oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Habermas: Introdu o à Metacrítica da Raz o Instrumental
Ant?nio Basílio Novaes Thomaz de Menezes
Princípios : Revista de Filosofia , 1996,
Abstract:
Alimenta o do lactente portador de les o lábio-palatal: aleitamento e introdu o alimentar  [cached]
PINI Juliana Genovez,PERES Suely Prieto de Barros Almeida
Revista de Nutri??o , 2001,
Abstract: S o inquestionáveis as vantagens do leite materno para o neonato. Na sua impossibilidade, é necessária a introdu o do leite artificial e de alimenta o adequada como forma de reposi o de nutrientes, respeitando-se a matura o neuro-fisiológica da crian a. Para o estudo, foram investigadas 60 crian as de 2 a 4 anos, de ambos os sexos, portadoras de les o lábio-palatal, pacientes do Hospital de Reabilita o de Anomalias Craniofaciais, Universidade de S o Paulo, Bauru, quanto a sua história dietética pregressa (aleitamento e introdu o alimentar) e peso e estatura atuais, a fim de verificar possíveis influências no estado nutricional relacionadas à sua alimenta o no primeiro ano de vida. Os dados obtidos mostraram que o aleitamento materno foi significativo, e que o desmame, o aleitamento artificial e a introdu o alimentar, apesar de inadequados, pouco influenciaram na antropometria atual.
Introdu o ao LaTeX  [cached]
Eric Batista Ferreira
Sigmae , 2012,
Abstract: O pacote de macros para o processamento de textos, LaTeX{}, que utiliza o TeX{} como principal ferramenta, é fundamental para a produ o de textos matemáticos e científicos de alto nível e emph{layout} profissional. A necessidade de conhecê-los se torna ainda mais real para profissionais e estudantes das Ciências Exatas. Além de adequado para a nota o Matemática, o LaTeX{} tem muitas outras vantagens, como ser gratuito, multiplataforma e livre de vírus. Por esses e outros motivos, o minicurso ``Introdu o ao LaTeX{}'' foi ministrado na emph{I Semana da Matemática da Unifal-MG}, a convite de sua comiss o organizadora.
Introdu o à retórica, de Olivier Reboul
Glenn Erickson
Princípios : Revista de Filosofia , 2007,
Abstract: Resenha do livro "Introdu o à retórica", de Reboul, Olivier. 2. ed. Tradu o de Ivone Castilho Benedetti. S o Paulo: Martins Fontes, 2004. 253 páginas.
Desmame precoce: representa es sociais de m es  [cached]
Maria Bruno de Carvalho Silva,Maria Eliéte Batista Moura,Antonia Oliveira Silva
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2007,
Abstract: Este estudo tem como objetivo apreender as representa es sociais sobre o desmame precoce segundo m es que desmamaram os filhos e explorar os aspectos psicossociais capazes de determinar um diagnóstico sobre o que influencia o ato do desmame. Trata-se de um estudo exploratório orientado pela Teoria das Representa es Sociais, realizado em Teresina – Pi. Fizeram parte da amostra 60 mulheres atendidas no pré-natal, por uma equipe de Saúde da Família, que foram submetidos ao Teste de Associa o Livre de Palavras e feito a Análise Fatorial de Correspondência. Destas, 20 responderam à entrevista em profundidade. Os dados das entrevistas foram submetidos à análise de conteúdo. O desmame precoce surge com representa es ambíguas e complexas onde é possível perceber as contradi es entre sentimentos negativos e positivos sobre o ato de amamentar e as implica es na vida e nas rela es interpessoais. é necessário, pois, que os programas de incentivo ao aleitamento materno sejam desenvolvidos em consonancia com os grupos sociais, visto que n o se pode falar em políticas de incentivo ao aleitamento materno eficazes, sem considerar os determinantes do desmame precoce, os quais encontram atrelados às cren as, valores, normas sociais, dentre outros.
