oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
La ciudad y la guerra en la historiografía latino-americana (siglo XIX)  [cached]
Véronique Hébrard
Anuario Americanista Europeo , 2003,
Abstract: Este artigo prop e um balan o crítico da produ o historiográfica sobre a guerra (civil em particular) em sua rela o com a cidade na América ibérica do século XIX. Trata-se neste quadro de considerar a cidade por sua vez como objeto e sujeto da história, e como ator e receptor do conflito. Isto na medida em que pensar o conflito na cidade significa se interrogar sobre o modo pelo qual o espa o urbano influi sobre o conflito, mais também questionar como as popula es vivem e administram a guerra a nivel individual e coletivo. A cidade como espa o fisico e simbólico, parece, de fato, constituir uma escala de análise pertinente enquanto observatório da guerra e da redefini o dos la os sociais e identitarios que se produz no própio tempo da guerra, mas tambêm na longa dura o
Qué fue la plaga de Atenas? What was the Plague of Athens?
Jorge Dagnino S
Revista chilena de infectología , 2011,
Abstract: En el a o 430 a.C., al iniciarse el segundo a o de la guerra del Pelo-poneso, una terrible epidemia se desató en Atenas y en las ciudades más populosas de ática. Duraría algo más de cuatro a os y morirían unas 100.000 personas, un cuarto a un tercio de la población. Sabemos de ella a través de la magistral descripción que Tucídides hace en su Historia de la Guerra del Peloponeso. Su relato ha perdurado por 25 siglos por su interés médico y, sobre todo, por su gran fuerza dramática. La descripción de los síntomas y signos, su evolución y las consecuencias sobre las personas y sobre el orden social y moral ha cautivado a médicos, filólogos e historiadores. Ha inspirado obras literarias y cientos de artículos sobre la etiología de la plaga sin que hasta el momento exista acuerdo sobre qué fue, si es historia o tragedia, e incluso, si es que hay una respuesta única a estas alternativas. In the year 430 B.C., at the beginning of the second year of the Peloponessian War, a terrible epidemic fell upon Athens and the most populous cities in Attica. It would last for just over four years and it would kill 100.000 people, a quarter to a third of the population. We know about it through the masterly description made by Thucydides in his History of the Peloponnesian War. His narrative has withstood twenty five centuries due to its medical interest and, above all, its great dramatic force. The description of symptoms and signs, their evolution, and the consequences upon persons and moral and social order has captivated physicians, philologists and classical historians ever since. It has inspired literary works and hundreds of medical articles, with no agreement having been reached upon its cause or consequences, or if it is history or tragedy, or even if there is a single answer to these alternatives.
"E no final ninguém é vencedor": a mobiliza o de conhecimento histórico na resolu o de situa es de conflito. Ideias de jovens portugueses sobre paz e guerra  [cached]
Claudia Marques Amaral
Antíteses , 2009,
Abstract: O presente estudo foi desenvolvido no sentido de procurar conhecer as ideias dos jovens portugueses a respeito dos conceitos de paz e de guerra. Apresentam-se as conclus es de um estudo empírico de natureza descritiva, de carácter essencialmente qualitativo, cuja amostra consistiu em 38 jovens, com idades compreendidas entre os 14 e os 17 anos, que se encontravam a frequentar o último ano da escolaridade básica (9.o ano). Através da aplica o de um conjunto de quest es abertas pretendeu-se compreender se estes mobilizam conhecimento histórico para encontrar explica es para situa es de conflito ou para analisar consequências de uma situa o de guerra. A análise de dados forneceu-nos indicadores que sugerem que estes jovens mobilizam conceitos metahistóricos como causalidade e mudan a, quando pensam a ideia de guerra. Outra ideia que emergiu com frequência foi a da necessidade de justifica o para o conflito.
Sri Lanka: A guerra acabou, e agora?  [cached]
IZABELA PEREIRA
Meridiano 47 : Boletim de Análise de Conjuntura em Rela??es Internacionais , 2009,
Abstract: Análise sobre o fim da guerra no Sri Lanka e as perspectivas de “Peacebuilding” para uma sustentável resolu o do conflito.
