situa es amorosas - namoro, casamento (coabita o estável), separa o e recasamento (segunda ou subsequente coabita o estável); as características das rela es dos conflitos conjugais por eles estabelecidas; e o papel atribuído à terapia de casal na resolu o dos conflitos conjugais. Foram estudados dois grupos: 240 heterossexuais (53 solteiros, 64 casados, 63 separados e 60 recasados) e 116 homossexuais (49 solteiros, 36 casados, 19 separados e 12 recasados). Na avalia o da escolha amorosa foram utilizados 26 atributos dispostos em escalas de avalia o de 5 pontos, tal como proposto por Buss (1989), e entrevistas semi-estruturadas a partir de Féres-Carneiro (1987), contendo tópicos referentes a dimens es relevantes da intera o conjugal. Os resultados mostraram algumas diferen as entre homens e mulheres de ambos os grupos e algumas semelhan as no processo de escolha amorosa dos sujeitos hetero e dos sujeitos homossexuais. Tais resultados s o relevantes para a prática clínica da terapia de casal, possibilitando uma melhor compreens o das especificidades da rela o amorosa em diferentes tipos de conjugalidade.
Homossexualidade, direitos humanos e cidadania  [cached]
Anjos Gabriele dos
Sociologias , 2002,
Abstract: O texto apresenta os resultados de uma investiga o sobre como uma organiza o procura redefinir os critérios de percep o da homossexualidade, de forma a torná-la socialmente legítima. Esta redefini o é feita a partir da generaliza o da no o de homossexualidade como "direito humano" e da equipara o do homossexual ao "cidad o", o que envolve o distanciamento frente às concep es usuais de homossexualidade. Com esta mudan a nos critérios de percep o, a organiza o busca participar no espa o político. Argumenta-se que a compreens o da atua o e da defini o de homossexualidade que a organiza o tenta impor requer que se incluam na investiga o as características e recursos sociais de seus integrantes. Considera-se que o nexo entre homossexualidade e "direitos humanos/cidadania" está relacionado com a alta escolariza o dos seus integrantes, que possibilita o rompimento com os critérios dominantes de defini o da homossexualidade, e a participa o em discuss es nas quais est o em pauta a defesa dos "direitos humanos" e da "cidadania". Também está relacionado a engajamentos de seus integrantes em outros espa os de participa o, que forneceram tanto esquemas de percep o da "quest o homossexual" como os canais e recursos para a exposi o daqueles esquemas.
Um estudo sobre as formas de preconceito contra homossexuais na perspectiva das representa es sociais  [cached]
Lacerda Marcos,Pereira Cícero,Camino Leoncio
Psicologia: Reflex?o e Crítica , 2002,
Abstract: Este artigo analisa, na perspectiva das representa es sociais, as formas como estudantes universitários expressam o preconceito contra homossexuais e a rela o desse preconceito com as explica es da homossexualidade. Para tanto, aplicaram-se questionários a 220 alunos de uma universidade pública da cidade de Jo o Pessoa. Os resultados permitiram classificar os estudantes em uma tipologia composta por três grupos de indivíduos: preconceituosos flagrantes, preconceituosos sutis e n o preconceituosos. A análise da ancoragem social do tipo de preconceito apresentado pelos estudantes mostrou que os preconceituosos flagrantes se opuseram às explica es psicossociais (próprias das mulheres e dos estudantes de psicologia) e aderiram mais fortemente às explica es ético-morais e religiosas (próprias dos estudantes de engenharia). Os n o preconceituosos estudam psicologia e aderem às explica es psicossociológicas. Já os preconceituosos sutis explicaram a homossexualidade a partir de causas biológicas e psicológicas, próprias dos estudantes de medicina e das mulheres.
A homossexualidade de frente para o espelho  [PDF]
Kern, Francisco Arseli,Silva, Andre Luiz da
Psico , 2009,
Abstract: O artigo mostra algumas breves reflex es sobre a constitui o da homossexualidade como fen meno vivencial. Estas reflex es têm por base as categorias da identidade, existência, subjetividade e da exclus o que servem de referência para aproxima es à temática. A proposta é mostrar um desnudamento do fen meno da homossexualidade para a compreens o da sua complexidade.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.