All Title Author
Keywords Abstract


O COMPORTAMENTO FINANCEIRO DURANTE E APóS A CRISE FINANCEIRA DE 2008 SOB A óTICA DA TEORIA DOS PROSPECTOS

Keywords: Finan as Comportamentais , Vieses cognitivos , Teoria do Prospecto.

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

Os estudos em Finan as Comportamentais têm como principal objetivo identificar e compreender as ilus es cognitivas responsáveis pelos erros sistemáticos de avalia o dos investidores, de forma a adaptar os modelos econ mico-financeiros atuais e, assim, orientar e capacitar os agentes econ micos a tomar suas decis es de maneira mais apropriada. Por falta de oportunidade talvez, n o há na literatura pesquisa comparando os atalhos mentais em períodos de crise financeira com os mesmos atalhos em períodos de otimismo do Mercado. O trabalho mais próximo desse tema é o de Johnsson et al (2002), em que os autores avaliaram os efeitos da bolha especulativa do final dos anos 90 no comportamento do investidor. Tentando suprir essa lacuna, o presente trabalho buscou descrever o comportamento financeiro dos agentes econ micos em cenários de crise e de otimismo, sob a ótica da Teoria dos Prospectos. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo quantitativa, aplicando-se o questionário proposto na pesquisa seminal de Kahneman e Tversky (1979) para duas amostras por conveniência dos alunos do curso de gradua o em Administra o da Universidade Potiguar – RN: uma totalizando 234 alunos, ao final de 2008, e outra, 213, ao final de 2009. Os resultados obtidos confirmam os achados da pesquisa seminal e das pesquisas de mesmo enfoque no Brasil. Entretanto apenas em algumas quest es relativas ao efeito certeza, os indivíduos pesquisados demonstraram preferências estatisticamente diferentes para os dois cenários econ micos. Assim sendo, a ausência geral de diferen as significativas entre os posicionamentos nos dois anos n o permite inferir a interferência das heurísticas da disponibilidade, da representatividade, nem da ancoragem nos indivíduos do primeiro para o segundo ano pesquisado.

Full-Text

comments powered by Disqus