All Title Author
Keywords Abstract


Case Study of Children of Referrals to Health Services: An Individualizing Design?

DOI: 10.4236/ce.2015.62022, PP. 240-247

Keywords: Pathological, Diversity, Learning Problems, Health Services

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

Nowadays education for all is recommended as an international action. However in Brazil one can observe homogeneous practices for a heterogeneous public. When the student has learning difficulties, there seems to be an attempt to normalization and pathologization by the means of referral, many times being indiscriminate, to health services. This case study aimed to analyze records of pedagogical strategies to meet the students educational needs before sending them to health services. Two records sent to a multidisciplinary team of a Regional Specialty Clinic (ARE) in a city of the state of São Paulo/Brazil, were used. The results reflect that the records of the educators do not show the pedagogical strategies used with the students and that the education system still seeks homogeneous classes, devaluating the diversity present in its context.

References

[1]  Antshel, K. M. (2008). Attention-Deficit Hyperactivity Disorder in the Context of a High Intellectual Quotient/Giftedness. Developmental Disabilities Research Reviews, 14, 293-299.
http://dx.doi.org/10.1002/ddrr.34
[2]  Beltrame, M. M., & Boarini, M. L. (2013). Mental Health and Childhood: Reflexions on the School Demand of a CAPSi. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, 33, 336-349.
www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932013000200007&script=sci_arttext
[3]  Brant, L. C., & Carvalho, T. R. (2012). Metilfenidato: Medicamento gadget da contemporaneidade. Interface - Comunicação, Saúde, Educ., Botucatu, 16, 623-636.
www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832012000300004&script=sci_arttext
http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012000300004
[4]  Brasil (1990). Convenção sobre os Direitos da Criança. Decreto No 99.710, De 21 De Novembro De 1990.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99710.htm
[5]  Brasil (2009). Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei No 8.069, De 13 De Julho De 1990.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm
[6]  Brzozowski, F. S., & Caponi, S. (2009). Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade: classificação e classificados. Physis Revista de Saúde coletiva, Rio de Janeiro, 19 , 1165-87.
www.madres.org/documentos/doc20110113141936.pdf
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000400014
[7]  Capellini, V. L. M. F, Zanata, E. M., & Pereira, V. A. (2008). Práticas educativas: Ensino colaborativo. Bauru: UNESP/FC/ MEC.
[8]  Capellini, V. L. M. F. (2010). O ensino colaborativo favorecendo políticas e práticas educativas de inclusão escolar na educação infantil. In S. L. Victor, & J. F. Chicon (Orgs.), A Educação Inclusiva de Crianças, Adolescentes, Jovens e Adultos: Avanços e desafios (pp. 83-108). Vitória: EDUFES.
[9]  Copetti, J. (2012). Dificuldades de aprendizado: Manual para pais e professores. Curitiba: Juruá.
[10]  Crochik, J., & Crochik, N. (2010). A desatenção atenta e a hiperatividade sem ação. In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Org.), Medicalização de crianças e adolescentes: Conflitos silenci- ados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.
[11]  Decotelli, K. M., Bohrer, L. C. T, & Bicalho, P. P. G. (2013). A Droga da Obediência: Medicalização, Infância e Biopoder— Notas Sobre Clínica e Política. Psicologia: Ciência e profissão, 33, 446-459.
[12]  Eidt, N. M. & Tuleski, S. C. (2007). Discutindo a medicalização brutal em uma sociedade hiperativa. In M. E. M. Meira, & M. G. D. Facci (Orgs.), Psicologia Histórico-Cultural: Contribuições para o encontro entre a subjetividade e a educação (pp. 221-248). São Paulo: Casa do Psicólogo.
[13]  Ferrazza, D. A., & Rocha, L. C. D. (2011). A psicopatologização da infância no contemporâneo: Um estudo sobre a expan- são do diagnóstico de “transtorno de déficit de atenção e hiperatividade”. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, 8, 237-251.
[14]  Guarido, R. (2010). A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.), Medicalização de crianças e adolescentes: Conflitos silenciados pela redução de questões sócias a doenças de indivíduos (pp. 27-39). São Paulo: Casa do Psicólogo.
