oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
Fitase em ra??es para tilápia-do-nilo na fase de crescimento
Bock, Claudio Luiz;Pezzato, Luiz Edivaldo;Cantelmo, Osmar Angelo;Barros, Margarida Maria;
Revista Brasileira de Zootecnia , 2007, DOI: 10.1590/S1516-35982007000700001
Abstract: this research was carried out to compare the effect of phytase on performance, in the incorporation and excretion phosphorus in nile tilápia. four diets were used: one standard (contol), composed by 3,200 de kcal ed/kg of ration and 30.0% cp and supplemented with phosphorus (4.0% of dicalcium phosphate), considering the treatment control, and others three, without phosphorus supplementation, with different phytase levels (1,000, 1,500, and 2,000 uf/kg), with four replication, per a period of 82 days. circular tanks of fiber glass, with constant flow and aeration were used. the results demonstrated that the use of phytase in diets for fish production can reduce the levels of inorganic phosphorus in the diets and minimizing the impacts caused by phosphorus in the production system and in the natural environment and also can improve the productivity, increasing the amount of feed to be supplied and, consequently, facilitating the increase of biomass of fish to be used per production area.
Substitui o da proteína do farelo de soja pela proteína do farelo de canola em dietas para a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) na fase de crescimento
Soares Claudemir Martins,Hayashi Carmino,Faria Anna Christina Esper Amaro de,Furuya Wilson Massamitu
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: Este experimento foi realizado com o objetivo de avaliar os efeitos de diferentes níveis de substitui o da proteína do farelo de soja (FS) pela proteína do farelo de canola (FC) sobre o desempenho e características de carca a da tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), na fase de crescimento. Foram utilizados 80 peixes (22,19±0,29 g) distribuídos em um delineamento em blocos casualizados, com quatro tratamentos e cinco repeti es. As dietas foram formuladas de forma a terem níveis de 0,00; 33,33; 66,67 e 100,00% de substitui o da PB do FS pela PB do FC, correspondendo a 0,00; 24,50; 49,00 e 73,50% de inclus o do FC nas dietas. Observou-se efeito quadrático dos níveis de substitui o sobre o ganho de peso e rendimento de carca a. A convers o alimentar aparente e a taxa de eficiência protéica n o foram afetadas pela inclus o do FC nas dietas. Concluiu-se que o FC pode ser incluído em até 35,40% da dieta, substituindo 48,17% da PB do FS em dietas para a tilápia do Nilo, na fase de crescimento.
THE USE OF PEARL MILLET GRAIN (Pennisetun americanun L., LEEKE) IN SWINE GROWING RATIONS UTILIZA O DO GR O DO MILHETO (Pennisetum americanum L., Leeke) EM RA ES PARA SUíNOS NA FASE DE CRESCIMENTO  [cached]
Rom?o da cunha Nunes,Márcia Nunes Bandeira,Aldi Fernandes de Souza Fran?a,José Henrique Stringhini
Pesquisa Agropecuária Tropical , 2007, DOI: 10.5216/pat.v27i1.2951
Abstract: A trial was carried out in order to evaluate the inclusion of pearl millet (Pennisetum americanum) in swine growing rations 20 Agroceres-PIC cross-bred swine weighting about 25.00 kg and fed rations with different levels of millet (0, 25, 50, 75 and 100%) in substitution of the digestible energy furnished by corn. The experimental design used was the completely randomized with 5 replacing levels. With the results obtained in this experiment, it is concluded that the completely substitution of corn by millet is possible to be used in swine growing rations. KEY-WORDS: Pennisetum americanum; pearl millet; swine growing rations; energetic feed. Foi conduzido um experimento para avaliar a substitui o de diferentes níveis de milho pelo milheto na formula o de ra o para suínos na fase de crescimento. Utilizaram-se 20 suínos mesti os da linhagem Agroceres-PIC com peso médio inicial de aproximadamente 25,00 kg. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com 5 tratamentos. Com os resultados obtidos neste experimento, concluiu-se que é viável a substitui o do milho pelo milheto em ra es para suínos na fase de crescimento. PALAVRAS-CHAVE: Milheto; Pennisetum americanum; suínos em crescimento; concentrados energéticos.
