oalib
Search Results: 1 - 10 of 100 matches for " "
All listed articles are free for downloading (OA Articles)
Page 1 /100
Display every page Item
O impacto da malforma??o fetal: indicadores afetivos e estratégias de enfrentamento das gestantes
Vasconcelos,Lívia; Petean,Eucia Beatriz Lopes;
Psicologia, Saúde & Doen?as , 2009,
Abstract: the objective of this study was to know how to establish the maternalfetal attachment, anxiety, depression and the manners of pregnant women coping with diagnosis of malformed fetuses. we studied 22 pregnant women assisted in the gynecology and obstetric services of two cities in s?o paulo state, brazil. they were applied: 1) scale of maternal-fetal attachment (cranley, 1981); inventory of anxiety (bai) and depression (bdi) beck (1961) and 4 the scale of manners of coping of the problem emep (vitaliano et al., 1985). the results point that 21 (95,4%) participant pregnant women of this study show the maximum maternal-fetal bond, three of them (13,6%) show clinical indicators for depression and anxiety and 12 (54,5%) of them use as coping strategies the search of religious practices. that means, strategies that include hope and faith feelings, in front the diagnosis of fetal malformation. we can conclude that even in front to the diagnosis, the pregnant women tend to maintain the fetal maternal attachment and they use of several coping strategies, being the main of them looking for it for religious practices.
Enfrentamento, locus de controle e preconceito: um estudo com pessoas de orienta o sexual homoafetiva  [cached]
André Faro Santos,Sheyla Christine Santos Fernandes
Psicologia em Revista , 2009,
Abstract: Esta pesquisa objetivou identificar os tipos de enfrentamento da discrimina o mais usados por pessoas de orienta o sexual homoafetiva, além de verificar a ades o ao tipo de locus de controle usado para explicar os acontecimentos de suas vidas e analisar as rela es entre modos de enfrentamento e locus de controle. Participaram 31 pessoas de orienta o sexual homoafetiva residentes em Aracaju-SE. Realizou-se a coleta por meio da escala de modos de enfrentamento de problemas (EMEP) e uma escala de locus de controle. As principais estratégias de enfrentamento usadas foram o foco no problema e o suporte social, sendo que o locus de controle interno predominou como explica o da causalidade. O locusinterno apresentou correla o positiva com o foco no problema (p<.01) e o suporte social (p<.05), enquanto que o locus externo correlacionou-se positivamente com o foco na emo o (p<.01) e busca pela religiosidade (p<.05).
Cuidadores de crian as e adolescentes com leucemia: análise de estratégias de enfrentamento  [cached]
Marinna Sim?es Mensori,Marina Kohlsdorf,áderson L. Costa Junior
Psicologia em Revista , 2009,
Abstract: Este estudo teve como objetivo principal investigar mudan as nas estratégias de enfrentamento adotadas por 30 cuidadores ao longo do semestre inicial de tratamento de leucemia de crian as e adolescentes. A escala de modos de enfrentamento de problemas (EMEP) foi aplicada ao diagnóstico depois de dois a três meses, desde o início do tratamento, e após cinco a seis meses de tratamento. Em aplica es correspondentes, foi usado o inventário Beck de ansiedade (BAI). Observou-se uma redu o dos níveis de ansiedade no decorrer do tratamento, bem como o predomínio de estratégias de enfrentamento focadas em práticas religiosas, problema e busca por suporte social. Sugere-se um maior cuidado das equipes de oncologia pediátrica para a identifica o das necessidades de interven o psicossocial que envolvem os pacientes e seus cuidadores. Os dados permitem planejar interven es preventivas que aumentem a probabilidade da aquisi o e manuten o de estratégias de enfrentamento mais eficientes por parte dos cuidadores.