[15]  Guarido, R., & Voltolini, R. (2009). Que não tem remédio, remediado está? Educação em Revista, 25, 239-263.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982009000100014
[16]  Landskron, L. M. F., & Sperb, T. M. (2008). Narrativas de professoras sobre o TDAH: Um estudo de caso coletivo. Revista semestral da Associação Brasileira de Psicologia escolar e educacional, 12, 153-167.
http://www.scielo.br/pdf/pee/v12n1/v12n1a11.pdf
[17]  Machado, A. M. (2013). Uma nova criança exige uma nova escola: A criação do novo na luta micropolítica. In C. A. L. Collares, M. A. A. Moysés, & M. C. F. Ribeiro (Orgs.), Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos (pp. 191-202). Campinas: Mercado de Letras.
[18]  Mannoni, M. (1988). Educação impossível. Rio de Janeiro: Francisco Alves.
[19]  Masini, L. (2013). Uma nova criança exige uma nova escola. In C. A. L. Collares, M. A. A. Moysés, & M.C. F. Ribeiro (Orgs.), Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos (pp. 181-190). Campinas: Mercado de Letras.
[20]  Meira, M. E. M. (2012). Para uma crítica da medicalização na educação. Revista semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 16, 135-142.
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572012000100014
[21]  Nakamura, M. S., de Lima,V. A. A., Tada, I. N. C., & Junqueira, M. H. R. (2008). Desvendando a queixa escolar: Um estudo no Serviço de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia. Revista Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, 12, 423-429.
http://www.scielo.br/pdf/pee/v12n2/v12n2a13.pdf
[22]  Nunes, M. R. M., Tank, J. A., Costa, S. M. D., Furlan, F., & Schnell, L. C. (2013). O professor frente às dificuldades de aprendizagem: Ensino público e ensino privado, realidades distintas? Revista de Psicologia, Fortaleza, 4, 63-74.
http://www.revistapsicologia.ufc.br/index.php?option=com_content&id=
146%3Ao-professor-frente-as-dificuldades-de-aprendizagem-ensino
-publico-e-ensino-privado-realidades-distintas&Itemid=54&lang=pt
[23]  Rojas, M. C. (2010) Perspectiva familiar y social. In: B. Janín (Ed.), Niños desatentos e hiperativos ADD/ADHD: Refle- xiones critricas acerca del transtorno por Déficit de Atención con o sin hiperactividad. Buenos Aires: Noveduc.
[24]  Sanches, V. N. L., & Amarante, P. D. C. (2014). Estudo sobre o processo de medicalização de crianças no campo da saúde mental. Revista do centro Brasileiro de estudos de saúde, 38, 506-514.
www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n102/0103-1104-sdeb-38-102-0506.pdf
[25]  Seno, M. P. (2010). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): O que os educadores sabem? Revista psicopedagogia, 27, 334-43.
http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v27n84/v27n84a03.pdf
[26]  Souza, F. R. D., & Mosmann. C. P. (2013). Crianças e adolescentes encaminhados para psicoterapia pela escola: Percepções de Genitores e Professores. Revista da SPAGESP, 14, 39-54.
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1677-29702013000200004&script=sci_arttext
[27]  Souza, V. A. D., Inácio, C. B., & Carvalho, L. S. (2009). Desafios do cotidiano escolar: Repensando a prática de ensino e a dificuldade de aprendizagem. In Anais III EDIPE. Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino: Professores: entre os desafios do cotidiano escolar e a realização profissional, 2009, Anápolis, Goiânia. Anápolis, GO: Viera.
http://www.ceped.ueg.br/anais/IIIedipe/pdfs/3_posteres/gt09_
didatica_praticas_ensino_estagio/post_gt09_desafios_
do_cotidiano_escolar.pdf
[28]  UNESCO—United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (1998a). Declaração Universal dos Direitos Humanos.
http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf
[29]  UNESCO—United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (1998b). Declaração Mundial sobre Educação para Todos.
http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf
[30]  Zanata, E. M., & Capellini, V. L. M. F. (2013). A construção de uma escola inclusiva por meio da colaboração. In E. C. Konkiewitz (Org.), Aprendizagem, Comportamento e Emoções na Infância e Adolescência (pp. 281-291). Dourados, MS: UFGD.

Full-Text

comments powered by Disqus