DESEMPENHO DE BOVINOS LEITEIROS EM FASE DE CRESCIMENTO ALIMENTADOS COM FARELO DE GIRASSOL  [cached]
José Américo Soares Garcia,,Paulo de Figueiredo Vieira,Paulo Roberto Cecon,Mara Cristina Setti
Ciência Animal Brasileira , 2006,
Abstract: O experimento foi realizado para se estudarem os efeitos da inclus o de níveis crescentes de farelo de girassol (0%, 15%, 30% e 45%) em substitui o ao farelo de soja no concentrado utilizado para bovinos da ra a Holandesa em fase de crescimento, sobre os consumos de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), extrato n o nitrogenado (ENN), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA) e matéria mineral (MM), e sobre ganhos de peso. Utilizaram-se, em blocos casualizados, 24 bovinos de treze meses de idade média inicial e peso médio inicial de 194 kg. Os consumos obtidos durante os 84 dias experimentais, expressos em gramas por unidade de tamanho metabólico, de MS, PB, ENN e MM, n o foram influenciados pelos níveis de inclus o do farelo de girassol. Contudo, houve redu o linear no consumo de EE e aumento linear nos consumos de FDN e FDA com o acréscimo do farelo de girassol na dieta. N o houve efeito dos níveis de inclus o do farelo de girassol sobre o ganho de peso. Concluiu-se que o farelo de girassol, até o nível de 45% de inclus o no concentrado, poderá ser utilizado com eficiência na dieta de bovinos leiteiros em fase de crescimento. PALAVRAS-CHAVE: Concentrados, consumo de alimento, desempenho, silagem de milho.
DIGESTIBILIDADE APARENTE DO FARELO DE GIRASSOL NA ALIMENTA O DE BOVINOS LEITEIROS EM FASE DE CRESCIMENTO  [cached]
José Américo Soares Garcia,Paulo de Figueiredo Vieira,Paulo Roberto Cecon,Gabriel Maurício Peruca de Melo
Ciência Animal Brasileira , 2006,
Abstract: O experimento foi realizado para se estudarem os efeitos dos níveis de 0%, 15%, 30% e 45% de farelo de girassol nos concentrados de bovinos da ra a Holandesa em fase de crescimento, sobre as digestibilidades aparentes da matéria seca (MS), da proteína bruta (PB), do extrato etéreo (EE), do extrato n o-nitrogenado (ENN), da fibra bruta (FB), da fibra em detergente neutro (FDN) e da fibra em detergente ácido(FDA), bem como determinar os teores de nutrientes digestíveis totais (NDT) dos concentrados e da silagem de milho, por meio da técnica in vivo com colheita total de fezes.Foram utilizados vinte bovinos com dezesseis meses de idade, média inicial e peso médio inicial de 285 kg. Desses vinte animais, quatro foram utilizados para determinar a digestibilidade da silagem de milho e dezesseis foram usados para avaliar o efeito da inclus o de farelo de girassol na dieta,os quais foram distribuídos em um delineamento em blocos ao acaso, com quatro blocos e quatro tratamentos. Os coeficientes de digestibilidades aparentes da MS e dos nutrientes dos concentrados foram calculados por diferen a daqueles obtidos para o volumoso. N o houve efeito dos níveis de inclus o de farelo de girassol nos concentrados sobre os coeficientes de digestibilidades aparentes da MS (82,3%), PB(82,2%), EE (57,2%), ENN (92,6), FB (44,8%), FDN (72,5%) e FDA (70,5%). Concluiu-se que, até o nível 45% de inclus o no concentrado, o farelo de girassol poderá ser utilizado, com eficiência, na dieta de bovinos leiteiros em fase de crescimento. PALAVRAS-CHAVE: Digestibilidade in vivo, nutrientes digestíveis totais, silagem de milho.
