oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Interna o hospitalar e mortalidade por esquistossomose mans nica no Estado de Pernambuco, Brasil, 1992/2000  [cached]
Resendes Ana Paula da Costa,Souza-Santos Reinaldo,Barbosa Constan?a Sim?es
Cadernos de Saúde Pública , 2005,
Abstract: Com o objetivo de conhecer as tendências históricas, o perfil epidemiológico e a distribui o espacial das interna es hospitalares e óbitos por esquistossomose no Estado de Pernambuco, Brasil, procedeu-se à análise de dados do Sistema de Informa es Hospitalares e do Sistema de Informa es sobre Mortalidade entre 1992 e 2000. Os resultados evidenciaram uma redu o das interna es e mortalidade, além de apontar maior número de interna es e óbitos em indivíduos do sexo masculino. Houve menor percentual de óbitos e de pacientes internados por esquistossomose em menores de 30 anos. No entanto, a esquistossomose ainda apresenta uma importante magnitude evidenciada pelo número de óbitos por esta causa e pelo número de pacientes internados na rede hospitalar em Pernambuco. Por meio da análise espacial da distribui o da endemia no Estado, pode-se verificar que, apesar de ter ocorrido entre 1995 e 1999 uma maior dispers o das interna es por esquistossomose para os municípios do Sert o e S o Francisco, o número de municípios com interna o hospitalar por causa da esquistossomose sofreu uma redu o para Pernambuco entre 1995 e 1998, seguido de um aumento para o ano de 1999 e 2000.
Aspectos históricos da implanta o de um servi o de atendimento pré-hospitalar  [PDF]
Elisangelo Aparecido Costa da Silva,Anaclara Ferreira Veiga Tipple,Joaquim Tomé de Souza,Virginia Visconde Brasil
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2010,
Abstract: O servi o de atendimento pré-hospitalar (APH) desempenha importante papel na saúde pública, uma vez que as doen ascardiovasculares e os eventos relacionados às causas externas como situa es emergenciais s o observadas cada vez maisna popula o em geral. A reuni o de informa es históricas permite ao leitor se inteirar rapidamente de como ocorreu acria o e estrutura o dos servi os de atendimento pré-hospitalar. Os objetivos foram descrever os aspectos históricos daestrutura o do servi o de atendimento pré-hospitalar e sua implanta o e evolu o no estado de Goiás. Trata-se de umaatualiza o que procura resgatar dados históricos relacionados ao APH em Goiás. Observa-se que, no Brasil, a forma o dasequipes de profissionais e a forma da abordagem no atendimento às vítimas foram baseadas nos modelos americano efrancês de APH. S o políticas públicas de saúde ligadas à aten o às urgências ainda novas e caminham para oaprimoramento. Como profissionais da área da saúde e/ou do APH, somos co-responsáveis pelo alcance do objetivoprimordial que é a excelência no atendimento.
Organiza o de servi os de emergência hospitalar: uma revis o integrativa de pesquisas  [PDF]
Ana Lídia de Castro Sajioro Azevedo,Ana Paula Pereira,Carolina Lemos,M?nica Franco Coelho
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2010,
Abstract: A organiza o de servi os de urgência/emergência propicia elementos para assistência qualificada integral e contínua aos usuários. Trata-se de revis o integrativa de literatura com objetivo de sintetizar produ o científica latino americana sobre organiza o dos servi os de urgência/emergência hospitalar no período de 1988 a mar o de 2010. Os dados foram coletados em base eletr nica (LILACS) e registrados em instrumento específico. A amostra totalizou 41 publica es. Os artigos foram agrupados por similaridade de conteúdo: aspectos estruturais do sistema de saúde, 12 artigos (29,3%), aspectos estruturais hospitalares, 10 artigos (24,4%) e qualidade da assistência, 19 artigos (46,3%). O crescimento do número de acidentes, violência urbana e insuficiente estrutura o da rede de servi os de saúde s o fatores que têm contribuído decisivamente para a sobrecarga dos servi os de urgência/emergência. O conhecimento desta realidade é de importancia fundamental, no sentido de valorizar as necessidades de reestrutura o do atual sistema de saúde, na perspectiva de consolida o dos princípios do SUS.
