All Title Author
Keywords Abstract

Barbarói  2006 

Morte e n o-vida: o medo do fim e a sobrevivência na sociedade administrada

Keywords: Teoria Crítica , Morte , Sociedade Administrada.

Full-Text   Cite this paper   Add to My Lib

Abstract:

O presente artigo fundamenta-se na Teoria Crítica, especialmente nos escritos de Adorno, Horkheimer e Marcuse, para discutir o medo da morte como uma contradi o diante da vida que tem sido possível na sociedade administrada. A lógica que administra a sociedade possibilitou o fascismo, o nazismo, Auschwitz. Os campos de trabalho for ado e de extermínio já mostraram que a vida pode ser pior que a morte e que, nesse aspecto, a dor de viver uma vida danificada, permeada por restri es, humilha es e infelicidade, deve ser mais temida que a própria extin o plena, a morte. O presente artigo fundamenta-se na Teoria Crítica, especialmente nos escritos de Adorno, Horkheimer e Marcuse, para discutir o medo da morte como uma contradi o diante da vida que tem sido possível na sociedade administrada. A lógica que administra a sociedade possibilitou o fascismo, o nazismo, Auschwitz. Os campos de trabalho for ado e de extermínio já mostraram que a vida pode ser pior que a morte e que, nesse aspecto, a dor de viver uma vida danificada, permeada por restri es, humilha es e infelicidade, deve ser mais temida que a própria extin o plena, a morte. Abstract The present article is based on the Critical Theory, especially on the work of Adorno, Horkheimer and Marcuse. It discusses the fear of death as a contradiction faced with life that has been occurring in the managed society. The logic that underpins the society allowed the rise of Fascism, Nazism and Auschwitz. The concentration and extermination camps have showed that life can be worse than death. The pain of living a suffering life, full of restriction, humiliation and unhappiness has to be feared more than the extinction – the death itself.

Full-Text

comments powered by Disqus