Implanta o da Gest o Participativa em Unidades de Conserva o do Tipo Parque na Cidade do Rio De Janeiro: do conflito à colabora o  [cached]
Marcos Cohen,Jorge Ferreira da Silva
Contextus , 2009,
Abstract: Os órg os governamentais gestores das unidades de conserva o ambiental do tipo parque da cidade do Rio de Janeiro vêm enfrentando dificuldades na implementa o das diretrizes do Sistema Nacional de Unidades de Conserva o (SNUC) que objetivam a gest o participativa dessas unidades. Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa maior e foca na forma o de conselhos consultivos como estratégia colaborativa utilizada pelos gestores dos parques. De um total de oito parques estudados por meio de entrevistas com gestores e agentes sociais interessados, pesquisas documentais e observa es diretas, s o apresentados dois casos que retratam a forma o de conselhos consultivos em parques e demonstram situa es que v o do conflito entre os atores sociais e os responsáveis pela gest o até a plena colabora o durante este processo. Os resultados indicam que as iniciativas para estabelecer a gest o participativa por meio de um Conselho Consultivo no Parque Municipal do Bosque da Freguesia foram, em grande parte, ineficazes em raz o da falta de normas específicas, de capacita o dos envolvidos e de recursos financeiros. Já no Parque Nacional da Tijuca, de gest o federal, a utiliza o de metodologia adequada, de caráter eminentemente democrático e participativo, aliado a um treinamento prévio de todos os envolvidos, resultou em sucesso e colabora o plena e serve de modelo para os demais parques.
Antonio Teixeira Guerra  [cached]
Antonio Jose Teixeira Guerra
Confins , 2012, DOI: 10.4000/confins.7912
Abstract: Ant nio Teixeira Guerra foi um grande geógrafo, que viveu apenas 44 anos, teve uma vida curta, mas coroada de muito trabalho e dedica o à pesquisa, ao ensino e à extens o. Guerra, como era conhecido, escreveu vários livros e dezenas de artigos científicos, além de ter ministrado muitas disciplinas e proferido centenas de palestras. Participou de muitos congressos e esteve à frente de centenas de trabalhos de campo, no Brasil e no exterior.Ele nasceu no dia 9 de setembro de 1924, na cidade do...
Afeganist o – outra guerra perdida?
Henrique Rattner
Revista Espa?o Acadêmico , 2010,
Abstract: A demiss o do comandante em chefe das tropas americanas e da OTAN – Organiza o do Tratado de Atlantico Norte - no Afeganist o levanta de novo a quest o sobre o possível desfecho do conflito naquele país. Será que a coaliz o liderada pelos norte-americanos, que conta atualmente com 100.000 soldados, ainda poderá ganhar esta guerra que se arrasta há mais de nove anos, o mais longo conflito militar travado pelos Estados Unidos em sua História? Mais de 1000 soldados já perderam a vida e 6000 foram feridos, mas o inimigo, o Talib , está mais ativo, assassinando chefes tribais e intimidando a popula o civil. Pesquisas feitas nos distritos afetados evidenciam pouco apoio popular ao presidente Hamid Karzai e mais de um ter o da popula o apoiariam os combatentes do Talib . Pior ainda, a luta contra o terror parece estimular o recrutamento de mais terroristas entre a juventude islamica, que acusa os Estados Unidos de lutar contra o Islam, ao apontar o conflito longe de terminado no Iraque, no Afeganist o e o apoio irrestrito a Israel, em sua luta contra o Hamas e o Hezbolah.
Imagens: Lugar de conflito  [cached]
Maria Lúcia de Paiva Jacobini
Galáxia , 2010,
Abstract: A partir dos quatro eixos de discuss o propostos no livro, esta resenha apresenta como cada autor avan a sobre a imagem como possível local para existência do conflito nos meios de comunica o. Primeiramente descrita como interface da cultura e da sociedade, a imagem também é discutida como presente na rela o entre a realidade e os meios como parte da cria o de uma percep o sobre a história e a cultura. Em seguida, é discutido o pensamento sobre a ontologia das imagens para depois discutir a possibilidade de forma o de conhecimento e, portanto, do questionamento que diminui a passividade diante do excesso imagético.
Guerra do Paraguai: como construímos o conflito  [cached]
Pio Penna Filho
Revista Brasileira de Política Internacional , 1998, DOI: 10.1590/s0034-73291998000100012
Abstract:
A contru o do canal de Suez e a forma o do conflito: a for a de paz brasileira na Faixa de Gaza
Francisca Carla Santos Ferrer,Júlia Silveira Matos
BIBLOS : Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informa??o , 2006,
Abstract: Apesar de ocorrerem ainda inúmeros conflitos, após 1945 as na es uniram-se em busca de paz. A ONU passou a intervir em conflitos armados sempre que achasse necessário para a manuten o da paz. Entretanto, o imperialismo havia deixado suas marcas em diversos países da áfrica, que após a Segunda Guerra Mundial se lan aram na luta por independência. Este foi o caso de Suez. No presente artigo apresentamos nossa análise sobre a forma o do conflito árabe-israelense na Faixa de Gaza e da efetiva participa o brasileira, como for a de paz enviada pela ONU, na Guerra dos Seis Dias.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.