All Title Author
Keywords Abstract


50 anos de Psicologia no Brasil: a constru o social de uma profiss o 50 anos de Psicología en Brasil: la construcción social de una profesión 50 years of Psychology in Brazil: the social construction of a profession

DOI: 10.1590/s1414-98932012000500006

Keywords: Historia de la Psicología , Cincuenta a os de la Psicología , Construcción social de la Psicología , Dimensiones subjetivas de la realidad , História da Psicologia - Brasil , 50 anos da Psicologia , Atua o do Psicólogo , History of psychology , 50 years of psychology , Social construction of psychology

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

As profiss es imperiais, assim Edmundo Campos Coelho, um sociólogo das profiss es, designa as profiss es (engenheiro, médico e advogado) que se constituíram e foram as primeiras a ganhar regulamenta o a partir de 1822, primórdios da fase imperial brasileira e momento que marca o início da institucionaliza o e do regramento da vida dos brasileiros depois da ruptura com a metrópole colonial. Interessa-nos essa análise na medida em que nos ajuda a compreender como a Psicologia constituiu a sua própria institucionaliza o e como ela encontra espa o social para avan ar como profiss o considerada necessária e importante para os diversos campos em que atua. Nenhuma profiss o sobrevive se n o é considerada socialmente relevante e demandada pela popula o. Desse ponto de vista, qual a importancia social da Psicologia e qual seu futuro imediato no Brasil, considerando que estamos ultrapassando a barreira dos 200 mil psicólogos com registro no sistema Conselhos de Psicologia (aptos a atuarem profissionalmente)? Isso significa que atingimos o padr o de cobertura considerado adequado pela Organiza o Mundial de Saúde para a nossa popula o. Temos psicólogos suficientes para garantir o atendimento psicológico em todos os segmentos da saúde, do trabalho, da educa o, da Justi a, dos meios de comunica o e de tantas outras áreas em que hoje esse profissional está inserido. Essa condi o é suficiente para o que pretende a profiss o, considerando as a es das entidades de classe? A popula o foco dos servi os prestados reconhece o valor dessa profiss o? S o quest es que indicam a condi o organizativa em que nos encontramos hoje, cinquenta anos depois da regulamenta o da profiss o. Esse patamar de nossa organiza o e de nossa atividade profissional é indicativo de maturidade do campo profissional e, ao mesmo tempo, indicativo de que há muito a se construir. Diz a música popular que, “se muito vale o que foi feito, mais vale o que virá”. O que nos reserva esse futuro e qual a potência dessa profiss o é o que discutiremos a seguir. Las profesiones imperiales, así Edmundo Campos Coelho, un sociólogo de las profesiones, designa las profesiones (ingeniero, médico y abogado) que se constituyeron y fueron las primeras a ser reglamentadas a partir de 1822, a principios de la fase imperial brasile a y momento que marca el inicio de la institucionalización y del reglamento de la vida de los brasile os después de la ruptura con la metrópolis colonial. Nos interesa ese análisis en la medida en que nos ayuda a comprender cómo la Psicología constituye su propia institucionalización

Full-Text

comments powered by Disqus