Desmame precoce: implica es para o desenvolvimento motor-oral  [cached]
Neiva Flávia Cristina Brisque,Cattoni Débora Martins,Ramos José Lauro de Araújo,Issler Hugo
Jornal de Pediatria , 2003,
Abstract: Objetivo: revisar as estreitas rela es entre o desmame precoce e seus reflexos no desenvolvimento motor-oral, enfocando as conseqüências na oclus o, respira o e aspectos motores orais da crian a. Fonte de dados: foi realizada uma pesquisa bibliográfica relacionada às áreas de pediatria, odontologia e fonoaudiologia, através do Medline, entre o ano de 1960 e o ano 2001. Síntese dos dados: a partir da literatura levantada, pode-se observar que o desmame precoce pode levar à ruptura do desenvolvimento motor-oral adequado, podendo prejudicar as fun es de mastiga o, degluti o, respira o e articula o dos sons da fala, ocasionar má-oclus o, respira o oral e altera o motora oral. Conclus es: pode-se concluir que além dos inúmeros benefícios do aleitamento materno, este contribui para o desenvolvimento motor-oral adequado e previne altera es fonoaudiológicas, no que se refere ao sistema motor-oral.
Data de desmame e desempenho reprodutivo de vacas de corte  [cached]
Almeida Luciane Salgueiro Pio de,Lobato José Fernando Piva,Schenkel Flávio Schramm
Revista Brasileira de Zootecnia , 2002,
Abstract: O experimento foi conduzido na Esta o Experimental Agron mica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, município de Eldorado do Sul, Brasil. O objetivo do estudo foi avaliar o efeito da data do desmame precoce (05/01/99) ou do convencional (26/03/99) sobre o desempenho reprodutivo de vacas de corte multíparas em duas esta es de monta, 98/99, e a subseqüente, 99/00. Cinqüenta vacas tiveram seus bezerros desmamados em média aos 91 dias de vida, com peso mínimo de 70 kg (desmame precoce = DP), e 43 vacas desmamaram em média aos 170 dias, com peso médio de 131,2 kg (desmame convencional = DC). Os períodos de acasalamento ocorreram de 01/12/98 a 26/02/99, de 06/12/99 a 28/02/00. As vacas do DP apresentaram ganho médio diário (GMD) superior e melhor condi o corporal (CC) que as do DC no primeiro acasalamento (0,828 kg x 0,549 kg; 2,4 x 2,0; P<0,05). O índice de prenhez em 1999 foi de 40,0% x 11,1% e em 2000 de 51,4% x 20,0%, para o DP e DC, respectivamente. N o foi observada diferen a no intervalo entre partos. A taxa de prenhez no primeiro acasalamento foi menor que o esperado, devido possivelmente à baixa CC no início do acasalamento e à baixa recupera o durante o mesmo. Mesmo assim, o DP propiciou melhor CC às vacas durante o primeiro acasalamento, possibilitando índices reprodutivos significativamente melhores aos do desmame convencional.
Alega es maternas para o desmame: estudo qualitativo  [cached]
Ramos Carmen V.,Almeida Jo?o A.G.
Jornal de Pediatria , 2003,
Abstract: OBJETIVO: Estudar as alega es para o desmame entre mulheres assistidas em uma maternidade Amiga da Crian a, em Teresina, Piauí. METODOLOGIA: Adotou-se os preceitos metodológicos da pesquisa qualitativa em saúde, utilizando como referencial teórico a teoria das representa es sociais. Ao todo, entrevistou-se 24 mulheres que se encontravam em processo de desmame antes do 4masculine mês de vida do bebê. RESULTADOS: A análise compreensiva permitiu revelar que a tomada de decis es que leva as mulheres ao desmame se dá de maneira complexa e carregada de culpa. Dentre os motivos alegados, figuraram leite fraco ou pouco, intercorrências de mama puerperal, falta de experiência, inadequa o entre as suas necessidades e as do bebê, interferências externas, trabalho, ambigüidade entre o querer/poder amamentar e entre o fardo/desejo. CONCLUS ES: A solid o/isolamento da mulher-m e e a necessidade de obter apoio para a consecu o dessa prática, n o só por parte do servi o de saúde como também dos outros segmentos da sociedade, se fizeram presentes de forma uniforme nas entrevistas. Nesta perspectiva, vale atentar para a necessidade de reformula es do modelo assistencial ora vigente, no sentido de considerar a amamenta o como um ato que precisa ser aprendido pela mulher e protegido pela sociedade.