Anemia aplástica severa: análise dos pacientes pediátricos atendidos pelo servi o de transplante de medula óssea do Hospital de Clínicas de Curitiba no período de 1979-1993
FONSECA TERESA CRISTINA CARDOSO,PAQUINI RICARDO
Revista da Associa??o Médica Brasileira , 2002,
Abstract: A anemia aplástica severa é uma doen a rara que acomete pessoas de todas as regi es do mundo. Devido a sua raridade, existem dificuldades em se caracterizar o perfil dos pacientes acometidos pela doen a, assim como identificar possíveis fatores implicados na sua etiologia. OBJETIVO: Descrever o perfil dos pacientes pediátricos atendidos com anemia aplástica severa, analisando variáveis como distribui o de idade, sexo, local de habita o, etiologia e nível socioecon mico. MéTODOS: FOI realizada uma análise descritiva das características encontradas em todos os pacientes com idade inferior a 18 anos, encaminhados no período de 1979-1993 com diagnóstico da doen a, conforme classifica o proposta por Camitta et al. As informa es foram obtidas através do prontuário médico e de um questionário aplicado pela pesquisadora em 79 das 134 famílias. RESULTADOS: A média das idades foi de 10,89 anos. Houve leve predominancia do sexo feminino. A maioria dos pacientes residia na zona urbana da regi o sul do país. 34% das famílias n o identificaram um fator causal. Os pesticidas agrícolas e os derivados de benzeno foram os fatores causais mais relatados no questionário. Das 79 famílias que responderam ao questionário, 83,5% tinham renda familiar inferior a 1 salário mínimo " per capita" e 70,9% das m es tinham nível de escolaridade inferior o primeiro grau completo. CONCLUS O: O perfil da popula o pediátrica com anemia aplástica severa atendida no Servi o de Transplante de Medula óssea de Curitiba é formado predominantemente por crian as de 11 anos, do sexo feminino, provenientes da zona urbana da regi o sul do país, com baixo nível socioecon mico, que relataram os pesticidas agrícolas e derivados de benzeno como possíveis fatores etiológicos.
DIMENS O GERENCIAL DO TRABALHO DO ENFERMEIRO EM UM SERVI O HOSPITALAR DE EMERGêNCIA  [cached]
José Luís Guedes dos Santos,Maria Alice Dias da Silva Lima
Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria , 2011,
Abstract: RESUMO: Estudo com objetivo de analisar a dimens o gerencial do processo de trabalho do enfermeiro em um servi o hospitalar de emergência. Pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso aprovada pelo Comitê de ética da institui o de referência (09-151). Os dados foram coletados entre junho e setembro de 2009, mediante observa o participante e entrevistas com 22 enfermeiros do Servi o de Emergência de um Hospital Universitário do Rio Grande do Sul – RS, e analisados a partir da técnica de análise de conteúdo temática. O trabalho dos enfermeiros é constantemente influenciado por situa es inesperadas e pela procura por atendimento, que variam em diversidade e complexidade. A dimens o gerencial do trabalho do enfermeiro contempla a realiza o e o planejamento do cuidado, a previs o e provis o de recursos para o bom funcionamento da unidade e a lideran a, supervis o e capacita o da equipe de enfermagem. Os enfermeiros reconhecem a importancia do trabalho em equipe e sua responsabilidade na articula o das a es dos profissionais de saúde. A superlota o e manuten o da qualidade do cuidado s o os principais desafios gerenciais dos enfermeiros. As estratégias para superá-los incluem mudan as no fluxo de atendimento dos pacientes e na estrutura física da unidade e a reorganiza o do sistema de saúde para a aten o às urgências. Esses resultados podem colaborar com o trabalho dos enfermeiros possibilitando que reflitam sobre suas práticas e avancem na compreens o da gerência do cuidado como instrumento para a melhoria das práticas de aten o à saúde nos servi os de emergência.
