oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Exame citopatológico do colo do útero: fatores associados a n o realiza o em ESF  [cached]
Jo?o Felício Rodrigues Neto,Maria Fernanda Santos Figueiredo,Leila das Gra?as Siqueira
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2008,
Abstract: A principal estratégia para detec o precoce do cancer do colo do útero é o exame citopatológico. Este estudo tem o objetivo de identificar os principais fatores culturais, sociais, econ micos, aspectos sexuais e reprodutivos e os motivos para a n o realiza o do exame citopatológico em mulheres; e verificar uma possível associa o destas variáveis com seu conhecimento sobre a finalidade desse exame. Trata-se de um estudo transversal, com a sele o de 45 mulheres cadastradas em três equipes da Estratégia Saúde da Família de Montes Claros (MG), no período de setembro a dezembro de 2006. Observou-se que 71,1% das pesquisadas têm mais de 50 anos, 28,9% s o analfabetas e 73,3% tem renda mensal entre R$300,00 a R$600,00. O conhecimento sobre a finalidade do exame associou-se a cor n o branca (p=0,019); conceito correto sobre a finalidade do exame (p=0,001) n o ter companheiro (p=0,030) e trabalhar (p=0,001). O principal motivo para a n o realiza o do exame (53,3%) foi o fato de n o estarem doentes. Assim, a maior parte das mulheres que n o realizam o exame possui idade avan ada; com menor escolaridade e menor nível socioecon mico. O conhecimento da finalidade do exame está associado à cor, ao conceito correto, ao estado conjugal e a ocupa o.
Fatores associados à n o realiza o de exame citopatológico de colo uterino no extremo Sul do Brasil  [cached]
Cesar Juraci A.,Horta Bernardo L.,Gomes Gildo,Houlthausen Ricardo S.
Cadernos de Saúde Pública , 2003,
Abstract: A identifica o precoce do cancer de colo uterino aumenta substancialmente a sua probabilidade de cura. Este estudo mediu a prevalência e identificou alguns fatores associados à n o realiza o de exame citopatológico de colo uterino entre mulheres em idade fértil, no Município de Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Utilizou-se delineamento transversal, de base populacional com amostragem sistemática por conglomerados. Aplicou-se questionário individual, padronizado mediante visita domiciliar, por entrevistadores previamente treinados. Os dados foram analisados por regress o logística obedecendo a modelo hierárquico previamente determinado. Dentre as 1.302 mulheres entrevistadas, 57% nunca se submeteram ao exame citopatológico para detec o de cancer uterino. Mulheres de cor parda ou preta, de menor idade, renda familiar e escolaridade, que estavam vivendo sem companheiros e que tiveram o primeiro parto com 25 anos ou mais de idade foram as que apresentaram as maiores raz es de prevalências para a n o realiza o deste tipo de exame. A cobertura para detec o precoce de cancer de colo uterino por meio de exame citopatológico foi muito baixa em Rio Grande. Além disso, mulheres com maior probabilidade de ter esta doen a foram as que apresentaram maiores raz es de prevalências à sua n o realiza o.
Leptospirosis in stray dogs found in university campus: serological evaluation and urine direct exam / Leptospirose em c es errantes encontrados em campus universitário: avalia o sorológica e exame direto da urina  [cached]
Aline Benitez,Giovana Giuffrida Rodrigues,Daniela Dib Gon?alves,Julieta Catarina Burke
Semina : Ciências Agrárias , 2010,
Abstract: The aim of this study was to demonstrate the Leptospirosis occurrence in stray dogs found in the campus of Universidade Estadual de Londrina – PR., from July to September 2007. The MAT (Microscopic Agglutination Test) was made as diagnostic serological test in 33 serum samples and the direct dark-field microscopy (DFM) in 10 urine samples. In the MAT, seven samples (21,21%) reacted and antibodies against the serovars Canicola, Pyrogenes and Castellonis were detected with titles of 200 to 400. In the DFM, were visualized typical Leptospira spp. morphology and motility structures in one sample. These data indicate the necessity of stray dogs’ population control because it may represents a public health problem in the university campus population. O objetivo deste estudo foi demonstrar a ocorrência de anticorpos anti leptospira em c es errantes encontrados entre julho e setembro de 2007, no campus da Universidade Estadual de Londrina – PR. Para o diagnóstico da leptospirose foi realizada a soroaglutina o microscópica (SAM) em 33 amostras de soro e o exame direto da urina em microscópio de campo escuro (CE) em 10 amostras. Na SAM, foram reagentes sete (21,21%) amostras e anticorpos contra os sorovares Canicola, Pyrogenes e Castellonis foram detectados com títulos de 200 a 400. No CE foram visualizadas células com morfologia e movimentos compatíveis com Leptospira spp. em uma amostra. Os resultados deste trabalho indicam a necessidade de controle de c es errantes, pois eles podem representar um problema de saúde pública para a popula o do campus universitário.