Rela o de escolaridade, faixa etária e profiss o de m es com a oferta de chupeta e mamadeira a seus filhos Relationship of schooling level, age group and mother profession with offer of pacifier and baby's bottles to your children  [cached]
Kelly Cristina Alves Silvério,Ana Paula Silva Ferreira,Cinthia Mara Johanns,Aline Wolf
Revista CEFAC , 2012,
Abstract: OBJETIVO: avaliar a rela o do grau de escolaridade, faixa etária e a profiss o das m es com a oferta de chupeta e mamadeira a seus filhos MéTODO: participaram deste estudo 190 m es de crian as entre 0 e 10 anos de idade, com idades de 20 a 45 anos que responderam a um questionário com quest es fechadas a respeito de profiss o, nível de escolaridade e uso de chupeta e mamadeira de seus filhos RESULTADOS: n o foi observada diferen a significante entre o grau de escolaridade quanto ao uso de chupeta (p= 0,915). O uso de mamadeira foi significantemente maior nos filhos de m es com ensino superior (p= 0,0124). N o houve diferen a significante quanto à faixa etária das m es e a presen a desses hábitos nos filhos (chupeta: p=0,427; mamadeira: p=0,427); e, entre m es que trabalham em casa e que trabalham fora de casa (chupeta: p=0,061; mamadeira: p=0,798). N o houve diferen a entre m es que trabalham na área da saúde e em outras áreas (chupeta: p=0,339; mamadeira: p=0,455) CONCLUS O: as m es com nível superior de escolaridade oferecem significantemente mais mamadeira aos seus filhos, o que n o ocorreu quanto ao uso de chupeta. N o foi observada diferen a significante quanto ao uso de chupeta e mamadeira em rela o à faixa etária e profiss o de m es. PURPOSE: to evaluate the relationships among schooling level, age group and mother profession with offer of pacifier and baby's bottles to your children. METHOD: 190 mothers with ages varying from 20 to 45 having children from 0 to 10 took part in this study. Mothers answered a questionnaire with questions regarding profession, schooling level and use of nipples and baby's bottles by their children. RESULTS: no significant differences were found between mothers having primary or secondary education and mothers with higher education regarding the use of nipples (p= 0.915). On the other hand, baby's bottle use was significantly higher among children of mothers with higher education (p= 0.0124). No significant difference regarding age group of mothers and the presence of these habits in children or between mothers who work in the house and those who work outside as regards the use of nipples (p=0.427; p=0.061) and baby's bottles (p=0.427; p=0.798). We also observed no difference among mothers who work in the health area and those working in other fields (nipples: p=0.339; baby's bottles: p=0.455). CONCLUSION: mothers with higher education offer significantly more baby's bottles to their children, but not nipples. No significant difference was observed as for the use of nipples and baby's bottles as related to age grou
Finan as comportamentais: uma introdu o An introduction to behavioral finance  [cached]
Claudia Emiko Yoshinaga,Raquel Freitas de Oliveira,Alexandre Di Miceli da Silveira,Lucas Ayres B. de C. Barros
Rege : Revista de Gest?o , 2008,
Abstract: Dentre as principais quest es que vêm sendo debatidas em Finan as está a validade das premissas assumidas por suas teorias mais tradicionais, em particular a da racionalidade dos agentes econ micos. Nesse contexto, surgiram diversos trabalhos com o objetivo de aprimorar os modelos teóricos dominantes, incorporando aspectos comportamentais antes desconsiderados. Essas linhas de pesquisa deram origem a um novo e promissor campo de estudo denominado Finan as Comportamentais. O notável crescimento dessa abordagem n o ortodoxa tem sido motivado, em especial, pela tentativa de explica o satisfatória de uma gama de fen menos regularmente observados nos mercados financeiros e incompatíveis com as predi es dos modelos tradicionais. Este ensaio apresenta uma introdu o sucinta aos conceitos fundamentais da área de Finan as Comportamentais e comenta duas aplica es pioneiras que incorporam dois dos vieses cognitivos mais bem documentados - otimismo e confian a excessiva. A subject often debated in Finance is the validity of assumptions regarding traditional theories, especially in relation to the rationality of economic agents. Studies endeavoring to improve theoretical models have incorporated behavioral aspects previously disregarded thereby creating the new and promising field of behavioral finance. The remarkable growth of this unorthodox approach has been spurred by attempts to explain phenomena in the financial markets which are incompatible with traditional model forecasts. A brief introduction to the concepts of behavioral finance was presented with comments on pioneer applications that incorporated two frequent examples of cognitive biases, namely optimism and excessive confidence, for the purpose of building a new theoretical paradigm.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.