Anticoagula o durante gravidez de mulher portadora de cardiopatia Anticoagulation during pregnancy of woman with heart diseases  [cached]
Walkiria Samuel ávila
Jornal Vascular Brasileiro , 2010,
Abstract: Diretrizes em muito contribuem para minimizar os potenciais riscos obstétricos e fetais e melhorar a assistência durante o ciclo gravídico-puerperal. Contudo, há controvérsias a respeito do manuseio da anticoagula o em mulheres portadoras de cardiopatias. A importancia deste assunto assenta-se no fato de que o tromboembolismo é considerado uma das principais causas de morte materna em portadoras de cardiopatia, o que torna obrigatório o conhecimento sobre sua preven o. A estratégia do tratamento antitrombótico é ponderada pelo risco de trombose imposto pela situa o clínica materna e pelos efeitos adversos que os anticoagulantes podem causar ao concepto. Neste artigo, ser o discutidas a estratifica o do risco materno ao tromboembolismo, as propriedades dos anticoagulantes indicados para a sua preven o e a estratégia terapêutica nos diversos momentos da gesta o, parto e puerpério da mulher portadora de cardiopatia. Guidelines provide great contribution to the reduction of potential obstetric and fetal risks and to the improvement of health care during pregnancy and puerperium. However, there are still controversies regarding the management of anticoagulation in women with heart diseases. The importance of this issue is based on the fact that thromboembolism is considered one of the main causes of maternal death in women with heart diseases; therefore, the acquisition of knowledge about how to prevent this disorder is mandatory. The strategy of the antithrombotic treatment is based on the risk of thrombosis imposed by the maternal clinical picture and on the adverse effects of the anticoagulants for the conceptus. In the present study, we discussed the stratification of maternal risk of thromboembolism, the properties of the anticoagulants indicated for its prevention, and the therapeutic strategy at different moments of pregnancy, delivery and puerperium of women with heart diseases.
Perfil lipídico de indivíduos sem cardiopatia com sobrepeso e obesidade
Araújo Fernando,Yamada Alice T.,Araújo Marinalva V. M.,Latorre Maria do Rosário D. O.
Arquivos Brasileiros de Cardiologia , 2005,
Abstract: OBJETIVO: Avaliar o perfil lipídico de indivíduos com sobrepeso e obesidade submetidos à avalia o cardiológica e que n o mostraram evidências de cardiopatia. MéTODOS: Amostra com 684 indivíduos, 389 (56,9%) mulheres e 295 (43,1%) homens, com idade de 14 a 74 (média 40,6) anos, sem evidências de cardiopatia após avalia o clínica e análise do eletrocardiograma, radiografia do tórax, teste ergométrico em esteira e ecocardiograma bidimensional com Doppler. Foi estudado o perfil sérico de lípides e glicose quanto ao sexo e faixas do índice de massa corpórea (IMC) - eutróficos até 24,9 Kg/m2, sobrepeso 25-29,9 Kg/m2 e obesos > 30 Kg/m2. RESULTADOS: Apresentaram diferen a estatisticamente significativa entre os sexos (médias): glicose (mg/dL) de mulheres 90,21±23,13 e homens 95,28±28,64 (p<0.001); triglicérides (mg/dL) de mulheres 97,27±55,24 e homens 141,47±57,06 (p<0,001) e HDL-C (mg/dL) de mulheres 52,63±13,92 e homens 43±10,88 (p<0,001). O IMC médio das mulheres foi 26,15 e dos homens 26,33 (p=ns). Na análise por faixas de IMC houve diferen a significativa entre os sexos (p=0,037). Na faixa de sobrepeso e obesidade, apenas as médias de triglicérides das mulheres mostraram diferen a estatisticamente significativa: mulheres com sobrepeso 102,25±60,68 mg/dL e obesas 121,64±63,57 mg/dL (p=0,034). CONCLUS O: Mulheres sem cardiopatia apresentaram níveis séricos de glicose, triglicérides e HDL-colesterol inferiores aos homens. Em ambos os sexos, as médias s o menores na compara o entre eutróficos e com excesso de peso, e apenas as médias dos triglicérides das mulheres com sobrepeso e obesidade apresentou diferen a significativamente estatística.