FATORES RELACIONADOS á READMISS O DE PACIENTES EM SERVI O HOSPITALAR DE EMERGêNCIA FACTORES RELACIONADOS A LA READMISIóN DE PACIENTES EN EL SERVICIO HOSPITALARIO DE EMERGENCIA FACTORS RELATED TO PATIENT READMISSIONS AT THE EMERGENCY SERVICE  [cached]
RANGEL BíSCARO VALERA,RUTH NATALIA TERESA TURRINI
Ciencia y Enfermería : Revista Iberoamericana de Investigacíon , 2008,
Abstract: A elevada procura pelo Servi o de Emergência e conseqüente permanência dos pacientes em repetidas admiss es torna-se urna situa o difícil para os enfermeiros responsáveis pelo gerênciamento desses servi os. Estudo transversal e descritivo realizado no Servi o de Emergência de um hospital de ensino de aten o terciaria a saúde em S o Paulo, que teve por objetivos identificar o perfil sócio-demográfi o e morbidade dos pacientes readmitidos e identificar os fatores relacionados as readmiss es. A amostra foi composta por maiores de 14 anos internados no Servi o de Emergência, com mais de urna admiss o nos seis meses anteriores o dia da coleta de dados, realizada no mes de Maio de 2004. A incidência de readmiss es foi 23,3%, com predominio de homens (61,9%), idade na faixa de 40 a 90 anos (85,9%) e baixa escolaridade (57,8%). A maioria dos pacientes (57,6%) foi readmitida com o mesmo diagnósti o e 23,9% devido a complica es do diagnósti o de base. Concluiu-se que a elevada incidência de readmiss es pode ser atribuida a evolu o da doen a cróni o-degenerativa, a avan ada idade dos pacientes, as complica es pós-operatórias, a n o resolu o do problema anterior e o baixo seguimento das orienta es recebidas. Tais achados sugerem a necessidade de investir em melhorias na qualidade do atendimento hospitalar com maior atua o do enfermeiro na assisténcia direta o paciente nos servi os de emergência e na extens o do cuidado no domicilio. La elevada demanda del Servicio de Emergência y la consecuente permanência de los pacientes en repetidas admisiones se convierte en una situación difícil para los enfermeros responsables de la gestión de esos servicios. Este estudio corresponde a un estudio transversal y descriptivo realizado en el Servicio de Emergência de un hospital de ense anza de atención terciaria en salud, en la ciudad de S o Paulo, cuyo objetivo buscó identificar el perfil socio-demográfi o, la morbilidad de los pacientes readmitidos e identificar los factores relacionados con las readmisiones. La muestra comprendía pacientes mayores de 14 a os ingresados en el Servicio de Emergência, con más de una admisión en los seis meses anteriores al día de la recolección de datos realizada en mayo de 2004. La incidência de readmisiones fue del 23,3%, con predominio del sexo masculino (61,9%), edad entre 40 y 90 a os (85,9%) ybaja escolaridad (57,8%). La mayoría de los pacientes (57,6%) fue readmitida con el mismo diagnósti o, debido a complicaciones del diagnósti o de base (23,9%). Se concluyó que la elevada incidência de readmisiones puede atribuirse a la evolu
Saúde do trabalhador & terceiriza o: perfil de trabalhadores de servi o de limpeza hospitalar  [cached]
Chillida Manuela de Santana Pi,Cocco Maria Inês Monteiro
Revista Latino-Americana de Enfermagem , 2004,
Abstract: Nas duas últimas décadas, a terceiriza o de servi os possibilitou a redu o dos custos das empresas, pela racionaliza o de suas a es e explora o de rela es precárias do trabalho. Esta pesquisa teve por objetivo tra ar o perfil dos trabalhadores terceirizados, que atuavam no servi o de limpeza de um hospital universitário, identificar suas perspectivas em rela o ao processo saúde-doen a e ao seu futuro. Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem quantitativa, com amostragem aleatória, com 50 trabalhadores. A maioria come ou a trabalhar precocemente, 74% eram do sexo feminino e com baixa escolaridade. Dos entrevistados, 36% referiram doen as diagnosticadas pelo médico. No período estudado, 84% dos trabalhadores entrevistados realizaram consultas médicas, totalizando 181 consultas, resultando em média 3,6 consultas por trabalhador, sendo a mais freqüente, 56%, com o clínico geral. A análise dos dados possibilitou a identifica o das perspectivas desses profissionais em rela o ao processo saúde/doen a e ao seu futuro.
