All Title Author
Keywords Abstract


DOPPLERVELOCIMETRIA DO DUTO VENOSO NO CáLCULO DE RISCO PARA SíNDROME DE DOWN NO PRIMEIRO TRIMESTRE DA GRAVIDEZ

Keywords: Dopplervelocimetria , Duto venoso , Síndrome de Down , Diagnóstico pré-natal

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

OBJETIVO: Investigar a validade da Dopplervelocimetria do duto venoso em detectar a síndrome de Down entre 10 e 14 semanas de gesta o e propor novo cálculo de risco. PACIENTES E MéTODOS: Foram estudados 491 fetos, consecutivamente. Em 132 casos realizou-se estudo citogenético no material obtido por biópsia de vilosidade cori nica e em 359 o resultado baseou-se no fenótipo do recém-nascido. Em todos os fetos realizaram-se, além da ultra-sonografia de rotina, a medida da translucência nucal e a Dopplervelocimetria do duto venoso. Na análise estatística foram utilizados o teste paramétrico T de "student", a análise de variancia e a regress o linear. Posteriormente, calcularam-se: sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo, probabilidade de falso-positivo e raz es de probabilidades. RESULTADOS: Ocorreram 21 casos de trissomia do cromossomo 21. Desses casos, o fluxo no duto venoso durante a contra o atrial foi ausente em três casos e reverso em 17 - sensibilidade de 95,2%. No grupo de fetos normais (470 casos), oito avalia es mostraram altera es do Doppler do duto venoso (especificidade de 98,2%, valores preditivos positivo e negativo de 71,4% e 99,8%, respectivamente, e raz es de probabilidades positiva e negativa de 56 e 0,1, respectivamente). CONCLUS ES: Nossos resultados preliminares sugerem que a presen a de síndrome de Down pode ser fortemente suspeitada se houver fluxo reverso ou ausente no duto venoso. Especulamos a possibilidade de cálculo de novo risco para trissomia do 21 com base no Doppler do duto venoso. Utilizando o programa de risco da Fetal Medicine Foundation como risco basal, teríamos um fator multiplicador de aproximadamente 0,1 (raz o de probabilidade negativa), caso duto normal, ou de 50 (raz o de probabilidade positiva), caso duto reverso ou ausente, e assim, teremos novo risco corrigido.

Full-Text

comments powered by Disqus