Monitoriza??o materno-fetal durante procedimento odontológico em portadora de cardiopatia valvar
Neves, Itamara Lucia Itagiba;Avila, Walkiria Samuel;Neves, Ricardo Sim?es;Giorgi, Dante Marcelo Artigas;Santos, Jorge Francisco Kuhn dos;Oliveira Filho, Ricardo Martins;Grupi, Cesar José;Grinberg, Max;Ramires, José Antonio Franchini;
Arquivos Brasileiros de Cardiologia , 2009, DOI: 10.1590/S0066-782X2009001100005
Abstract: background: the effects of local dental anesthesia with lidocaine and epinephrine on cardiovascular parameters of pregnant women with heart valve diseases and their fetuses are not fully understood. objectives: to assess and analyze cardiotocographic, blood pressure and electrocardiographic parameters of pregnant women with rheumatic heart valve disease undergoing local anesthesia with 1.8ml of lidocaine 2% with or without epinephrine 1:100,000 during restorative dental treatment. methods: maternal ambulatory blood pressure and electrocardiographic monitoring as well as cardiotocography of 31 patients with rheumatic heart disease were performed between the 28th and 37th week of gestation. the patients were divided into two groups, those with or without vasoconstrictor. results: a significant reduction in maternal heart rate was shown in both groups during the procedure in comparison with the other periods (p<0.001). cardiac arrhythmia was observed in nine (29.0%) patients, of which seven (41.8%) were from the group of 17 pregnant women who received anesthesia plus epinephrine. no difference in maternal blood pressure was observed when periods or groups were compared (p>0.05). the same occurred (p>0.05) with the number of uterine contractions, baseline level and variability, and number of accelerations of fetal heart rate. conclusion: the use of 1.8ml of lidocaine 2% in combination with epinephrine was safe and efficient in restorative dental procedures during pregnancy in women with rheumatic heart valve disease.
Enfrentamento e reabilita o de portadores de les o medular e seus cuidadores  [PDF]
Pereira, Maria Eloá Moreira da Silva Martins,Araujo, Tereza Cristina Cavalcanti Ferreira de
Psico , 2006,
Abstract: Considerando-se os interesses científicos e assistenciais vinculados à promo o da qualidade de vida de portadores de les o medular, desenvolveu-se uma investiga o visando: a) descrever e analisar as estratégias de enfrentamento do participante de um programa de reabilita o e seus familiar cuidador; b) identificar a evolu o dessas estratégias ao longo da reabilita o; e c) compreender as contribui es e limites do programa institucional. Seis díades paciente-familiar foram avaliadas, antes do ingresso no programa e ao seu término, por intermédio da aplica o da escala de modos de enfrentar problemas e de entrevistas. Verificaram-se mudan as nas modalidades estratégicas empregadas entre a etapa de pré-reabilita o (religiosidade, pensamento positivo e busca de suporte social) e a etapa de pós-reabilita o (focaliza o no problema, pensamento positivo e busca de suporte social). Discutem-se, ainda, os aspectos comunicacionais, a rede de apoio, o programa institucional e a atua o da equipe de reabilita o.
Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de Pronto Atendimento  [cached]
Andréa Regina Leonardo Calderero,Adriana Inocenti Miasso,Clarissa Mendon?a Corradi-Webster
Revista Eletr?nica de Enfermagem , 2008,
Abstract: O trabalho é uma das fontes de satisfa o de necessidades humanas, todavia pode, ser fonte de adoecimento quando contém fatores de risco para o estresse e o trabalhador n o disp e de recursos suficientes para se proteger destes riscos. O objetivo deste estudo é verificar, entre a equipe de enfermagem do Pronto Atendimento de um Centro de Saúde Escola, a ocorrência e as fontes de estresse, as estratégias de enfrentamento utilizadas e sugest es de a es para a redu o do estresse. Estudo descritivo, transversal, com abordagem quali-quantitativa. Os dados foram coletados no período de junho e julho de 2005. Constaram da amostra 37 profissionais da equipe de enfermagem que atuam na referida unidade e que consentiram, por escrito, em participar do estudo. Para coleta dos dados utilizou-se entrevista semi-estruturada. Para análise dos dados quantitativos empregou-se a estatística descritiva e para os dados qualitativos, a Análise de Conteúdo de Bardin. 97,4% dos profissionais relataram sentir-se estressados; as sugest es para redu o do estresse relacionaram-se ao funcionamento organizacional, sobrecarga de trabalho e relacionamento com equipe e clientela; foram utilizadas estratégias de evitamento, confronto direito e indireto frente ao estresse. Faz-se necessária ado o, pela referida institui o, de estratégias sadias de redu o de estresse voltadas para estes profissionais.