Aspectos físicos químicos e microbiológicos da urina de matrizes suínas descartadas  [cached]
P?rto Regiani Nascimento Gagno,Sobestiansky Jurij,Matos Moema Pacheco Chediak,Gambarini Maria Lúcia
Ciência Rural , 2003,
Abstract: O presente estudo objetivou descrever as altera es físico-químicas da urina, identificando os agentes etiológicos presentes na urina de matrizes descartadas sem causa definida. De 35 amostras examinadas, 16 (45,7%) foram positivas para presen a de sangue e/ou nitrito (positivo para infec o urinária, IU); 8 (50%) tiveram colora o amarela escura e 6 (37,5%) colora o amarela clara; 2 (12,5%) amostras n o apresentavam altera o. Dez amostras tinham odor amoniacal, das quais 7 foram positivas para IU. Também houve prevalência de urinas turvas e turvas com grumos, bem como de pH normal (5,5 - 6,5) e densidades maiores que 1,012. Presen a de microrganismos foi verificada em 91,5% das 35 amostras examinadas, sendo a Escherichia coli (45,7%), a bactéria com maior prevalência. Em 11 amostras (31,4%), verificou-se a presen a de Actinobaculum suis; destas, 4 foram simultaneamente positivas para IU e Actinobaculum suis; 7 foram negativas para IU, observando-se porém, a presen a de Actinobaculum suis pelo exame de imunofluorescência indireta.
Compara??o de bulas de duas marcas de tiras reagentes utilizadas no exame químico de urina
Colombeli, Adriana Scotti da Silva;Falkenberg, Miriam;
Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial , 2006, DOI: 10.1590/S1676-24442006000200005
Abstract: background: the urinalysis provides information about renal and urinary diseases, as well as about some extra renal diseases. the chemical examination of urine is done with reagent strips, which allows a quick, simple and economic analyze. objectives: to compare drug labelings of two marks of reagent strips in urinalysis (roche combur10 test? ux and bayer multistix? 10 sg). material and method: the principles of ph, protein, glucose, ketone bodies, hemoglobin, bilirubin, urobilinogen, nitrite, specific gravity and leukocytes determinations, as well as the information about possible interferences were compared. results: there were differences in the detection?s reagents of some parameters, like urobilinogen (the ehrlich?s reagent present in multistix is less specific and more propense to analytical interferences than diazonium salt derived of methoxybenzene, used by roche strip); the differences in the reagents used for nitrite, protein, glucose, bilirubin and hemoglobin determinations were relatively subtle. discussion: there was diversity of information about the potential interferences, which could be justified (at least partially) by differences in the reagents. differences in the information about interferences had been detected between spanish and portuguese versions in the same product labeling, like the omission of some interferences in the product labeling in portuguese. great disparity in the reaction?s intensity and its expression in crosses were observed (e.g. for glucose), and it could lead to misunderstanding in the interpretation of laboratorial findings. conclusion: these data reinforce the importance of standardizations in the urinalysis.
Saúde e meio ambiente: análise de diferenciais intra-urbanos, Município de S o Paulo, Brasil  [cached]
Akerman Marco,Campanario Paulo,Maia Paulo Borlina
Revista de Saúde Pública , 1996,
Abstract: Objetivou-se preencher as lacunas no tipo de informa o necessária sobre mortalidade para estabelecimento de correla es entre saúde, urbaniza o e meio ambiente. As estatísticas produzidas baseiam-se na análise de dados de registros contínuos, dados de pesquisas, relatórios e censos populacionais. Dados socioecon micos foram utilizados para construir um indicador composto para cada distrito e subdistrito fornecendo a base para a constru o de quatro zonas socioecon micas. S o apresentados diferenciais de mortalidade entre essas zonas, distribuídos por quatro grupos de causas e cinco grandes grupos etários. O zoneamento urbano mostrou que 43,8% da popula o da cidade de S o Paulo vive em áreas com as piores condi es socioecon micas. Os dados de saúde demonstraram que pessoas vivendo nessas áreas tinham padr o de mortalidade mais elevado que aquelas vivendo em áreas com melhores condi es socioecon micas. Analisa-se a sobremortalidade entre as zonas socioecon micas e sugere-se este enfoque como instrumento útil para a defini o de prioridades na aloca o de recursos de saúde.
Diferenciais de gênero no impacto do arranjo familiar no status de saúde dos idosos brasileiros
Romero Dalia E.