Interna??o hospitalar e mortalidade por esquistossomose mans?nica no Estado de Pernambuco, Brasil, 1992/2000
Resendes, Ana Paula da Costa;Souza-Santos, Reinaldo;Barbosa, Constan?a Sim?es;
Cadernos de Saúde Pública , 2005, DOI: 10.1590/S0102-311X2005000500011
Abstract: in order to investigate the historical trends, epidemiological profile, and spatial distribution of hospital admissions and deaths from schistosomiasis in the state of pernambuco, brazil, an analysis was conducted of data from the hospital information system and mortality information system from 1992 to 2000. the results showed a reduction in hospital admissions and mortality, while identifying more admissions and deaths among males. there was a lower percentage of deaths and admissions from schistosomiasis in individuals under 30 years of age. however, schistosomiasis is still of relevant magnitude, as evidenced by the number of deaths from this cause and the number of patients admitted to the hospital system in pernambuco. a spatial analysis of the endemic's distribution in the state showed that although from 1995 to 1999 there was a greater spread of admissions due to schistosomiasis in the municipalities (counties) of the sert?o (backlands) and s?o francisco river valley, the number of municipalities with hospitalizations due to schistosomiasis decreased from 1995 to 1998, followed by an increase in 1999 and 2000.
Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma atendidas em um servi o pré-hospitalar avan ado móvel  [PDF]
Regilene Molina Zacareli Cyrillo,Maria Célia Barcellos Dalri,Silvia Rita Marin da Silva Canini,Emilia Campos de Carvalho
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2009,
Abstract: O servi o de atendimento pré-hospitalar móvel de urgência presta atendimento a toda e qualquer solicita o de ajudafora do ambito hospitalar visando a manuten o da vida e minimiza o de sequelas, exigindo do enfermeiroconhecimentos e habilidades específicas. Este estudo teve como objetivo identificar os diagnósticos de enfermagemem vítimas de trauma atendidas em um Servi o Avan ado Móvel de Urgência (SAMU) do interior do estado de S oPaulo. Foi elaborado e validado um instrumento de coleta de dados, segundo o modelo conceitual de Horta; os dadoscoletados foram validados por peritos na temática. O projeto foi aprovado por Comitê de ética e Pesquisa. Foramavaliadas 23 vítimas de trauma, sendo 17 (73,9%) homens, 16 (69,5%) com idade entre 18 e 30 anos e 14 (60,1%)vítimas de acidentes de transito. Os diagnósticos de enfermagem mais frequentes foram: Risco para infec o (91%),Risco para trauma (82%), Dor aguda (74%), Integridade tissular prejudicada (65%), Volume de líquidos deficiente(43%) e Risco para volume de líquido deficiente (43%). Este estudo permitiu identificar os principais diagnósticos deenfermagem nesta clientela específica, os quais poder o fornecer importantes subsídios para futuras investiga es,sobretudo abordando interven es de enfermagem.
Problemas de violência ocupacional em um servi o de urgência hospitalar da Cidade de Londrina, Paraná, Brasil  [cached]
Cezar Eliene Sim?es,Marziale Maria Helena Palucci
Cadernos de Saúde Pública , 2006,
Abstract: A violência no trabalho é um fator atualmente preocupante nos hospitais. Este estudo teve como objetivos caracterizar os problemas de violência ocupacional, detectados pelos trabalhadores da equipe de saúde do servi o de urgência hospitalar. Estudo exploratório e transversal, com abordagem quantitativa dos dados, foi realizado no servi o de urgência de um hospital geral da Cidade de Londrina, Paraná, Brasil. Popula o composta por 33 trabalhadores da equipe de enfermagem e 14 médicos. Dados coletados por meio de entrevistas realizadas com os trabalhadores e com os gestores do servi o médico e de enfermagem, e consulta aos registros de violência dos últimos sete anos. Os resultados mostraram que 100% dos enfermeiros, 88,9% dos técnicos, 88,2% dos auxiliares de enfermagem e 85,7% dos médicos referiram ter sido vítimas de atos de violência no trabalho, embora n o registradas. Tipo de violência sofrida: 95,2% agress o verbal; 33,3% por assédio moral e assédio sexual, respectivamente. Medidas preventivas para a violência ocupacional devem ser implementadas.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.