Exigência de metionina + cistina para frangos de corte na fase de crescimento e acabamento
Rodrigueiro Ramalho José Barbosa,Albino Luiz Fernando Teixeira,Rostagno Horacio Santiago,Gomes Paulo Cezar
Revista Brasileira de Zootecnia , 2000,
Abstract: Com o objetivo de determinar as exigências de metionina+cistina, foram utilizados 1440 e 1080 frangos de corte da marca comercial Hubbard, 50% de cada sexo, para as fases de crescimento e acabamento, respectivamente. Seis níveis de suplementa o de DL-metionina (0,0; 0,06, 0,12; 0,18; 0,24; e 0,30%) foram adicionados às ra es basais deficientes em metionina+cistina. Foram avaliados, aos 22-42 e 43-56 dias, ganho de peso, consumo de ra o, convers o alimentar, rendimento e composi o química da carca a, gordura abdominal e concentra o plasmática de ácido úrico. Com base nas análises estatística e nos parametros estudados durante a fase de crescimento (22 a 42 dias de idade), sugere-se utilizar 0,896 e 0,856% de metionina+cistina total para machos e fêmeas, respectivamente. Para a fase de acabamento (43 a 56 dias de idade), com base nas análises estatísticas e nos parametros estudados, sugere-se utilizar 0,764 e 0,740% de metionina+cistina total para machos e fêmeas, respectivamente.
Níveis de energia metabolizável para machos de corte de crescimento lento criados em semiconfinamento
Mendon?a, Michele de Oliveira;Sakomura, Nilva Kazue;Santos, Fabiana Ramos dos;Freitas, Ednardo Rodrigues;Fernandes, Jo?o Batista Kochenborger;Barbosa, Nei André Arruda;
Revista Brasileira de Zootecnia , 2008, DOI: 10.1590/S1516-35982008000800014
Abstract: foram conduzidos três ensaios para avaliar os níveis de energia metabolizável (em) e a melhor rela??o energia:proteína (e:p) para aves de corte machos de crescimento lento criadas em semiconfinamento nas fases inicial (1 a 21), de crescimento (22 a 49) e de termina??o (50 a 70 dias de idade). em cada ensaio, 400 machos da linhagem isa label na fase de cria??o foram alojados em instala??o experimental constituída de 20 piquetes com área coberta de 3,13 m2para alimenta??o e recolhimento das aves e uma área de pastejo de 72,87 m2. o delineamento experimental foi o inteiramente casualizado com cinco tratamentos e quatro repeti??es de 20 aves. os níveis de energia metabolizável fornecidos na ra??o na fase inicial variaram de 2.600 a 3.200 kcal/kg; na fase de crescimento de 2.700 a 3.300 kcal/kg; e na fase final de 2.800 a 3.400 kcal/kg. a proteína bruta e os demais nutrientes foram mantidos constantes em todas as ra??es, de acordo com recomenda??es do nrc (1994) para cada fase. a rela??o energia:proteína e o nível de energia metabolizável que melhoraram o desempenho e as características da carca?a de frangos de corte isa label machos criados em sistema semiconfinado em cada fase estudada foram 128 e 2.750; 147 e 2.850 e 172 e 3.100 kcal de em/kg nas fases inicial, de crescimento e de termina??o, respectivamente.
Estimativas de Herdabilidade e Correla o Genética para Características de Crescimento na Fase de Pré-desmama e Medidas de Perímetro Escrotal ao Sobreano em Bovinos Angus-Nelore  [cached]
Everling Dionéia Magda,Ferreira Gilka Berenice Barbosa,Rorato Paulo Roberto Nogara,Roso Vanerlei Mosaquatro
Revista Brasileira de Zootecnia , 2001,
Abstract: Os dados utilizados neste estudo s o originários de 53.938 bovinos puros e cruzados (Angus x Nelore), coletados em várias regi es do Brasil e da Argentina nascidos entre 1987 e 1998. O objetivo do trabalho foi verificar as herdabilidades e as correla es existentes entre as características de crescimento e as medidas de perímetro escrotal (PE). As variáveis estudadas foram ganho médio diário do nascimento à desmama (GMDND), dias para ganhar 160 kg do nascimento à desmama (D160), peso à desmama (PD) e perímetro escrotal ao sobreano (PE). Foi utilizado o método da Máxima Verossimilhan a Restrita, com o programa computacional MTDFREML e um modelo animal bi-caráter. Para as características de crescimento, foram incluídos, como efeitos fixos, o grupo contemporaneo de desmama, a intera o das composi es raciais dos pais do produto; como covariável, a idade da m e ao parto; e como aleatórios, os efeitos direto e materno. Para a característica PE, no modelo utilizado, consideraram-se os efeitos linear e quadrático da idade ao sobreano e o peso ao sobreano, a intera o das propor es raciais, maternas e paternas e o grupo contemporaneo de sobreano foram introduzidos no modelo como efeitos fixos e o efeito direto do animal como aleatório. As estimativas de herdabilidade foram 0,25, 0,13, 0,23 e 0,21 para GMDND, D160, PD e PE respectivamente. As estimativas de correla es com PE foram 0,17, -0,17 e 0,16 para GMDND, D160 e PD, respectivamente. Os resultados sugerem que as características analisadas podem ser selecionadas conjuntamente em programas de sele o.