O portador de esclerose múltipla e suas formas de enfrentamento frente à doen a  [PDF]
Ana Paula Bertotti,Maria Celina Ribeiro Lenzi,Jo?o Rodrigo Maciel Portes
Barbarói , 2011,
Abstract: A Esclerose Múltipla é uma doen a do sistema nervoso central considerada desmielinizante, pois causa danos na mielina que reveste as fibras nervosas destinadas à medula espinhal e aos impulsos do cérebro e do nervo óptico. Muitos s o os sentimentos que os portadores desta doen a possuem desde que recebem o diagnóstico até o momento em que assumem possuir Esclerose Múltipla. Diante desse contexto a presente pesquisa buscou conhecer as formas de enfrentamento utilizadas por pacientes com Esclerose Múltipla emrela o à doen a. De forma mais específica foi verificado qual o conhecimento que esses portadores têm sobre Esclerose Múltipla, quais s o as possíveis limita es e adapta es e os sentimentos gerados após o diagnóstico. Trata-se de uma pesquisa de cunho exploratórioqualitativo que contou com cinco participantes e teve como instrumento a entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo proposta por Moraes (1999). Os resultados apontaram que os sujeitos entrevistados buscam realizar o seu enfrentamento por meio de informa es e de adapta o necessária de acordo com cada individualidade. A raiva, o medo e o conformismo s o os sentimentos mais encontrados. Abstract Multiple sclerosis is a disease of the central nervous system considered as ademyelinating disease because it causes damage to the myelin that coats nerve fibers for the impulses to the brain, optic nerve and spinal cord. Many are the feelings that patients with this disease have since the start of receiving the diagnosis until the time to take to be a bearer of Multiple Sclerosis. Therefore, it is hoped will learn ways of coping used by patients with multiple sclerosis in relation to this disease. In more specific terms which shall be verified that these carriers have knowledge about MS, what possible limitations and adaptations and the feelings generated after diagnosis. This is a qualitative exploratory research that had fiveparticipants and the instrument was semi-structured interview. Data were analyzed using content analysis proposed by Moraes (1999). The results showed that the interviewees wish to accomplish their coping through information and necessary adjustment in accordance with each individual. Anger, fear and conformism are the feelings found.
Teste ergométrico e o Holter de 24 horas na detec o de arritmias ventriculares complexas em diferentes estádios da cardiopatia chagásica cr nica
Pedrosa Roberto Coury,Campos Márcia Cavalcanti de
Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical , 2004,
Abstract: Comparou-se o teste ergométrico com Holter de 24 horas na detec o de arritmias ventriculares complexas em diferentes estádios da cardiopatia chagásica cr nica. Avaliados 71 pacientes sem outras doen as associadas, idade=51±10,3, metade mulheres. Divididos em quatro grupos conforme o grau de acometimento cardíaco. A estatística esta discriminada no corpo do trabalho. Ao Holter, no grupo IA as arritmias ventriculares complexas foram detectadas em 4,3%, IB em 25%, II em 55% e no grupo III em 90%. Nos grupos II e III n o houve diferen a entre os exames na detec o de arritmias ventriculares complexas (p=NS). Nos grupos IA e IB, houve uma concordancia de 100% no teste ergométrico na n o detec o de arritmias ventriculares complexas entre dois observadores. No grupo II, a concordancia foi de 70% (kappa=0,368, p=0,003) e de 90% (kappa=0,78, p=0,002) no grupo III. Foi observado diferen as na presen a de arritmias ventriculares complexas entre os pacientes dos grupos em fase inicial e avan ada da cardiopatia chagásica cr nica. Nos pacientes dos grupos II e III n o houve diferen a entre os dois exames na detec o das arritmias ventriculares complexas. Pacientes dos grupos IA e IB é razoável indicar Holter e/ou o teste ergométrico na ocorrência de progress o da doen a.
Page 1 /100
Display every page Item


Home
Copyright © 2008-2017 Open Access Library. All rights reserved.