All Title Author
Keywords Abstract


Sensibilidade toxicológica e especificidade do teste de microfixa o de complemento na detec o de toxinas botulínicas C e D em meio de cultura e fígado de camundongos

Keywords: Toxinas botulínicas , microfixa o de complemento , sensibilidade , especificidade , camundongo

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

No presente estudo pretendeu-se verificar a sensibilidade toxicológica e especificidade do Teste de Microfixa o de Complemento (MCF) na detec o de toxinas botulínicas C e D no sobrenadante de cultivos bacterianos e em fígados de camundongos inoculados com doses letais e subletais. As toxinas foram produzidas em meio de cultura Hemoline, tituladas através da determina o da DL50 pelo Bioensaio em Camundongo e diluídas nas concentra es de 10, 1, 0,1, 0,01 e 0,001 DL50. Desta forma, foram utilizadas em dois modelos experimentais, onde foi determinada a sensibilidade toxicológica do MCF no sobrenadante do meio de cultura com as dilui es descritas acima e ainda em extratos hepáticos de camundongos com peso corporal de 20g, inoculados com as mesmas dilui es. A tentativa de evidencia o das toxinas botulínicas nos extratos hepáticos de camundongos foi realizada através da sua extra o após a morte pela administra o das doses letais e ainda pelo sacrifício dos animais inoculados com doses subletais, em intervalos de 5 dias. Os resultados evidenciaram uma sensibilidade toxicológica para o MCF de 100% para os dois tipos de toxinas ao nível de 0,01 DL50, quando testados os sobrenadantes de meio de cultura, portanto 100 vezes superior ao Bioensaio em Camundongo. A sensibilidade toxicológica do MCF, quando examinados extratos hepáticos de camundongos inoculados com 1 e 10 DL50 de toxinas botulínicas C e D, foi inferior, com valores de 100, 80, 89 e 72%, respectivamente. Pelo teste foi possível detectar toxinas botulínicas tipos C e D nos extratos hepáticos de camundongos inoculados com doses subletais até 15 dias após a sua inocula o. A especificidade do MCF foi de 88 e 92%, quando testados extratos hepáticos de camundongos sadios, e confrontados com as antitoxinas C e D; e 100% no sobrenadante do meio de cultura. Os resultados apontam para uma possível utiliza o do teste como importante instrumento de pesquisa e ainda na eventual substitui o dos testes in vivo pelas suas implica es éticas e limita es práticas.

Full-Text

comments powered by Disqus