Avalia o nutricional da casca de soja integral ou moída, ensilada ou n o, para suínos em fase de crescimento = Nutritional evaluation of whole or grinder soybean hull, ensilaged or not, for growing pigs
Arlei Rodrigues Bonet de Quadros,Ivan Moreira,Diovani Paiano,Cleber Rogério Ribeiro
Acta Scientiarum : Animal Sciences , 2007,
Abstract: Foi conduzido um experimento com 11 suínos híbridos, machos castrados,com peso vivo de 41,42 ± 0,99 kg. Os animais foram alojados individualmente em gaiolas de metabolismo e distribuídos em um delineamento experimental inteiramente casualizado, com parcelas subdivididas, com quatro tratamentos em esquema fatorial 2 x 2 (moagem x ensilagem). Os alimentos avaliados foram: a casca de soja (CS) integral (CSI), CS moída (CSM), silagem de CSI (SCSI) e silagem de CSM (SCSM), que substituíram, com base na matéria seca (MS), 25% da ra o referência e resultaram em quatro ra es teste, sendoadicionado um inoculante enzimático microbiano nas silagens. Houve diferen a somente para o CDPB em rela o ao processamento da CS (ensilada = 68,08% e n o ensilada = 59,44%). Conclui-se que a moagem e/ou ensilagem da CS, n o tem efeito sobre a digestibilidade da MS, da MO, da EB, bem como sobre a metabolizabilidade da energia bruta. A ensilagem aumenta a digestibilidade da PB da casca de soja. An experiment was carried out using 11 crossbred pigs, barrows with body weight of 41.42 ± 0.99 kg. Pigs were allotted in metabolism cages, in a complete randomized design, in a split-plot design, with four treatments in a 2 x 2 (grinding x ensilage) factorial and two replicates. Soybean hull (SH) in the whole form (WSH), ground SH (GSH), WSH silage (WSHS) and GSH silage (GSHS), that replaced (based on dry matter) 25% of the reference diet, were evaluated resulting in four test diets. Enzymatic microbial inoculants were included in the silages production. Crude protein digestibility coefficient of soybean hull ensilage (68.08%) was higher than no silage (59.44%), regardless grinding. Results showed that grinding and/or ensilage do not modify dry matter, organic matter, and gross energy digestibility, as well as energy metabolism. The ensilage processincreases the crude protein digestibility coefficient of soybean hull, regardless grinding.
Disponibilidade biológica do fósforo de diferentes fontes para eqüinos em crescimento
FURTADO CARLOS EDUARDO,TOSI HUGO,VITTI DORINHA MIRIAM SILBER SCHMIDT
Pesquisa Agropecuária Brasileira , 2000,
Abstract: Objetivou-se neste estudo, determinar a disponibilidade biológica do P de diferentes fontes, para eqüinos em fase de crescimento. Utilizaram-se dezesseis eqüinos machos em fase de crescimento, submetidos à aplica o de quatro fontes fosfatadas -- fosfato de rocha de Tapira (TAP), fosfato de rocha de Patos de Minas (PAT), fosfato bicálcico (BIC) e farinha de osso (FOS) --, adicionadas à dieta basal em quantidades suficientes para fornecer 22 g de P/animal/dia. No 16o dia, foram-lhes injetados 30 MBq de 32P/animal, e coletaram-se amostras de sangue, fezes e urina, durante sete dias. Foram determinadas as atividades específicas no plasma, fezes e urina e calculou-se a perda endógena fecal e a absor o real de P. Os valores obtidos quanto ao P consumido, P excretado, P no plasma e P retido n o apresentaram diferen as estatísticas (P>0,05). Os valores de absor o real do P do TAP, PAT, BIC e da FOS foram, respectivamente, 25,23%, 33,97%, 31,71% e 29,36%. N o houve diferen as estatísticas (P>0,05) entre as fontes estudadas. Em rela o ao BIC, as rochas fosfáticas apresentaram altos valores de disponibilidade biológica.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.