Ciência & Saúde Coletiva , 2002,
Abstract: Analisam-se os diferenciais por gênero na rela o do arranjo familiar com o status de saúde de pessoas com 65 anos ou mais, incorporando também fatores socioecon micos e sociodemográficos. Utilizam-se dados da PNAD de 1998. Foram desenvolvidos diversos modelos de regress o logística para duas variáveis dependentes: auto-avalia o da saúde e declara o de doen as. Os fatores explicativos (área rural/urbana, idade, renda per capita, analfabetismo, arranjo familiar e condi o no domicílio) foram incorporados seqüencialmente para avaliar as mudan as da inter-rela o. Encontrou-se que, embora as mulheres tenham mais desvantagem quanto à declara o de doen as, a auto-avalia o da condi o de sua saúde é relativamente similar à dos homens. Os diferenciais de gênero no padr o de arranjo familiar dos idosos s o em parte responsáveis pela desvantagem no status de saúde das mulheres. Conclui-se que a formula o de políticas para o melhoramento do status de saúde do idoso deve considerar a existência de importantes diferen as de gênero no padr o da estrutura e arranjo de suas famílias. Existe necessidade de maior disponibilidade de inquéritos para idosos, que permitam aprofundamento na rela o entre saúde do idoso, gênero e família.
Auto-exame de mama: conhecimento de usuárias atendidas no ambulatório de uma maternidade escola  [cached]
Davim Rejane Marie Barbosa,Torres Gilson de Vasconcelos,Cabral Maria Lúcia Nunes,Lima Vilma Maria de
Revista Latino-Americana de Enfermagem , 2003,
Abstract: Estudo descritivo desenvolvido no ambulatório de uma Maternidade Escola em, Natal/RN. Objetivou-se identificar o conhecimento e as altera es encontradas no auto-exame de mama e descrever como as mulheres se auto-examinam. A popula o foi constituída por mulheres referenciadas de outros servi os de saúde, e a amostra constou de 109 mulheres que tinham entre 15 a 83 anos de idade. O instrumento para a coleta de dados foi um formulário de entrevista contendo dados de identifica o e acerca do auto-exame de mama. A partir dos dados coletados, identificamos que, das 109 participantes do estudo, 36 (33%) estavam entre 15 a 39 anos de idade; 58 (53%) entre 40 a 58 anos, e 15 (14%), na faixa entre 60 a 83 anos. 75% referem se auto-examinarem e, ao detectarem alguma altera o nas mamas durante o auto-exame, procuraram o médico para o tratamento correto.
ENEM: um demonstrativo das mudan as socioecon micas no perfil dos participantes
álvaro Henrique Freitas,Elaine Freitas,Vanessa Coelho Garcia,Ricardo Birenbaum
Meta : Avalia??o , 2009,
Abstract: O presente trabalho apresenta algumas características socioecon micas dos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), nos anos de sua edi o em que ocorreram expressivos aumentos do contingente de participantes. Compara a primeira edi o do Exame, em 1998 com as edi es de 2001 e 2005 para verificar possíveis altera es no perfil de seus participantes e quais foram elas, utilizando as informa es contidas nos questionários socioecon micos respondidos pelos avaliados. Descreve sucintamente o ENEM, sua concep o e desenvolvimento que, ao longo dos dez anos de existência sofreu duas grandes mudan as que alavancaram de forma extremamente significativa o número de inscritos: no ano de 2001 com a gratuidade da taxa de inscri o aos alunos da Rede Pública e em 2005 com a vincula o da cess o de bolsas em Institui es Superiores de Ensino Privadas às notas obtidas no Exame. O estudo apresenta tabelas e gráficos ilustrativos que permitem uma melhor visualiza o e análise das mudan as ocorridas.
Qualidade de vida de idosos com incontine ncia urina ria
Darlene Mara dos Santos Tavares,Alisson Fernandes Bolina,Flavia Aparecida Dias,Nilce Maria de Freitas Santos
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2011,
Abstract: Inque rito domiciliar, transversal e observacional que objetivou descrever a qualidade de vida dos idosos com incontine ncia urina ria (IU). Participaram 243 idosos que auto-referiram incontine ncia urina ria. Realizou-se ana lise descritiva e teste t- Student (p<0,05). A maioria era do sexo feminino, entre 70├80 anos, viu vas(os), sem escolaridade e renda mensal individual de um sala rio mi nimo. A qualidade de vida mensurada pelo WHOQOL-BREF e mo dulo WHOQOL-OLD evidenciou maior escore em ambos os sexos, no domi nio relac o es sociais e faceta morte e morrer, e menor no domi nio fi sico e facetas participac a o social no sexo feminino e autonomia no masculino. Verificou-se maior escore nos homens em todos os domi nios e facetas avaliadas, embora sem diferenc a significativa. Os servic os de sau de devem desenvolver ac o es que visem reduzir o impacto dessa morbidade na qualidade de vida das idosas.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.